As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Paulo Afonso Aguena (1961-2022)

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VALERIO ARCARY*

Homenagem ao camarada que foi um revolucionário, cuja ausência deixa o mundo menor e nos impõe um silêncio esmagador

“Y en nosotros nuestros muertos\ Pa’ que nadie quede atrás” (Atahualpa Yupanqui).

A hora do adeus é a mais triste. Paulo Afonso Aguena, o “Catatau”, ou somente, o Cata, nos deixou ontem. Quarenta e dois anos de militância, sempre na primeira linha. Lutava, desde dezembro passado, contra um câncer de fígado agressivo. Foi, desde sempre, um valente, um incansável, um insubstituível. Resistiu, bravamente, ao avanço devastador da doença, permanecendo ativo até o limite de suas forças. Morreu aos 60 anos, a poucos dias de fazer aniversário.

Paulo Afonso Aguena foi um dos principais líderes da Convergência Socialista, do PSTU e da Resistência, corrente interna do PSol, um herdeiro da tradição da Quarta Internacional de Leon Trotsky. A Comissão da Anistia o reconheceu vítima de perseguição pela ditadura. Foi, durante os quarenta anos de sua vida adulta, um revolucionário profissional. Assumiu, muito jovem, imensas responsabilidades. Mas foi sempre um dirigente discreto.

Paulo Aguena nasceu em uma família de origem japonesa do interior de São Paulo. Iniciou sua militância no movimento estudantil quando ingressou na Universidade Federal de São Carlos, ainda no início dos anos 1980, e se integrou à Convergência Socialista. Eu o vi, pela primeira vez, no Congresso da UNE de 1981, quando compartilhamos alojamento na casa de um camarada. Precocemente maduro para a idade, somente dois anos depois, ele já estava no secretariado nacional da Convergência Socialista, responsável pela edição do boletim interno, uma publicação com a análise de conjuntura da semana, e orientação das companhas políticas distribuída para os núcleos em todo o país.

Organizador das lutas e da militância, atuou durante muitos anos no movimento sindical. Esteve presente em incontáveis greves e mobilizações, com os operários da construção civil em Cubatão, ao lado dos metalúrgicos no ABC, em Minas Gerais. Foi um dos organizadores da luta em defesa do Pinherinho em São José dos Campos. Atravessou o país de norte a sul. Viveu em Contagem, Rio de Janeiro, e São Paulo. Viajou pelo Brasil inteiro, da Amazônia até o Rio Grande do Sul, dezenas de cidades, para realizar plenárias, organizar conferências, planejar cursos de formação, preparar Congressos. Internacionalista, queria conhecer mais de perto a esquerda argentina e viveu alguns anos em Buenos Aires.

Paulo Afonso Aguena estudava a realidade, meticulosamente, na busca de mais informações, quando decidia escrever sobre um tema. Tinha horror à superficialidade. Era uma liderança agregadora, preocupado em construir, formar novas lideranças, ampliar a implantação. Quando sugiam diferenças e concluía a necessidade de abrir um debate ia até o fim. Não se precipitava em divulgar um texto, enquanto não estava satisfeito. E, como tinha máxima seriedade, estava sempre insatisfeito. Era preciso arrancar os textos das mãos dele. Seus documentos tinham o cuidado com as mediações, mas eram sempre límpídos de clareza. Não tinha paciência com linguagem hermética, raciocínios labirintícos, propostas confusas, orientações ambíguas. Paulo Afonso Aguena era um homem de ação.

Paulo Afonso Aguena tinha a habilidade de construir com facilidade relações de confiança. Despertava o que havia de melhor em cada um que militava ao seu lado. Foi um dirigente muito respeitado pela militância das organizações que ajudou a construir, e pelos que o conheceram na esquerda brasileira. Tinha uma imensa paixão revolucionária, audácia política, honestidade pessoal, e uma inteligência que ia ao cerne dos dilemas estratégicos colocados pelos problemas táticos, diante de cada oscilação da conjuntura política.

A perda é irreparável, e sua ausência nos impõe um silêncio esmagador. Mas é preciso lembrar. Cordato, mas alegre, sério, mas ousado, Paulo Afonso Aguena foi grande, e estamos mais frágeis. Nosso mundo ficou menor. Na sua última intervenção pública, em uma cerimônia de despedida em abril passado ele nos pediu coragem, confiança, esperança. Coragem para termos certeza que nossa militância não será em vão. Confiança na classe trabalhadora e sua capacidade de lutar. Esperança internacionalista no destino da luta pelo socialismo.

Catatau deixa dois filhos e uma companheira.  Deixa, também, um legado de enorme dedicação, e muitas saudades.

*Valério Arcary é professor aposentado do IFSP. Autor, entre outros livros, de Ninguém disse que seria fácil (Boitempo).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos Marcelo Módolo Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares Rodrigo de Faria Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral Luis Felipe Miguel Eleutério F. S. Prado Vanderlei Tenório José Geraldo Couto Bruno Machado Vinício Carrilho Martinez André Singer Luiz Eduardo Soares Celso Favaretto Bernardo Ricupero Jorge Branco Michael Roberts Samuel Kilsztajn José Luís Fiori Liszt Vieira Antonino Infranca Marcos Silva João Lanari Bo Tarso Genro Érico Andrade Maria Rita Kehl Julian Rodrigues Vladimir Safatle Carlos Tautz Luciano Nascimento Paulo Sérgio Pinheiro Everaldo de Oliveira Andrade Valério Arcary Boaventura de Sousa Santos Ronaldo Tadeu de Souza Valerio Arcary João Feres Júnior Luiz Marques Chico Whitaker Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Ronald Rocha Slavoj Žižek Alysson Leandro Mascaro Claudio Katz Eugênio Bucci Michael Löwy Leonardo Sacramento Denilson Cordeiro Daniel Brazil Francisco Pereira de Farias Roberto Noritomi Paulo Martins Marcus Ianoni Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Flávio Aguiar Fábio Konder Comparato Thomas Piketty Flávio R. Kothe Ricardo Musse Luiz Roberto Alves Henri Acselrad Gerson Almeida Marilia Pacheco Fiorillo José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mário Maestri Andrew Korybko Paulo Nogueira Batista Jr Rubens Pinto Lyra Benicio Viero Schmidt Otaviano Helene Tales Ab'Sáber Eduardo Borges Eugênio Trivinho Osvaldo Coggiola Caio Bugiato Francisco Fernandes Ladeira Remy José Fontana Gilberto Lopes Leonardo Boff Lincoln Secco Jean Marc Von Der Weid Berenice Bento João Carlos Salles Ricardo Fabbrini Juarez Guimarães Daniel Costa Airton Paschoa João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Afrânio Catani Mariarosaria Fabris Marilena Chauí João Paulo Ayub Fonseca Henry Burnett Anderson Alves Esteves Fernão Pessoa Ramos Jean Pierre Chauvin Gilberto Maringoni Salem Nasser Jorge Luiz Souto Maior Antonio Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Manchetômetro Ladislau Dowbor José Machado Moita Neto Luís Fernando Vitagliano Kátia Gerab Baggio Eliziário Andrade Elias Jabbour Anselm Jappe Lucas Fiaschetti Estevez Marjorie C. Marona José Costa Júnior Carla Teixeira Luiz Bernardo Pericás Sandra Bitencourt Luiz Costa Lima Paulo Capel Narvai Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Renato Martins Marcos Aurélio da Silva Luiz Werneck Vianna Ricardo Abramovay Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Renato Dagnino Daniel Afonso da Silva Atilio A. Boron Priscila Figueiredo Eleonora Albano Alexandre de Lima Castro Tranjan Celso Frederico Ricardo Antunes Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcelo Guimarães Lima Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Milton Pinheiro Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Heraldo Campos Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Annateresa Fabris Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez Chico Alencar Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu Tadeu Valadares Armando Boito

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada