Um tempo de rupturas

Imagem: Stela Grespan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

A evolução da economia capitalista mundial, na sua reprodução concreta, cria ardis que as teorias muitas vezes não alcançam, mas que – de repente – as subjetividades coletivas expõem, ou na sua grandeza ou na sua miséria

O insuperável Eric Hobsbawn, em Um tempo de rupturas (2013), escrevendo sobre “este mundo novo, complicado, multidimensional” – movimentado por combinações constantes – pergunta se ele “trará a esperança de uma maior fraternidade entre os seres humanos?” A seguir responde que “nesta época de xenofobia parecemos estar muito longe desta confraternização”.

O historiador então prossegue o seu raciocínio de forma surpreendente: “Não sei. Mas penso que talvez encontremos a resposta nos estádios de futebol do mundo. Porque o mais universal de todos os esportes é, ao mesmo tempo, o mais nacional. Hoje em dia, para quase toda a humanidade esses onze jovens sobre um campo são os que representam a “nação”, o Estado, o “nosso povo”, em lugar dos políticos, as constituições e os desfiles militares.”

Constatando que nos clubes nacionais de “maior êxito” não é incomum ter apenas dois ou três jogadores nativos, Hobsbawn reconhece-nos jovens mercenários e milionários do esporte mais popular do mundo – um impulso à comunhão transnacional. Na França, um país que “se abriu à imigração”, a maioria se sente orgulhosa de formar sua seleção e seus clubes mais importantes com africanos, afro-caribenhos, bérberes, celtas, bascos e com “filhos de imigrantes ibéricos e da Europa Oriental.”

A celebração desta comunhão pelo esporte, como indício, mais além da unidade de nações em alianças para a guerra, compõe – segundo Hobsbawn – um quadro sutil de onde pode se retirar algumas pinceladas de esperança. Aliás, a exportação da subversão fascista em todo o mundo, através da criação de novas identidades baseadas no negacionismo científico, no ódio ao diferente e no fundamentalismo religioso, também é destinada a frustrar e a extinguir quaisquer esperanças para um mundo humanizado pela solidariedade e pela igualdade.

A invasão multiétnica “pelo alto” permitiu – exemplifica o historiador – que Zinedine Zidane, filho de imigrantes muçulmanos da Argélia se tornasse o “melhor dos franceses” – independentemente da sua origem étnica – mostrando que as barreiras racistas não são invencíveis, que a xenofobia não é o estado permanente da alma francesa, mas uma contingência histórica. As pessoas que são julgadas pela cor da sua pele, sua língua e sua religião, também podem ser avaliadas pelo seu talento, pela sua capacidade de vencer e lutar por um objetivo comum, bem mais além do sentido “nazi” da unidade pela violência, pela supressão do diferente, pela exaltação irracional da raça ou do passado distorcido e romantizado.

O que parece inusitado na reflexão do grande historiador, na verdade é o prosseguimento – quase no final da sua vida – do mesmo método de observação histórica que guiou seus estudos e publicações, ao longo da sua fértil relação científica, acadêmica e política, com o mundo no Século XX: a evolução da economia capitalista mundial, na sua reprodução concreta, cria ardis que as teorias muitas vezes não alcançam, mas que – de repente – as subjetividades coletivas expõem, ou na sua grandeza ou na sua miséria. Às vezes em ambas.

O  nacionalismo radical dos países ricos, por exemplo, pautando uma contra-tendência à  dominação do globalismo do Século XX, talvez tenha sido entendido de forma mais completa -como “necessidade” política urgente- pelos analistas da extrema-direita, do que pelos teóricos social democratas e socialistas. Quando Zidane – capitão da seleção francesa na vitória da Copa em 2006 – foi expulso de campo por dar uma cabeçada no peito de Marco Materazzi, o italiano que lhe chamara de “sujo e terrorista”, ambos representaram aquela tensão em disputa.

Naquele momento a conquista do respeito “pelo alto” gerava uma “contratendência”, pois o descendente argelino de família muçulmana -no particular- deu a cabeçada da Revolução Francesa no peito estufado do Fascismo redivivo: as ideias de Mitterrand e Berlusconi num incidente do futebol mundial. Ali o globalismo nacionalista não unificou, pois o que se expressou entre dois jovens, com formações diferentes e origens nacionais distintas, foi a luta entre o ódio e a dignidade pela razão humanista.

O “globalismo” nacionalista dos países ricos, como propuseram Trump e sua gangue, ao mesmo tempo que estimulou os “chauvinismos” locais, também possibilitou a monopolização dos delitos mais graves -que dele derivam- pelos Estados Nacionais. Os imigrantes mexicanos em campos de concentração na fronteira mexicana e o roubo de Fundos -destinados à “construção” do Muro- pelo esquema Bannon, são crimes evidentes. A contrapartida ao nacionalismo radical americano esposado por Trump -no novo Brasil-colônia da era Bolsonaro- é o negacionismo radical da ciência e a necrofilia armamentista, que amplia o esquema miliciano de poder.

Estas contrapartidas só são aceitas como simulacros de “políticas externas” ou “internas”, em circunstâncias críticas de disputa pela hegemonia, para evitar uma guerra ou promovê-la. Trump, na verdade, promove uma guerra contra o Brasil, à medida que estimula com Bolsonaro a violência miliciana e o ódio à democracia. Bolsonaro e seu esquema de poder, encetam uma guerra contra e República e a dignidade política da Carta de 88. Onde vai nos levar tudo isso? Vai nos restar, como alternativa, apenas a cabeçada de Zidane?  Ela pode ter sido uma metáfora da resistência, num tempo em que o ódio não cessa de surpreender e a solidariedade é sufocada pelo desprezo a “tudo que é humano”, tornado estranho pela
peste do fascismo.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Everaldo de Oliveira Andrade Kátia Gerab Baggio Caio Bugiato Paulo Capel Narvai Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Boaventura de Sousa Santos Ricardo Musse Fábio Konder Comparato Eleonora Albano Carla Teixeira Valerio Arcary Mariarosaria Fabris João Lanari Bo Rodrigo de Faria José Costa Júnior Henry Burnett Tales Ab'Sáber Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Érico Andrade Julian Rodrigues Anselm Jappe Alexandre Aragão de Albuquerque Antônio Sales Rios Neto Remy José Fontana Luciano Nascimento Osvaldo Coggiola Lincoln Secco Elias Jabbour João Feres Júnior Lorenzo Vitral Tadeu Valadares João Sette Whitaker Ferreira Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca José Dirceu Yuri Martins-Fontes André Márcio Neves Soares Fernando Nogueira da Costa Daniel Costa Vladimir Safatle Francisco Fernandes Ladeira Celso Favaretto Bento Prado Jr. Ari Marcelo Solon Eugênio Trivinho Daniel Afonso da Silva Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Luiz Marques Jean Pierre Chauvin Liszt Vieira Ronald Rocha Jean Marc Von Der Weid Matheus Silveira de Souza Eliziário Andrade Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Leonardo Boff José Machado Moita Neto Jorge Branco Otaviano Helene Luis Felipe Miguel Alexandre de Lima Castro Tranjan Alysson Leandro Mascaro Flávio Aguiar Lucas Fiaschetti Estevez Rafael R. Ioris Afrânio Catani Tarso Genro Michel Goulart da Silva Chico Alencar Thomas Piketty Fernão Pessoa Ramos Heraldo Campos Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Walnice Nogueira Galvão Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Luís Fernando Vitagliano Leonardo Sacramento Eleutério F. S. Prado Ricardo Fabbrini Mário Maestri Paulo Fernandes Silveira Paulo Martins Manuel Domingos Neto Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt João Carlos Loebens Salem Nasser Vanderlei Tenório Berenice Bento Luiz Eduardo Soares Bruno Machado Michael Roberts Luiz Bernardo Pericás Carlos Tautz Anderson Alves Esteves Ronald León Núñez José Geraldo Couto Milton Pinheiro Antonio Martins Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Antunes Marcos Aurélio da Silva Dennis Oliveira Sandra Bitencourt Andrés del Río Marcos Silva Ladislau Dowbor Valerio Arcary Gerson Almeida Andrew Korybko Marcelo Guimarães Lima Gabriel Cohn Luiz Carlos Bresser-Pereira Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Armando Boito Gilberto Maringoni Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Claudio Katz Celso Frederico Eugênio Bucci André Singer João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Airton Paschoa Atilio A. Boron Rubens Pinto Lyra Leda Maria Paulani Daniel Brazil José Raimundo Trindade Dênis de Moraes Marjorie C. Marona Henri Acselrad Eduardo Borges Annateresa Fabris Francisco Pereira de Farias José Micaelson Lacerda Morais Renato Dagnino Paulo Sérgio Pinheiro Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Salles Priscila Figueiredo Chico Whitaker Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Denilson Cordeiro Ricardo Abramovay Marcelo Módolo Bernardo Ricupero Luiz Werneck Vianna

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada