Um herói da ditadura

Bill Woodrow, Enxofre, 1994.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WAGNER ROMÃO*

Sobre a revogação do título de “doutor honoris causa”, concedido pela Unicamp a Jarbas Passarinho em 1973

Na próxima terça-feira, 28 de setembro, o Conselho Universitário da Unicamp terá a chance de reparar uma decisão contrária à formação científica e cidadã que nossa Universidade tem a missão de transmitir a nossas e nossos estudantes e à sociedade.

Em 1973, no período mais violento da ditadura militar, a Unicamp concedeu ao então ministro da Educação, o coronel Jarbas Passarinho, o título de Doutor Honoris Causa.

O Estatuto da Unicamp, no capítulo “Dignidades Universitárias” prevê que sejam agraciadas com esse título “pessoas que tenham contribuído, de maneira notável, para o progresso das ciências, das letras ou das artes” e, ainda, “aos que tenham beneficiado, de forma excepcional, a humanidade ou tenham prestado relevantes serviços à Universidade”.

Além do coronel Passarinho, a Unicamp já agraciou com o Doutor Honoris Causa homens como os físicos Gleb Wataghin e Cesar Lattes, o professor Antonio Cândido de Mello e Souza, os escritores Mário Quintana e Ernesto Sábato, o político André Franco Montoro, o arquiteto Oscar Niemeyer, os bispos Dom Paulo Evaristo Arns e Dom Pedro Casaldáliga, o químico Otto Gottlieb, o médico Willy Jean Malaisse, o engenheiro Cristiano Amon, o marechal-do-ar Casimiro Montenegro Filho.

Apenas no mês passado, a demógrafa Elza Berquó se tornou a primeira mulher a receber o título, o que também deve nos causar revolta, tantas são as cientistas, artistas e literatas dignas deste título em nosso país e fora dele.

Todas essas pessoas são lembradas por sua dedicação às ciências, às artes, à universidade e à humanidade de modo mais geral. Não é o caso do coronel Passarinho.

Passarinho é lembrado por ter sido um dos artífices do Ato Institucional número 5, o “golpe dentro do golpe”, que escancarou o autoritarismo e a perseguição aos opositores da ditadura militar. Professores, técnicos-administrativos e estudantes foram perseguidos, aposentados compulsoriamente, exilados, torturados, assassinados. A universidade brasileira foi um dos principais alvos do AI-5.

O título foi proposto pelo reitor Zeferino Vaz na primeira sessão extraordinária do Conselho Diretor da Unicamp – ainda não existia o Conselho Universitário com sua diversidade de representações – no dia 30 de novembro de 1973. Cinco dias depois, Passarinho participaria de uma formatura na Unicamp como paraninfo de turma e lhe seria entregue o título.

Quem lê a ata da sessão acima citada, percebe como aquela homenagem “de ocasião” – feita às pressas, no contexto de um regime de exceção e numa universidade ainda frágil – era parte da estratégia de Zeferino Vaz para proteger a Unicamp, que ele estava construindo.

A concessão deste título a um herói da ditadura – que mandou “às favas os escrúpulos de consciência” na edição do AI-5 – marca um período de sombras na história da Universidade no Brasil, em que dirigentes das universidades concediam honrarias aos seus próprios algozes como estratégia de sobrevivência política.

É para que essa mácula não mais nos pese, para honrar as outras pessoas que já receberam o Doutor Honoris Causa pela Unicamp e pela afirmação da autonomia da Universidade pública brasileira – nestes tempos em que a democracia novamente é ameaçada por integrantes do poder central – que votarei a favor da revogação deste título.

*Wagner Romão é professor de ciência política e representante docente no Conselho Universitário da Unicamp.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • João Cândido e a Revolta da Chibatarevolta da chibata 23/06/2024 Por PETRÔNIO DOMINGUES: No atual contexto, em que tanto se discute reparações do Estado à população negra, o nome de João Cândido não pode ser esquecido
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • O medo e a esperançaJoao_Carlos_Salles 24/06/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Contra a destruição da universidade pública
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES