Eleições pandêmicas

Imagem: Thelma Lessa da Fonseca
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FELIPE GALLO DA FRANCA*

O que podemos esperar da propaganda eleitoral durante uma pandemia?

A pandemia do COVID-19 trouxe impactos para diversos setores da sociedade, afetando, também, as eleições de 2020. Além da mudança das datas, a Justiça Eleitoral adotou uma série de protocolos sanitários para garantir uma eleição segura.

Contudo, uma eleição não é uma escolha protocolar em que o cidadão simplesmente cumpre uma obrigação legal. É um momento fulcral em nossa democracia, visto que é a oportunidade de escolha dos rumos da política, no caso de 2020, municipal. Para que o eleitor seja capaz de fazer uma escolha consciente das lideranças políticas que o representarão, ele precisa informar-se e é nesse momento que podemos refletir sobre a importância da propaganda eleitoral para a democracia.

Muito além de ser um direito das candidaturas, a propaganda eleitoral é um direito dos cidadãos, porque, além de ter acesso às propostas políticas dos candidatos, o eleitor tem contato com a crítica política dos principais concorrentes ao pleito.

Apesar de sua importância, os movimentos recentes de “mini-reforma eleitoral”, com o objetivo de reduzir os custos das campanhas, passaram a diminuir cada vez mais as possibilidades de propaganda. Nesse sentido, tivemos nos últimos anos: (i) a redução do tempo de propaganda eleitoral de 90 para 45 dias; (ii) a vedação à veiculação de propaganda em outdoors, cavaletes, bandeiras fixas, muros e fachadas; (iii) a não veiculação de propaganda em rede das candidaturas à vereança no horário eleitoral gratuito; (iv) o impedimento de veiculação em carro de som ou minitrios em eventos que não sejam carreatas ou congêneres; entre outros.

Tendo em vista as restrições à realização de “campanhas tradicionais”, aos poucos as propagandas passaram a migrar cada vez mais para o ambiente virtual. As campanhas passaram a ver as redes sociais como um ambiente propício, em razão do seu baixo custo e alcance do eleitorado, mesmo se pensarmos nas limitações causadas pelos algoritmos e a criação de “bolhas”. Cabe ressaltar que tal fenômeno tende a se intensificar com o advento da pandemia, em que várias campanhas devem migrar para o ambiente virtual.

Tendo em vista esse “novo” cenário, a legislação eleitoral, aos poucos, começou a regulamentar a propaganda na internet. Foram permitidas (i) a arrecadação de recursos em sites; (ii) o incentivo ao financiamento coletivo através de plataformas de crowdfunding; (iii) o impulsionamento pago de conteúdo; e (iv) a veiculação de propaganda em sites¸ redes sociais e blogs de candidatos.

Mas as experiências recentes com a propaganda na internet demonstraram problemas não aventados anteriormente pela legislação eleitoral. De um lado, temos a desinformação, comumente denominada como fake news. Através de uma coleta massiva de dados e da utilização dos algoritmos de maneira estratégica, algumas candidaturas foram acusadas de promoverem uma campanha ordenada de desinformação em massa, repassando mensagens e notícias falsas sobre outras candidaturas.

Por outro lado, o mecanismo legal normalmente utilizado pelas candidaturas para enfrentar a disseminação de desinformação é a remoção do conteúdo, estratégia muito criticada por especialistas pelo potencial da desinformação ser confundido com o direito à crítica ou opinião.

Dessa forma, em “eleições pandêmicas” encontramos dois desafios para realização da propaganda eleitoral.

Nas “campanhas de rua”, além das inúmeras vedações mencionadas acima, as candidaturas deverão preocupar-se com as condições sanitárias de seus apoiadores. Cabe ressaltar que a Emenda Constitucional 107/20, responsável pelo adiamento do pleito, não estabeleceu nenhuma vedação para realização de propaganda eleitoral durante o período da pandemia. Pelo contrário, a norma permitiu uma flexibilização da realização de publicidade institucional de órgãos públicos municipais com o objetivo de promover atos e campanhas destinados ao enfrentamento da pandemia, o que, em outros tempos, poderia ser considerada uma conduta vedada, nos termos do art. 73 da Lei, 9.504/97.

Além disso, a EC impediu que norma municipal limitasse a realização de propaganda eleitoral, salvo se houver decisão fundamentada em prévio parecer técnico emitido por autoridade sanitária estadual ou nacional. A intenção desse dispositivo foi de limitar o abuso do poder político, visto que candidatos à reeleição poderiam tentar impedir a campanha eleitoral de seus adversários através de norma municipal.

Já nas “campanhas virtuais” o desafio é tentar minimizar os efeitos da desinformação, sem que o eleitor tenha cerceado seu direito de expressar-se livremente. Para tanto, a própria Resolução 23.610/2019, que regulamenta a propaganda eleitoral na internet deixa claro o respeito à liberdade de expressão.

Dessa forma, além das naturais adversidades de uma eleição durante a pandemia, a Justiça Eleitoral vai encontrar um enorme desafio em fiscalizar a propaganda eleitoral, seja nas campanhas de rua ou nas virtuais.

*Felipe Gallo da Franca é mestre em Direito Político pela UFMG e membro da Comissão de Direito Municipal da OAB-MG.

Publicado originalmente no Observatório das Eleições 2020 do Instituto da Democracia e Democratização da Comunicação (INCT/IDDC).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Kátia Gerab Baggio Mariarosaria Fabris Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Elias Jabbour Luiz Marques Michael Roberts Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Sergio Amadeu da Silveira Érico Andrade Alysson Leandro Mascaro Chico Alencar Ricardo Abramovay Marcos Aurélio da Silva Rafael R. Ioris João Paulo Ayub Fonseca Alexandre de Freitas Barbosa Daniel Afonso da Silva Eugênio Trivinho Matheus Silveira de Souza Marilena Chauí André Márcio Neves Soares José Costa Júnior Fernando Nogueira da Costa Gerson Almeida Luis Felipe Miguel Marjorie C. Marona Eugênio Bucci Dennis Oliveira Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Chico Whitaker Fernão Pessoa Ramos Carla Teixeira Eliziário Andrade Ladislau Dowbor João Lanari Bo Antônio Sales Rios Neto Claudio Katz Leda Maria Paulani Luiz Werneck Vianna Eleutério F. S. Prado Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Renato Martins Lincoln Secco Mário Maestri Leonardo Boff Michel Goulart da Silva Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Tarso Genro Manchetômetro João Adolfo Hansen Samuel Kilsztajn Luiz Eduardo Soares João Carlos Salles Bruno Machado Ricardo Antunes Heraldo Campos Daniel Brazil Dênis de Moraes Marcelo Guimarães Lima José Raimundo Trindade Henry Burnett Yuri Martins-Fontes Rodrigo de Faria José Geraldo Couto José Luís Fiori Valerio Arcary Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Fabbrini Everaldo de Oliveira Andrade José Machado Moita Neto Flávio R. Kothe Ricardo Musse Marcus Ianoni Carlos Tautz Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Thomas Piketty Benicio Viero Schmidt Tales Ab'Sáber Andrés del Río Rubens Pinto Lyra Daniel Costa Bento Prado Jr. Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Salem Nasser Lucas Fiaschetti Estevez Michael Löwy Vinício Carrilho Martinez Vanderlei Tenório Francisco de Oliveira Barros Júnior Igor Felippe Santos Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Módolo Maria Rita Kehl Fábio Konder Comparato Jean Pierre Chauvin Vladimir Safatle Sandra Bitencourt Paulo Fernandes Silveira Gabriel Cohn Jorge Branco Jean Marc Von Der Weid Remy José Fontana Gilberto Maringoni Jorge Luiz Souto Maior Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Armando Boito Leonardo Sacramento Ronald León Núñez Henri Acselrad Ronaldo Tadeu de Souza Milton Pinheiro Andrew Korybko João Carlos Loebens Alexandre Aragão de Albuquerque Berenice Bento Osvaldo Coggiola Celso Favaretto Priscila Figueiredo Atilio A. Boron Gilberto Lopes Eleonora Albano Juarez Guimarães Lorenzo Vitral Francisco Pereira de Farias Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico José Micaelson Lacerda Morais Afrânio Catani José Dirceu Ronald Rocha Denilson Cordeiro Manuel Domingos Neto Paulo Martins Luciano Nascimento Leonardo Avritzer Antonio Martins Marcos Silva Eduardo Borges Airton Paschoa Alexandre de Lima Castro Tranjan João Feres Júnior Valerio Arcary Paulo Capel Narvai Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anselm Jappe Renato Dagnino Bernardo Ricupero Julian Rodrigues Luiz Roberto Alves João Sette Whitaker Ferreira Otaviano Helene Caio Bugiato Annateresa Fabris André Singer

NOVAS PUBLICAÇÕES