Habemus presidentum

Imagem: Manifesto Coletivo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabe que não é possível construir uma nação justa e igualitária, em isolamento

Edward Said, em Orientalismo, relata que até o final do século XIX a geografia era uma área de conhecimento “enfadonha e pedante”. Mas se tornou em nosso tempo na “mais cosmopolita de todas as ciências”. Políticos que se comportam como estadistas e percorrem o planeta, abrindo portas e estendendo a mão, falando aos governantes sobre a necessidade de se formar uma frente política mundial para combater a fome e a ascensão da extrema-direita, em defesa da democracia, compreendem que sem entender de geografia é impossível fazer história. Sem arguir os valores humanistas, a oratória tradicional sobre a cidadania não ultrapassa nunca a barreira da hipocrisia.

Assim como o capital sempre soube que necessita de novos mercados a serem explorados, Leon Trotski reconhecia que não era possível construir o socialismo em um único país. A solidariedade deve ter caráter expansionista e colaborativo no plano internacional, entre os países oprimidos. Da mesma maneira, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sabe que não é possível construir uma nação justa e igualitária, em isolamento. Depois de seis anos, sob as patas golpistas de Michel Temer e o coturno genocida na pandemia / ecocida na floresta amazônica de Jair Bolsonaro, o imperdoável ostracismo a que fomos submetidos foi embora. No entanto, deixou sequelas, retrocessos, sujeira no tapete.

Agora vem à tona na imprensa um outro genocídio feito com premeditação, o da etnia originária Yanomami, resultado do garimpo ilegal que (des)mata a floresta e infecta a água com mercúrio. Conforme constatou in locus o presidente Lula: “Adultos com peso de crianças, crianças morrendo por desnutrição, malária, diarreia e outras doenças. Os poucos dados disponíveis apontam que ao menos 570 crianças menores de cinco anos perderam a vida no território Yanomami, com doenças que poderiam ser evitadas”. O governo promete recrutar médicos para atender a população em extermínio. A bancada petista na Câmara dos Deputados entrou com uma representação criminal contra Bolsonaro e a ex-ministra da Mulher, Família e dos Direitos Humanos pela total incúria.

Segundo o líder indígena Júnior Hekurari, muitas pessoas da comunidade foram assassinadas por garimpeiros e, meninas, estupradas até a morte. Impunemente, porque a Polícia Federal recebeu ordens do Palácio do Planalto para ignorar os crimes. “Mais que uma crise humanitária, o que vi em Roraima foi o genocídio premeditado contra os Yanomami, perpetrado por um governo insensível”, conclui Lula. Nosso povo livrou-se dos palhaços sociopatas no poder, do complexo colonial de vira-lata das “elites” e do negacionismo climático. Contudo, os responsáveis seguem lépidos e faceiros.

A primeira viagem ao exterior do atual mandatário é emblemática. Ao mirar a Argentina, com a qual temos laços políticos, comerciais e culturais, anunciou a retomada das articulações de integração com o Mercado Comum do Sul (Mercosul), a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e a Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac). Em Buenos Aires, na reunião da Celac, a decisão foi comunicada aos países relacionados com a multilateral: União Europeia (UE), China, Índia, Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean) e União Africana (UA).

Na metrópole portenha, Lula declarou que normalizará o diálogo diplomático com a Venezuela e com Cuba para restabelecer as parcerias com cooperação. Junto com o presidente argentino Alberto Fernández, assinou o documento das “duas nações irmãs” para iniciar os estudos com vistas a uma moeda comum na América Latina. O objetivo é usá-la para fluxos financeiros e comerciais, de modo a reduzir os custos operacionais através de um processo de desdolarização e também para salvaguardar-se da vulnerabilidade externa. Quando Argentina e Brasil fecharem o acordo, à semelhança do ocorrido entre a França e a Alemanha na Europa, o mesmo será oferecido aos países do bloco. Só o rentismo manifesta-se contrariamente. Isso é pensar com genuíno faro geopolítico.

O tema envolve questões fiscais, tamanho das economias e o papel dos bancos centrais. A América Latina representa 5% do Produto Interno Bruto (PIB) global. Para uma comparação, a União Europeia que é a maior união monetária do mundo, o euro, abrange 15% do PIB mundial. Em fevereiro, Lula tem viagem marcada para Washington, a convite do presidente dos Estados Unidos Joe Biden. Em março, vai a Pequim para se reunir com o presidente da China Xi-Jinping. Em resumo: Habemus presidentum.

Os picaretas sem vocação política ou porte intelectual, antecessores da esperança de retorno em 30 de outubro, encerraram seus mandatos pífios na presidência da República com a economia na décima terceira posição. O país cresceu como rabo de cavalo, para baixo, após o golpe que depôs a presidenta honesta e retirou da disputa o candidato que ponteava as pesquisas de intenção de voto nas eleições, em 2018. É fácil inferir os interesses econômicos estratégicos (externos, por óbvio) embutidos na campanha midiática para disseminar o antipetismo na “opinião publicada” e o lawfare judicial contra o PT e, por extensão, da esquerda em geral. Com o improvável operário, chegamos à sexta posição no ranking da economia, superando inclusive o berço do capitalismo, a Inglaterra.

A verdade vencerá, era o título do livro de Lula enviado ao Papa Francisco, no ano da injusta prisão que contou com a conivência do Tribunal Regional Federal (TRF-4). O acampamento de lutadores sociais erguido em frente à sede da Polícia Federal, em Curitiba, denunciou a farsa a cada hora. E, por ironia do destino, ensejou a aproximação do casal que fez bater o coração da nação combalida.

Empresas nacionais de engenharia e infraestrutura que disputavam mercado nos hemisférios Norte e Sul foram destruídas: Norberto Odebrecht, Andrade & Gutierrez, etc. Para festejo das petrolíferas estadunidenses, foram fatiadas a Petrobrás e o pré-sal, a descoberta que trouxe a muito promissora autonomia de combustíveis fósseis ao país. A “quinta coluna madrilenha” de agentes ordinários do aparato burocrático de Justiça, partícipe do esquema lesa-pátria, na expectativa de se apropriar de bilhões de reais para projetos pessoais de poder, quase conseguiu o seu intento. Foi barrada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o que explica a guerra à instituição promovida pelo neofascismo, com audiência nas bolhas robotizadas de bolsonaristas que romperam o tecido social com violência.

Após 580 dias, a verdade venceu finalmente. A Suprema Corte admitiu a espúria armação delituosa montada por canalhas, em conluio escuso contra um inocente cujo grande “pecado” foi implementar políticas públicas para uma superação das graves desigualdades sociais, econômicas, culturais e regionais que envergonham, desde priscas eras, o senso de brasilidade dos autênticos patriotas – os trabalhadores com ou sem carteira formal de trabalho, neste quadrante de cínicos traidores.

A missão de desconstrução e destruição ficou a cargo dos patriotários, inimigos da cultura e das artes, teleguiados por conspiradores e algoritmos para gerar militontos em escala industrial. Os financiadores foram setores empresariais beneficiados por verbas oficiais do desgoverno corrupto e covarde do despresidente, ora refugiado em Orlando. Um milhão de armas foram distribuídas para a gente de bem fake, sob o período do obscurantismo. Não faltaram orações para pneus, literalmente, e mensagens para ovnis. A escumalha oscilou entre a comédia e a tragédia. Procurem no Google.

Não obstante, a roda da história girou. Os torturadores (“Doutor Ubirajara” e “Capitão Lisboa”) de presos políticos na década de 1970, no DOI-Codi, acabam de ser condenados na 7° Vara Cível Federal de São Paulo. Estão obrigados a indenizar em R$ 1 milhão “a sociedade brasileira”. Entre as vítimas de torturas estava o jornalista Vladimir Herzog. Os homens mais ricos do país (Carlos Sucupira, Jorge Lemann e Marcel Telles), sócios da controladora da rede varejista Americanas, desviaram R$ 1 bilhão daquela aos acionistas. Foram pegos com a mão na botija. Eduardo Moreira calcula que no mínimo R$ 300 milhões pousaram nas contas dos meritocratas bilionários; à época encobriam em segredo uma fabulosa fraude nas empresas, no montante de R$ 20 bilhões.

A direção entreguista da Petrobrás, no quadriênio da famiglia miliciana, agiu igual ao forrar os bolsos de investidores estrangeiros da petroleira, impedindo-a de repor os estoques de petróleo e gás e de investir na produção. A burguesia fedida, com a piscina cheia de ratos como avisou Cazuza, está por trás do antipetismo anteontem e, ontem, do terrorismo realizado a soldo na Praça dos Três Poderes, em Brasília. A insubordinação do general Júlio César (ops) de Arruda impediu a prisão em flagrante no puxadinho de luxo de terroristas, sob a proteção do QG em 8 de janeiro. Demitido do comando do Exército, já foi tarde para casa. Não à toa, o supergrampo em membros do Ministério Público e do Judiciário apavora os cúmplices de toga, na investigação levada a pleno efeito pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes. A Terra se move à esquerda.

Sinais de que o Brasil despertou do pesadelo fratricida. O Estado fez as pazes com a sociedade civil. Recuperamos a nossa dignidade, dentro e fora. A vida e a liderança de Lula importam. La nave va.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Rafael R. Ioris Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Marjorie C. Marona Chico Whitaker Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Flávio Aguiar Luiz Marques Francisco Pereira de Farias Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Eduardo Borges Paulo Sérgio Pinheiro Thomas Piketty Ricardo Fabbrini Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Francisco Fernandes Ladeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eliziário Andrade Afrânio Catani Slavoj Žižek Daniel Brazil Dennis Oliveira Tarso Genro Valerio Arcary Carla Teixeira Gilberto Lopes José Costa Júnior João Feres Júnior Luciano Nascimento Milton Pinheiro Henri Acselrad Tales Ab'Sáber Paulo Nogueira Batista Jr Celso Favaretto Matheus Silveira de Souza João Carlos Salles Andrés del Río Atilio A. Boron Eleonora Albano Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Heraldo Campos Michael Roberts André Singer Caio Bugiato Jean Marc Von Der Weid Luis Felipe Miguel Gilberto Maringoni Gerson Almeida Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha André Márcio Neves Soares Benicio Viero Schmidt Dênis de Moraes Lucas Fiaschetti Estevez Yuri Martins-Fontes José Dirceu José Luís Fiori Liszt Vieira Berenice Bento Vanderlei Tenório João Sette Whitaker Ferreira Leonardo Boff Airton Paschoa Henry Burnett Marcus Ianoni Fernando Nogueira da Costa Marcelo Guimarães Lima Salem Nasser Everaldo de Oliveira Andrade Anselm Jappe Ricardo Antunes Samuel Kilsztajn Mariarosaria Fabris Antonino Infranca Denilson Cordeiro Ladislau Dowbor Luiz Carlos Bresser-Pereira José Raimundo Trindade Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Paulo Martins Annateresa Fabris Otaviano Helene Lincoln Secco Marcos Aurélio da Silva João Lanari Bo Walnice Nogueira Galvão Manchetômetro Rubens Pinto Lyra Gabriel Cohn Vladimir Safatle Armando Boito Michel Goulart da Silva Jean Pierre Chauvin Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Roberto Alves Juarez Guimarães Celso Frederico Eugênio Trivinho Alysson Leandro Mascaro Fábio Konder Comparato Fernão Pessoa Ramos Elias Jabbour Ricardo Musse Bruno Fabricio Alcebino da Silva Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Eleutério F. S. Prado Alexandre de Freitas Barbosa Marilena Chauí Carlos Tautz Michael Löwy Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary Mário Maestri Eugênio Bucci Bruno Machado Leonardo Sacramento Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Jorge Branco Paulo Capel Narvai Julian Rodrigues Alexandre de Lima Castro Tranjan Ronald León Núñez Renato Dagnino Chico Alencar Leonardo Avritzer Lorenzo Vitral Érico Andrade Rodrigo de Faria Sandra Bitencourt Claudio Katz Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto Remy José Fontana José Geraldo Couto Marcos Silva Luiz Eduardo Soares Daniel Costa Bento Prado Jr. Jorge Luiz Souto Maior Luiz Werneck Vianna Tadeu Valadares Ricardo Abramovay Paulo Fernandes Silveira José Machado Moita Neto Boaventura de Sousa Santos Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais Maria Rita Kehl

NOVAS PUBLICAÇÕES