Maradona, um arquétipo argentino

Imagem: Ciro Saurius
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GUSTAVO CAPONI

O homem que enfrenta a patrulha

Em seu ensaio “Nuestro pobre individualismo”, Borges alude a uma noite que deixaria em evidência a raiz hispânica da literatura argentina; e que também permitiria entender um elemento típico de nossa cultura. Borges fala dessa “desesperada noite na que um sargento da polícia rural gritou que não ia consentir o delito de que se matasse a um valente, ficando a pelear contra seus soldados, junto ao desertor Martin Fierro”. Entrar em conflito com a autoridade, enfrentar o instituído, e saber desprezar a cobertura falaciosa da lei, e da ‘moral’, para assim ficar do lado justo, que sempre é o lado do oprimido: eis aí atitudes que as boas argentinas e os bons argentinos consideram como expressão das virtudes fundamentais. Essas virtudes são a coragem e a antipatia pelos que levam a de ganhar já antes de começarem a briga. É claro, entretanto, que a amplíssima maioria das argentinas e argentinos não está à altura dessas virtudes: nem todos somos, nem de longe, as Mães e as Avós da Praça de Maio. Mesmo assim, porém, a maior de nós reconhece e admira essas virtudes, embora quase nunca as honre; e só uns poucos cínicos as negariam explicitamente.

Esse culto do ‘homem que enfrenta à patrulha’ não só encontrou sua expressão em Martín Fierro e no sargento Tadeo Cruz, que ficou do seu lado. Borges também refere aos gaúchos Hormiga Negra e Juan Moreira, que ademais de personagens literários também foram lendas populares. Eles também foram exemplos claros desse culto: ambos, inclusive, morrem enfrentando a patrulha depois de sempre ter vivido brigando com dela. Mas Borges também alude ao gaúcho Dom Segundo Sombra, cujos atributos só têm sentido se a gente chega a pensar que “em potência ou no passado”, ele pôde, ou poderia, ter enfrentado essa circunstância sem a qual a valia de um argentino, e de uma argentina, nunca fica totalmente comprovada. É claro, todavia, que é possível mencionar muito mais exemplos desse tipo de heróis. ‘Um certo capitão Rodrigo’ também entraria na lista, ratificando a raiz rio platense da cultura do Rio Grande do Sul. E ainda haveria que mencionar a personagens não literários que ingressaram no mundo da mitologia argentina pelo fato de ter encarnado o espírito de Martin Fierro. O ‘Gauchito Gil’ seria um caso paradigmático; e também o Che Guevara: que viveu e morreu servindo a esse arquétipo.

Porém, embora doutra forma, esse também foi o caso de Maradona. Ademais de seu humilhante talento e de sua estonteante efetividade como jogador de futebol, Maradona sempre viveu enfrentando apatrulha. Essa patrulha podiam ser os empresários do futebol argentino e internacional, o jornalismo hipócrita e classista de Buenos Aires; mas também todos os valores e instituições de uma ordem social na qual Maradona nunca acreditou. Inteligente como era, ele sempre soube qual teria sido seu lugar no mundo, não fosse a excelência de suas pernas e a velocidade de seus cálculos no campo de jogo. Ele nunca esqueceu que era um ‘pibe de Villa Fiorito’; e nunca deixou de manifestar seu desprezo por aqueles cujo único mérito era ser os ‘donos da bola’. Entre a torcida e os dirigentes, ele sempre ficou do lado da torcida. Entre os dirigentes e os jogadores, sempre ficou do lado dos jogadores. E assim sempre: entre os ‘pibes de Villa Fiorito’ e os poderosos, ele sempre optou pelos ‘pibes’. Isso aconteceu em todos os planos e em todas as circunstâncias: sem medir riscos; e ele sempre o fez alegremente, da mesma forma na que jogava bola. Por isso o admiramos tanto assim.

Mas é claro: viver enfrentando sempre patrulha não é fácil; isso tem custos. Optar sempre por se desmarcar do instituído é perigoso; porque obriga a transitar por atalhos mau sinalizados e insuficientemente iluminados: trilhas que bordeiam precipícios, sem que haja nenhum guard-rail que assim o indique. Aí, ademais, nesses margens, a gente pode terminar muito mal acompanhado, e ainda encarando brigas desnecessárias. Brigas aceitas pelo simples gosto de ratificar a própria coragem, se mostrando indomável. Esse, porém é um risco inevitável. Todos os heróis a la Martin Fierro o correram; isso faz parte da sua essência. Aliás, a maior parte deles sucumbiu justamente por isso. Assim foi com Juan Moreira, com Hormiga Negra, com o ‘Gauchito Gil’, e com o Che. E assim foi com o Maradona. Foi, em nessas más brigas, sempre acontecidas ‘en una esquina cualquiera’, aonde lhe fizeram essas feridas que, ao final, acabaram por matá-lo. Mas há que aceitá-lo: esse era seu destino; e é por tudo isso que agora já está nesse lugar de privilégio que ele sempre ocupará no panteão dos grandes mitos argentinos: perto do Mono Gatica, e nem tão longe assim do Che.

*Gustavo Caponi é professor titular do Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Luiz Roberto Alves Sandra Bitencourt Carla Teixeira Thomas Piketty Fábio Konder Comparato Osvaldo Coggiola Renato Dagnino Ronald León Núñez Ricardo Abramovay Antônio Sales Rios Neto Antonio Martins José Luís Fiori Kátia Gerab Baggio Michael Löwy Bento Prado Jr. Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Igor Felippe Santos Anselm Jappe Celso Favaretto Marcos Silva Chico Alencar Mário Maestri Claudio Katz Annateresa Fabris Luís Fernando Vitagliano Airton Paschoa Leonardo Boff Tarso Genro Samuel Kilsztajn Henri Acselrad Ronald Rocha Gabriel Cohn Ladislau Dowbor André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Luiz Carlos Bresser-Pereira Berenice Bento Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Marcos Aurélio da Silva Jean Pierre Chauvin Manuel Domingos Neto André Singer Luiz Renato Martins José Costa Júnior Marilia Pacheco Fiorillo Flávio Aguiar Carlos Tautz João Paulo Ayub Fonseca Jorge Branco Lucas Fiaschetti Estevez Rafael R. Ioris Afrânio Catani Gilberto Lopes Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Luciano Nascimento Paulo Martins Denilson Cordeiro João Carlos Salles Luiz Bernardo Pericás Gilberto Maringoni Francisco Pereira de Farias Leonardo Sacramento Eduardo Borges Elias Jabbour Tadeu Valadares Gerson Almeida Slavoj Žižek José Micaelson Lacerda Morais Francisco Fernandes Ladeira Rodrigo de Faria João Feres Júnior Juarez Guimarães Valerio Arcary Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Salem Nasser Yuri Martins-Fontes Daniel Afonso da Silva João Carlos Loebens Heraldo Campos Marcelo Módolo Francisco de Oliveira Barros Júnior Rubens Pinto Lyra Fernando Nogueira da Costa João Lanari Bo Sergio Amadeu da Silveira Dennis Oliveira Henry Burnett Jorge Luiz Souto Maior Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt Mariarosaria Fabris Marcus Ianoni Michael Roberts Armando Boito Otaviano Helene Ronaldo Tadeu de Souza Flávio R. Kothe Alexandre Aragão de Albuquerque Lincoln Secco Érico Andrade Matheus Silveira de Souza Remy José Fontana Marilena Chauí Chico Whitaker Maria Rita Kehl Liszt Vieira Dênis de Moraes José Machado Moita Neto Luiz Marques João Adolfo Hansen Andrew Korybko Antonino Infranca Fernão Pessoa Ramos Luiz Werneck Vianna Ricardo Fabbrini Eugênio Bucci Paulo Capel Narvai Manchetômetro Leda Maria Paulani Michel Goulart da Silva Eleonora Albano Luis Felipe Miguel Marcelo Guimarães Lima Eugênio Trivinho Priscila Figueiredo João Sette Whitaker Ferreira Vanderlei Tenório Ari Marcelo Solon Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Daniel Brazil José Dirceu José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Daniel Costa Atilio A. Boron Walnice Nogueira Galvão Ricardo Antunes Paulo Nogueira Batista Jr Caio Bugiato Ricardo Musse Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Machado Bernardo Ricupero Andrés del Río Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa Vladimir Safatle Valerio Arcary Paulo Fernandes Silveira Eliziário Andrade José Raimundo Trindade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada