Democracia participativa no lugar do orçamento secreto

Imagem: Nothing Ahead
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERSON ALMEIDA*

Idealizada para superar a compreensão de democracia que restrinje a participação das pessoas na vida pública ao voto nas eleições

Na ultima conferência anual da Organização Internacional de Democracia Participativa (OIDP), ocorrida em dezembro, na cidade de Grenoble, o Brasil voltou a ser saudado como o país onde foi inventada a mais avançada experiência de democratização da aplicação do orçamento público, o “Orçamento Participativo” (OP).

Depois de trinta e dois anos do seu início, na cidade de Porto Alegre, ela logo tornou-se uma marca dos governos do campo democrático e deu incontáveis demonstrações da sua eficácia social e econômica.

Idealizada para superar a compreensão de democracia que restrinje a participação das pessoas na vida pública ao voto nas eleições, o êxito do Orçamento Participativo é tal que já alcançou mais de 1700 cidades em todos os continentes, incluindo cidades como Paris e Barcelona e avançou ao ponto de já contar com experiências de âmbito nacional, como em Portugal e Moçambique.

Todas estas experiências demostram que aplicar os recursos públicos a partir de prioridades construidas com a participação dos cidadãos – os principais interessados – garante mais economicidade e eficácia nos investimentos. Entre outras razões, por serem feitos atraves de critérios que resistem à luz do dia.

Pois bem, imaginem a surpresa de todos ao saber que a experiência de Orçamento Participativo em Porto Alegre, assim como a do Sistema Nacional de Participação Social, construído ao longo dos governos de Lula e de Dilma Rousseff no Brasil, foi substituída pelo orçamento secreto de Jair Bolsonaro e de Artur Lira.

Meu argumento nos debates foi de que há uma relação direta entre a volta do Brasil ao Mapa da Fome e a aceleração do desmatamento da Amazônia, com o desmonte de todas as formas de participação e controle social no processo de deliberação das políticas públicas, para citar apenas dois exemplos do retrocesso que este retrocesso democrático significa.

Depois dos governos de Lula e de Dilma Rousseff terem conseguido tirar o Brasil do Mapa da Fome das Nações Unidas e diminuído o desmatamento da Amazônia em 67% no período de 2002 a 2016, cerca de 40 milhões de brasileiros voltarem a passar fome e o desmatamento da Amazônia cresceu 73%, apenas nos três primeiros anos do atual (des)governo.

Não é acaso que esses retrocessos civilizatórios tenham ocorrido depois do esvaziamento dos espaços de participação e do desmonte dos mecanismos de fiscalização e controle ambiental, que foram frutos exitosas dos processos participativos nos Conselhos, das Conferências e das Mesas de Negociação Nacional, entre outros arranjos democráticos que foram criados.

As 74 Conferências Nacionais ocorridas entre 2003 e 2010 mobilizaram diretamente mais de cinco milhões de pessoas nas suas etapas municipais, estaduais e nacional; e os 18 novos Conselhos Temáticos legaram programas e projetos de grande impacto para a diminuição das imensas desigualdades existentes no Brasil.

As deliberações desta ampla mobilização participativa são responsáveis pela criação do Programa Nacional de Moradia Popular, do Sistema Nacional de Assistência Social, do Programa Nacional da Juventude, do Programa Nacional de Políticas para as Mulheres, do Programa Nacional de Promoção da Igualdade Racial, da Política Nacional Sobre Mudança do Clima, entre tantos outros.

Agora, que o STF impediu a naturalização das práticas secretas e sem qualquer controle social na aplicação dos recursos do orçamento, há uma grande oportunidade para que o campo democrático mais uma vez recupere a capacidade de inovação nas práticas democráticas e não só recupere aquilo que foi desmontado, mas avance em formas de ampliação da participação social nos processos de deliberação das políticas públicas e na definição das prioridades na aplicação dos recursos.

Assim, o orçamento poderá, novamente, voltar a ser chamada de público.

*Gerson Almeida, mestre em sociologia pela UFRGS, foi secretário de meio ambiente de Porto Alegre e Secretário Nacional de Participação Social no governo de Lula.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Sette Whitaker Ferreira Francisco de Oliveira Barros Júnior José Dirceu Érico Andrade Eugênio Bucci Afrânio Catani Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Mário Maestri Tarso Genro Ricardo Abramovay Heraldo Campos Atilio A. Boron Andrés del Río Liszt Vieira Vladimir Safatle Eleonora Albano Chico Whitaker Ronaldo Tadeu de Souza Michel Goulart da Silva Mariarosaria Fabris Carlos Tautz Annateresa Fabris Antonio Martins Rafael R. Ioris Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Chico Alencar Luiz Eduardo Soares Ronald Rocha Yuri Martins-Fontes Eduardo Borges Celso Favaretto Alexandre de Freitas Barbosa Tales Ab'Sáber Daniel Brazil Tadeu Valadares Anselm Jappe Juarez Guimarães José Geraldo Couto Ricardo Antunes José Costa Júnior Paulo Sérgio Pinheiro José Machado Moita Neto Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás Andrew Korybko Leonardo Boff Marcelo Guimarães Lima Walnice Nogueira Galvão Sergio Amadeu da Silveira Armando Boito Slavoj Žižek Jean Pierre Chauvin Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Matheus Silveira de Souza Eleutério F. S. Prado Paulo Martins Jorge Luiz Souto Maior Michael Roberts Antonino Infranca Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald León Núñez Eugênio Trivinho Manchetômetro Priscila Figueiredo André Márcio Neves Soares Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Everaldo de Oliveira Andrade Antônio Sales Rios Neto Thomas Piketty Marcos Silva Otaviano Helene Henri Acselrad Eliziário Andrade Michael Löwy Jorge Branco Salem Nasser Claudio Katz Daniel Costa Luiz Roberto Alves Samuel Kilsztajn Henry Burnett Luiz Renato Martins João Lanari Bo Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Gerson Almeida João Carlos Salles João Adolfo Hansen Luiz Marques Dennis Oliveira Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro Daniel Afonso da Silva Francisco Fernandes Ladeira André Singer João Carlos Loebens Ari Marcelo Solon Rubens Pinto Lyra Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Igor Felippe Santos Dênis de Moraes João Feres Júnior Gabriel Cohn Vanderlei Tenório Maria Rita Kehl Lincoln Secco José Raimundo Trindade Leonardo Avritzer Bruno Fabricio Alcebino da Silva Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Gilberto Lopes Lucas Fiaschetti Estevez Bento Prado Jr. Bruno Machado Renato Dagnino Boaventura de Sousa Santos Flávio R. Kothe João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid Marilena Chauí Osvaldo Coggiola Alexandre de Lima Castro Tranjan José Luís Fiori Benicio Viero Schmidt Fernando Nogueira da Costa Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais Marjorie C. Marona Ladislau Dowbor Marcos Aurélio da Silva Airton Paschoa Marcus Ianoni Bernardo Ricupero Leonardo Sacramento Francisco Pereira de Farias Valerio Arcary Luís Fernando Vitagliano Elias Jabbour Valerio Arcary Caio Bugiato Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Luciano Nascimento Leda Maria Paulani Berenice Bento Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada