As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Teoria e tática

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Ronaldo Tadeu de Souza*

A tática do impeachment de Bolsonaro não é um estudo, uma pesquisa e uma ideia bem pensante visando responder a questões candentes. Envolve as próprias condições da ação política.

Os fatos recentes, recentíssimos, envolvendo a crise de pandemia do coronavírus e as ações, posturas e declarações do Presidente da República, bem como de seu círculo familiar mais próximo, Eduardo Bolsonaro, deputado federal, à frente, trouxeram para a discussão política (ainda estamos no nível do debate, hipóteses e cenários possíveis) o processo de impeachment de Jair Bolsonaro.

Além de setores e personagens influentes da opinião pública, duas deputadas federais (Sâmia Bonfim e Fernanda Melchionna) e um deputado federal (David Miranda) protocolaram um pedido de impeachment. As proponentes e o proponente do impedimento de Bolsonaro se destacam por serem políticas do PSOL, partido radical de esquerda e que se distingue dos outros partidos de esquerda no Brasil por possuir representatividade político-institucional e ao mesmo trazer em seus princípios e orientações de luta o horizonte socialista (e democrático).

Com isto, a seguinte indagação se apresenta, para o conjunto da esquerda brasileira: é a luta pelo impeachment de Jair Bolsonaro, o melhor caminho a ser seguido? Ou haveria outras opções a serem debatidas pelas forças de esquerda? Ou ainda, não poderíamos combinar a alternativa do impeachment com outras opções políticas?

Não entrarei aqui obviamente, nas questões partidárias internas ao PSOL; as disputas de agrupamentos e correntes que compõem a organização e vida do partido. Que são ao contrário do que pensam muitos a expressão de vitalidade e entusiasmo na busca de um futuro realmente melhor, livre, justo e igualitária, para os de baixo. Nenhum partido de esquerda foi forte sem debate e conflito interno no mais alto nível e respeito. Os partidos socialdemocrata alemão e bolchevique (com as devidas ponderações, especificidades e história) são exemplos distintos disto[1].

Meu argumento será em torno do impeachment como tática que nós poderemos utilizar na luta política atual, mas com algumas pequenas indagações e sugestões, por assim dizer. Antes um breve comentário histórico e interpretativo.

Assim, é mais do que necessário estabelecer a devida diferenciação no âmbito da posição política e histórica da esquerda, não só entre teoria e estratégia – mas entre teoria (princípios), estratégia e tática. Este discernimento da teoria em relação à estratégia, e esta por sua vez concernente à tática, não é arbitrário; ou mesmo uma filigrana militante (descabida nos dias de hoje, e que alguns grupos de esquerda ainda não se desvencilharam). Ela faz parte da história e da cultura de esquerda; desde quando foi forjada, efetivamente, com a Liga Comunista e a participação de Marx nela.

É nesta circunstância que O manifesto (do partido) comunista foi escrito; a liga encarregou Marx e Engels da redação do documento teórico da organização[2]. O Manifesto… foi um escrito teórico fundador, e por isso expressa certas fragilidades, enquanto elaboração estratégica. Foram os socialdemocratas na virada do século XIX para o XX[3] que promoveram as primeiras noções de estratégia na luta política de esquerda. Naquela ocasião todos tinham no horizonte o socialismo, mas modos distintos de compreensão política de época; Kautsky e Martov, Bernstein e Trótski, Rosa Luxemburgo e Hilferding, Otto Bauer e Lênin entenderam[4] que a teoria de Marx exigia – tal como o próprio Marx assim desejava – acompanhar o marco histórico da luta de classes.

A estratégia política deveria estar de acordo à constelação social, cultural, moral e epistemológica do seu tempo, sem abandonar seus princípios teóricos num primeiro e até segundo momentos. Nos termos de Lênin a teoria socialista passa por vicissitudes históricas[5] e como tal precisa se adequar a estas, estrategicamente. Como surgiu o debate sobre tática na história da esquerda? Precisamente, no arco que vai da onda expansiva das revoluções na segunda década do século XX (a russa de 1917 e a alemã de 1918 como as mais expressivas) ao processo de estabilização dos Estados capitalistas ocidentais nos anos de 1920 e 1930.

Neste contexto os primeiros congressos da Terceira Internacional (até 1922) e Gramsci serão decisivos[6]. Com a diminuição do impulso e da subjetividade revolucionária, combinada com as estruturas de dominação de classe recompostas e reposicionadas temporariamente – a esquerda precisaria articular estratégia e táticas[7] pontuais de luta. Formar um bloco histórico com vários grupos sociais para romper o equilíbrio e a estabilidade capitalista e da classe dominante exigiria das forças e organizações de esquerda: flexibilidade tática[8].

Mesmo Walter Benjamin, ao seu modo, anos depois, nas Teses sobre o conceito de história, compreendia a determinação de se pensar a tática de exceção[9] políticas de momento que correspondesse àquela temporalidade histórica: ele dirá, “o agora, que como modelo do messiânico abrevia num resumo incomensurável a história de toda a humanidade, coincide rigorosamente com o lugar ocupado no universo pela história humana”[10].

Quer dizer; se teoria são, de certo modo, e bem entendido, de certo modo, princípios “irrevogáveis”, a estratégia de adequar-se às vicissitudes históricas – a tática (sempre flexível) são reivindicações cotidianas (o agora…), e por vezes isoladas e limitadas, da luta política. E por ser flexível e deve ser assim, pode ser combinada, articulada e justaposta a outras tantas táticas de modo a atender à “imediaticidade” do dia-a-dia – e conformar romper a estabilidade relativa dos governos capitalistas.

O impeachment de Jair Bolsonaro, defendido por Sâmia Bonfim, Fernanda Melchionna e David Miranda e assinado por outras importantes figuras da esquerda nacional é uma tática – uma reivindicação cotidiana, limitada, do agora – que poderemos utilizar na luta política imediata. É uma exceção. Não é uma estratégia que acompanha as mudanças do marco histórico fundamental da luta de classes, e muito menos a teoria. O que significa dizer que ao impeachment do grupo bolsonarista, e na medida de sua flexibilidade, é possível e mesmo necessário, outras táticas de ação política.

Somente a exigência do impedimento de Bolsonaro não nos será suficiente para sairmos do isolamento, apresentar uma opção aos que serão mais afetados pela Covid19: e romper o equilíbrio atinente (que é discutível sua existência no momento presente do governo Bolsonaro fragilizado drástica e inesperadamente em poucas semanas para não dizer dias). É verdade que o impeachment de um presidente da república é um processo e decisão político.

Mas é verdade também, que ele é um procedimento jurídico-institucional no seio das democracias constitucionais contemporâneas. Vale dizer; o Impeachment, enquanto procedimento possui “estreiteza e relatividade […], milhares de restrições e de artifícios reais”[11] que devemos estar cientes caso utilizemos esta tática. Pois, exigira nossas energias e atenções políticas, e institucionais. Temos força e braços institucionais[12] consistentes para isto? Saberemos explorar os meandros do regimento parlamentar a nosso favor? Dispomos de organização e estruturas midiáticas que sejam minimamente honestas para destacar a atuação de nossas deputadas que levarão à frente tal processo?

Não se trata de mais um estudo, uma pesquisa e uma ideia bem pensante visando responder a estas questões candentes – trata-se, isto sim, das condições da ação política. Além do mais no Brasil, se por um lado o grupo bolsonarista é ridiculamente despreparado para o jogo institucional (o que é discutível), por outro lado nossas elites parlamentares, ou o que Gaetano Mosca chamou de classe política (moral, econômica, cultural e psicologicamente capaz de governar e tomar decisões[13] pelos seus interesses e os que representam) são bem preparadas nas técnicas do combate institucional. E podem: usar o Impeachment a seu favor. (Rodrigo Maia, João Doria, Witzel, os Jereissati, Carlos Sampaio, Fernando Bezerra, Álvaro Dias, Lorenzoni, Eduardo Braga: são políticos astutos e rapaces que pouco se importam com as necessidades dos mais vulneráveis.)

Ademais não é infundado, ou mesmo descabido a preocupação de certos setores de esquerda que no eventual impedimento de Bolsonaro (e seus filhos) teremos por norma constitucional um presidente militar. O vice Hamilton Mourão assumiria, e com ele setores da caserna. Se estivéssemos na Espanha onde o rumor de sabres foi extirpado, na Argentina em que o rumor foi controlado e parcialmente calado, o temor seria sem fundamento. No Brasil o rumor de sabres[14] ecoa por todos os espaços da vida social, desgraçadamente.

Os quatro tiros que Marielle Franco levou na cabeça de dois ex-policiais militares e a não resolução passados dois anos sobre quem arquitetou o assassinato covarde e vil da vereadora negra é a explicitação fatal disto. O corte de 1964, como bem nos disse Paulo Arantes, foi feito para não mais cicatrizar: “os critérios civilizacionais [foram] irrecuperavelmente quebrados pelas elites condominiadas em 1964”[15] com a ditadura militar.

Os militares podem, eventualmente, saírem fortalecidos com o processo de Impeachment, e com eles os setores que apoiarem tal processo? O que se perde e o que se ganha se isto ocorrer? Como os setores populares irão interpretar uma tática de esquerda que aceite, momentaneamente, que o poder político-estatal fique com os militares? O que ocorrerá caso os militares assumam o Estado brasileiro e a situação econômico-social se agrave nos próximos meses? Tais questões precisam ser lançadas ao debate da esquerda. Com todos os devidos cuidados, o momento da ação prática – não exclui, definitivamente, o diagnóstico (crítico) no melhor sentido do artigo Teoria tradicional e teoria crítica de Max Horkheimer.

Ao processo de impeachment proposto e protocolado por Sâmia Bonfim, David Miranda e Fernanda Melchionna outras táticas poderiam ser discutidas. Com flexibilidade do agora, (a) por que não se organizar comitês de bairros – com todos os cuidados e recomendações sanitárias exigidas para o momento, obviamente – para auxiliar a população sem acesso a materiais de prevenção no combate ao coronavírus e ao mesmo tempo discutir a importância da organização coletiva direta para resolver seus próprios problemas? Não, não estamos sugerindo duplo poder, sovietes, ditadura do proletariado. Apenas um espaço de reconstrução solidária e democrática de nossas subjetividades de luta, de há muito presas no torno das instituições, novamente não se trata de abandonar a tática (flexível) do Impeachment, e nem estamos em condições de abandonar a luta parlamentar.

(b) O que nos impossibilitaria de incentivar uma ampla campanha nacional de defesa da Estado (SUS, Previdência, verbas de pesquisa para Instituições Públicas de Ensino Superior etc.) junto à população pobre? Mourão, Augusto Heleno, seus economistas liberais em-chefe e a classe capitalista não o farão, ao menos no médio e longo prazos – pelo contrário agirão de maneira, diametralmente, oposta visando seus lucros. Aqueles dois últimos são intransigentes sempre à busca do Katechon da vez; seja Bolsonaro ou outro…

(c) As forças de esquerda (MST, coletivos negros, PSOL, PC do B, MTST, PCB, UNE, sindicatos representativos – metroviários, petroleiros, professores – PT, intelectuais, PDT, trotskistas, estudantes e coletivos feminista e periféricos) não poderiam propor um debate público-prático, de sorte a conformar efetivamente um amplo, radical e sistemático movimento político e que se valha da organização dos partidos e setores mais dotados materialmente visando alternativas políticas de curto prazo, refletindo ações de médio prazo?

De imediato este movimento, não podendo reunir-se pessoalmente e in loco, não se poderia por meio de plataformas virtuais discutir que o combate ao coronavírus seja dirigido aos setores mais pobres e vulneráveis da população brasileira e de médio prazo uma tática de ação visando a luta política pós-pandemia da Covid-19 que será fratricida pensando, inclusive nas próximas eleições municipais?

(d) Por último, um problema que invariavelmente passa despercebido no debate de esquerda é o combate de ideias[16]; Perry Anderson já havia alertado acerca da necessidade de sermos “irredutíveis […] [e não concedermos] às alegações arrogantes da direita”[17]; é preciso sacudirmos um pouco o Brasil no plano das ideias. Este não pode ser um momento propício para empreendermos análises e críticas cáusticas às ideias conservadoras que passaram a circular há alguns anos com certo vigor e prestígio? Neste ponto, e talvez o único, estamos “bem posicionados”, pois a teoria social de esquerda em nosso país é altamente sofisticada, densa, diversificada, plural e potente – temos intelectuais (pesquisadores, escritores, ativistas, militantes) do mais alto nível na sociedade brasileira. O que nos falta, por vezes, é um espírito mais combativo. A fortuna se nos apresentou; a virtú cabe a nós construirmos.

P.S. Com a modéstia e simplicidade que me cabe; como diria Gramsci: “Mas essas linhas eram escritas no dia-a-dia e, a meu ver, deviam morrer no fim do dia.”

*Ronaldo Tadeu de Souza é pesquisador de pós-Doutoramento do Departamento de Ciência Política da USP.

Notas


[1] Mesmo o PT em suas origens foi um partido que privilegiou o debate e conflito internos, e por isso se transformou em um dos maiores partidos políticos de esquerda no ocidente. Infelizmente após 2002 o cenário se alterou profundamente.

[2] Ver David Riazanov, La Vida y el Pensamiento Revolucionario de Marx e Engels. Instituto de Formación Marxista, 2003, pp. 63, 64 e 65.

[3] Neste contexto praticamente todos os agrupamentos partidários se designavam como socialdemocratas. A situação, em termos de nome e designação partidária se alteram após o partido socialdemocrata alemão votar os créditos de guerra em agosto de 1914 e revolução russa de 1917 e criação da terceira internacional. Ver Carl Schorske, German Social Democracy, 1905-1917: The Development of the Great Schism, 1983; e Vladimir I. Lênin, A Falência da II-Internacional, 1979.

[4] Obviamente que a estratégia entre eles e suas respectivas organizações divergiam.       

[5] Ver Vladimir I. Lênin, As Vicissitudes Históricas da Doutrina de Karl Marx. In: Cadernos Ensaio, nº 1, 1988, pp. 85 a 88.

[6] A tática de frente única e a noção de hegemonia respondiam a este contexto peculiar. Gramsci dirá que: “a ruptura do equilíbrio entre forças não se verificou em virtude de causas mecânicas imediatas de empobrecimento do grupo social interessado em romper o equilíbrio, e que de ato rompeu; mas verificou-se no quadro de conflitos acima do mundo econômico imediato, ligados ao ‘prestígio de classe […], a uma exasperação do sentimento de independência, de autonomia e de poder”. Daí a necessidade da hegemonia. Ver Maquiavel, a Política e o Estado Moderno, Civilização Brasileira, 1980, pp. 53. A edição que uso aqui não é a mais indicada, infelizmente, segundo os estudiosos de Gramsci no Brasil. A melhor edição que temos, para os que não leem o sardo em italiano, de acordo novamente aos estudiosos de Gramsci no Brasil, ainda é a organizada por Carlos Nelson Coutinho nos anos 2000 pela Civilização Brasileira. Sobre o contexto de elaboração da noção de frente única e hegemonia ver Perry Anderson, As Antinomias de Gramsci. In: As Afinidades Seletivas, Boitempo, 2002 e Peter D. Thomas, “A Virada de Moscou”: o diálogo entre Gramsci e os bolcheviques (1922-1923), Revista Outubro, nº 30, 2018. Para os conhecedores do debate gramsciano estes dois teóricos socialistas contemporâneos não tem a mesma leitura dos Cadernos do Cárcere de Gramsci. Ver também: Álvaro Bianchi, O Laboratório de Gramsci: filosofia, história e política, Azouk, 2018 e Marcos Del Roio, Os Prismas de Gramsci: a fórmula política da frente única (1919-1926), Boitempo, 2019. 

[7] Para a distinção específica e até técnica entre estratégia e tática ver Leon Trostski, Lições de Outubro.

[8] Sobre a questão da flexibilidade tática ver Vladimir I. Lênin, Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo, várias edições. Ao contrário do que dizem certos historiadores e teóricos, Lênin, no contexto dos anos 1920, nunca defendeu qualquer tipo de sectarismo, isolamento e ações hipervanguardistas.  Seu último recado foi uma tática para ir às massas, na formulação de Perry Anderson: “a problemática central da frente única – o último conselho [tático] de Lênin ao movimento operário ocidental antes de sua morte, [e este foi], o primeiro interesse de Gramsci na prisão”. Var Perry Anderson, Ops. cit., p. 99.  

[9] Aqui não no sentido conceitual que o próprio Benjamin elabora na tese 8 das Teses…

[10] Ver Walter Benjamin, Teses sobre o de História, várias edições.

[11] Ver Vladimir I. Lênin, O Renegado Kautski. Malgrado as críticas teóricas e políticas de Lênin a Kautski, o principal teórico da II-Internacional foi um excepcional escritor socialista. Suas obras abrangem desde uma teoria do imperialismo até uma história sobre o cristianismo. É uma pena que a obra de Kautski seja pouquíssima traduzida para o português de sorte a verificarmos o que ele disse, além dos seus relativos equívocos acerca da revolução russa de 1917. E poderíamos medir com maior vagar e rigor sua crítica a Lênin e sua contribuição para teoria política de esquerda.  

[12] Sobre a política institucional no Brasil, seus regimentos, comissões e normas ver Fernando Limongi e Argelina Figueiredo, Executivo e Legislativo na Ordem Constitucional, FGV/Fapesp, 1999. Ainda que tenha recebido críticas ao longo do tempo, sobretudo dos que a cada crise política defendem uma reforma política por argumentar (e demonstrar), a ingovernabilidade de nosso sistema político, o trabalho de Limongi e Figueiredo ainda é a principal explicação do funcionamento interno de nossas instituições. A pesquisa deles forjou uma importante agenda de investigação na ciência política brasileira. Obviamente, por não ser da área de estudos institucionais e não acompanhar sistematicamente o que escrevem, não sei se Limongi e Figueiredo ainda sustentam, teórica e de forma explica o que escreveram há duas décadas. 

[13] Ver Gaetano Mosca, La Clase Política, Fondo de Cultura Económica, 1995.

[14] Ver Jorge Zaverucha, Rumor de Sabres: Tutela Militar ou Controle Civil?, Editora Ática, 1994.

[15] Ver Paulo Arantes, 1964, O ano que não terminou. In: O que Resta da Ditadura, Boitempo, 2010, p. 208.

[16] Este não é um aspecto estritamente tático. Ele adquiriu certa feição tática na atual conjuntura.

[17] Ver Perry Anderson, Ideias e Ação Política na Mudança Histórica, Revista Margem Esquerda, nº 1, p. 92.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Fábio Konder Comparato Andrew Korybko Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Francisco Fernandes Ladeira Chico Alencar Walnice Nogueira Galvão José Micaelson Lacerda Morais Afrânio Catani João Carlos Loebens Annateresa Fabris Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola Henri Acselrad Juarez Guimarães José Luís Fiori Heraldo Campos Jorge Branco Paulo Martins Mariarosaria Fabris Remy José Fontana Rubens Pinto Lyra Tarso Genro Roberto Bueno Antonio Martins Antonino Infranca Alysson Leandro Mascaro Benicio Viero Schmidt Marilena Chauí Marcus Ianoni Leda Maria Paulani Luiz Roberto Alves Manuel Domingos Neto Vinício Carrilho Martinez Roberto Noritomi Slavoj Žižek Liszt Vieira Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento Atilio A. Boron José Geraldo Couto Eleutério F. S. Prado Leonardo Avritzer Valério Arcary Luiz Marques Milton Pinheiro Mário Maestri Alexandre de Freitas Barbosa Boaventura de Sousa Santos Tadeu Valadares Caio Bugiato Claudio Katz João Carlos Salles Henry Burnett Paulo Capel Narvai Francisco Pereira de Farias Ronald Rocha Luiz Costa Lima Celso Favaretto Marcos Silva Bruno Machado Dennis Oliveira Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Fabbrini Luiz Bernardo Pericás José Costa Júnior Gilberto Lopes Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro Eugênio Trivinho Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Vanderlei Tenório Armando Boito Valerio Arcary Maria Rita Kehl Marcelo Guimarães Lima Dênis de Moraes Anderson Alves Esteves Gerson Almeida Ricardo Musse Airton Paschoa Eugênio Bucci Chico Whitaker Marjorie C. Marona Michael Roberts Luiz Werneck Vianna Alexandre de Lima Castro Tranjan Eliziário Andrade Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Rodrigo de Faria José Machado Moita Neto Daniel Brazil Jean Pierre Chauvin Ari Marcelo Solon Eduardo Borges Berenice Bento Lorenzo Vitral Lincoln Secco Denilson Cordeiro Luiz Renato Martins Marcelo Módolo Sandra Bitencourt Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Gilberto Maringoni Julian Rodrigues Thomas Piketty João Sette Whitaker Ferreira Samuel Kilsztajn Luis Felipe Miguel Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy Otaviano Helene Salem Nasser Anselm Jappe Bento Prado Jr. Luís Fernando Vitagliano Daniel Afonso da Silva Tales Ab'Sáber Renato Dagnino Érico Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Lanari Bo Everaldo de Oliveira Andrade Fernão Pessoa Ramos Paulo Sérgio Pinheiro Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Antunes Ladislau Dowbor Celso Frederico Daniel Costa Priscila Figueiredo Alexandre Aragão de Albuquerque André Singer José Dirceu Jean Marc Von Der Weid João Paulo Ayub Fonseca Flávio R. Kothe Leonardo Sacramento Bernardo Ricupero João Feres Júnior Paulo Fernandes Silveira Ricardo Abramovay Elias Jabbour José Raimundo Trindade Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo André Márcio Neves Soares Paulo Nogueira Batista Jr Rafael R. Ioris Leonardo Boff Carlos Tautz Flávio Aguiar Gabriel Cohn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada