As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Fora Bolsonaro!

Imagem: Paulinho Fluxuz_
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MANUEL DOMINGOS NETO & ROBERTO AMARAL*

O Fora Bolsonaro é palavra de ordem aglutinadora de uma indisposição social crescente

O Fora Bolsonaro só pode realizar-se mediante o impeachment, a alternativa constitucional de que dispõe o presidencialismo. Impeachment não é mera decisão político-jurídica. Antes de tudo, compreende movimento social poderoso, alcançando todos os segmentos da opinião nacional. Trata-se de reação da soberania popular traída pelo cometimento de crimes de responsabilidade.

O ápice do movimento é a homologação pelo Congresso. Na formalidade jurídica do impeachment o parlamentar cumpre seu papel premido entre vantagens que podem auferir do governante ameaçado e a preservação de sua própria legitimidade política.

Quando, em 1992, Ibsen Pinheiro pautou o impeachment de Collor de Mello, a opinião da sociedade estava formada. A constitucionalidade, no caso, podia ser discutível, mas o Presidente já não governava, aguardava a consumação do rito congressual.

O caso de Dilma Rousseff ilustra ainda melhor o processo. A mandatária foi cassada sem crime de responsabilidade. O Congresso dobrou-se à bem sucedida campanha golpista que objetivava condenar a esquerda. O mandato de Dilma teria sido preservado, caso não estivesse desvalida de apoio de massas.

O impeachment é viabilizado nas ruas e termina no julgamento do Senado. Entre os pontos de partida e de chegada, há uma travessia que se faz ao caminhar: o movimento cria sua própria legitimação.

Hoje, o pleito do impeachment, ou o Fora Bolsonaro, é palavra de ordem aglutinadora de uma indisposição social crescente. Crimes de responsabilidade se acumulam, mas o que conta é o fato de parcelas consideráveis da sociedade repudiarem o governo genocida e não se conformarem com sua permanência.

Um conjunto minoritário e decrescente apoia Bolsonaro baseado em crenças desarrazoadas, promovidas pelo ativismo obscurantista, predisposto a negar a realidade. Mobilizado pelo apóstolo do caos, este conjunto opera em favor do confronto sangrento. Alguns tem como horizonte a guerra civil sonhada pelo Presidente. Amparado por homens armados, o genocida não hesita em sabotar os laços da união nacional.

A maioria dos brasileiros vive no desassossego, no medo e na incerteza desmobilizadora. Teme a peste, sofre a dor de perdas irreparáveis; sufoca em lágrimas o grito de revolta.

Os mais pobres não têm como driblar a fome. Abatidos e atônitos, pais e mães de família perdem a esperança de encontrar trabalho. Os pequenos e médios empresários vivenciam o pavor do encerramento de seus negócios. Servidores públicos assistem indefesos às ameaças de cortes de salários.

A sociedade mergulha na desesperança paralisante enquanto os pouquíssimos beneficiados com a política de desmonte do Estado, dos direitos sociais e da proteção ambiental acompanham apreensivos os rumos do país. Sabem que a fúria popular tem seu preço. Observam matreiros as propensões sociais medindo o tempo de validade do Presidente.

Alguns hesitam em retirá-lo partindo de um raciocínio amoral: “deixa o governo sangrar para que seja mais facilmente derrotado!”. O repugnante desta forma de pensar é o menosprezo pela vida dos brasileiros. É raciocínio de criminoso.

Outros, julgam que o impeachment seria a concretização de diabólico planejamento militar: os descalabros e sandices do Presidente provocariam o caos para em seguida a ordem ser reposta pelas fileiras. Pela enésima vez os soldados salvariam a pátria. Esta possibilidade merece consideração.

É necessário pensar em impeachment imaginando tanto o processo em si quanto o dia seguinte, notadamente em virtude de o substituto constitucional do titular não ser de confiança. O atual Vice não reproduziria as atitudes grosseiras e apelativas do titular, mas endossaria, assim como os seus fiéis colegas de farda, as linhas gerais do governo posto que, a rigor, constituem o próprio governo.

Ocorre que a mobilização popular pelo impeachment pode e deve condicionar o dia seguinte. O Fora Bolsonaro seria inconsequente caso não apontasse mudanças de teor na condução do governo. Não basta mandar Bolsonaro para casa ou para a cadeia. Cabe derrotar politicamente as forças que o patrocinam, entre elas, militares que, subvertendo a Ordem, atuam como atores políticos em detrimento de suas funções institucionais.

Substituindo Bolsonaro, Mourão terá que respeitar os desígnios de uma sociedade mobilizada pela defesa da vida e do próprio Estado. Os quartéis se dobrarão à vontade social mobilizada. Saberão que passou o tempo de salvar à pátria em nome do povo bestificado.

O impeachment precisa significar o fim da curatela castrense e o estabelecimento de um acordo entre forças políticas que garanta a governabilidade segundo um programa emergencial básico. Do contrário, o ruinoso quadro brasileiro será agravado.

No processo de impeachment as teses sobre os rumos do país irão se firmando e se impondo. As múltiplas demandas serão explicitadas. Haverá confrontos programáticos, porém, não mais reservados ao pequeno número de dirigentes partidários e de donos da riqueza.

O pleito do impeachment será o imã que agregará as variadas aspirações de nossa sociedade. Hoje, contrapor-se ao impeachment é apostar na paralisia e no caos. Defende-lo é lutar pela ordem democrática, pela dignidade nacional, pela defesa da sociedade e pela retomada do desenvolvimento.

Sem o impeachment, afundaremos na desordem e no arbítrio.

Fora, Bolsonaro!

*Manuel Domingos Neto é professor aposentado da UFC/UFF, ex-presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED) e ex-vice-presidente do CNPq.

*Roberto Amaral é ex-presidente do PSB e ex-ministro da Ciência e da Tecnologia.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ladislau Dowbor Antonino Infranca Osvaldo Coggiola Sandra Bitencourt Armando Boito Luiz Roberto Alves Paulo Fernandes Silveira Luiz Eduardo Soares Marcos Silva Bruno Machado Dennis Oliveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lorenzo Vitral Juarez Guimarães Carla Teixeira João Feres Júnior Boaventura de Sousa Santos João Adolfo Hansen Gilberto Maringoni Eleutério F. S. Prado Érico Andrade Ricardo Antunes Carlos Tautz Vladimir Safatle Caio Bugiato Rubens Pinto Lyra José Dirceu Eduardo Borges Dênis de Moraes André Singer Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Luiz Costa Lima Valério Arcary Ronald León Núñez Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Freitas Barbosa João Carlos Loebens Celso Favaretto José Geraldo Couto Heraldo Campos Leonardo Boff Bernardo Ricupero Kátia Gerab Baggio Marilia Pacheco Fiorillo Fábio Konder Comparato Eleonora Albano Afrânio Catani Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Claudio Katz Gilberto Lopes Antonio Martins Valerio Arcary Ricardo Fabbrini Ricardo Musse Ricardo Abramovay Marilena Chauí Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Samuel Kilsztajn Henri Acselrad Thomas Piketty Renato Dagnino Roberto Noritomi Chico Whitaker Tales Ab'Sáber Gerson Almeida Flávio Aguiar Rodrigo de Faria Luís Fernando Vitagliano Luiz Werneck Vianna Vinício Carrilho Martinez Jorge Branco Francisco de Oliveira Barros Júnior Francisco Pereira de Farias João Paulo Ayub Fonseca Walnice Nogueira Galvão Paulo Sérgio Pinheiro Mariarosaria Fabris Mário Maestri Atilio A. Boron Berenice Bento Jean Pierre Chauvin Lincoln Secco Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Manuel Domingos Neto Remy José Fontana Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt Henry Burnett Daniel Afonso da Silva Michael Löwy Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcelo Guimarães Lima André Márcio Neves Soares João Carlos Salles Marcelo Módolo Airton Paschoa Flávio R. Kothe Eliziário Andrade Elias Jabbour Antônio Sales Rios Neto Anderson Alves Esteves Manchetômetro Lucas Fiaschetti Estevez Otaviano Helene Jean Marc Von Der Weid Leda Maria Paulani José Micaelson Lacerda Morais Celso Frederico Alexandre de Lima Castro Tranjan Fernão Pessoa Ramos Eugênio Trivinho Rafael R. Ioris Everaldo de Oliveira Andrade Tadeu Valadares Eugênio Bucci Luciano Nascimento Paulo Capel Narvai Anselm Jappe Marcus Ianoni José Machado Moita Neto Luiz Bernardo Pericás João Lanari Bo Leonardo Avritzer Milton Pinheiro Ronaldo Tadeu de Souza Sergio Amadeu da Silveira Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Roberto Bueno Liszt Vieira Maria Rita Kehl Paulo Nogueira Batista Jr Ronald Rocha Ari Marcelo Solon Bento Prado Jr. José Luís Fiori Michael Roberts Chico Alencar José Raimundo Trindade Marcos Aurélio da Silva Leonardo Sacramento Luiz Renato Martins Gabriel Cohn Julian Rodrigues José Costa Júnior Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro Igor Felippe Santos Slavoj Žižek Vanderlei Tenório Daniel Brazil Tarso Genro Paulo Martins Jorge Luiz Souto Maior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada