As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A autonomia do Banco Central

Imagem: Caroline Cagnin
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FERNANDO NETTO SAFATLE*

A política do Banco Central está em conflito aberto com os objetivos pelos quais Lula foi eleito

Desde quando surgiu, anos atrás, uma onda avassaladora neoliberal varrendo o mundo, ocorreu uma cantilena sistemática nos principais órgãos de comunicação no país defendendo as teses sacrossantas da Faria Lima. Temas como autonomia do Banco Central recebiam um tratamento privilegiado, mas sem o contraditório convocado para discutir e explanar, somente economistas ligados aos bancos e instituições financeiras.

Sempre foi assim. Ninguém era chamado para contra-argumentar. Afinal, era preciso deixar a impressão para a opinião pública de que sobre temas como esse não existisse divergências, tinha quase unanimidade. Para eles não existe pensamentos econômicos diferentes sobre temas diversos. Existe uma visão única, como se fosse uma estrada de mão única. Ou seja, a visão do mercado tinha que prevalecer. E assim tem sido feito quando se trata de temas de interesse do mercado, como o da autonomia do Banco Central.

Aprovado em 2019, durante o governo Bolsonaro, na calada da noite, sem muita discussão, dando a entender como se tivesse obtido aprovação geral. Contribuiu para isso, é claro, uma desmobilização das centrais sindicais e dos movimentos sociais e dos partidos de oposição. Mesmo porque uma boa parte da chamada esquerda sofre forte influência das teses neoliberais. Assim vai passando a boiada. Comeram mosca, quando acordaram já era governo do Lula sofrendo todos os constrangimentos e sortilégios do entulho neoliberal deixado por Jair Bolsonaro.

Mesmo assim, ainda não aprenderam a lição. Nessa discussão sobre a taxa de juros, 13,25% da Selic, por incrível que pareça, quem dá o tom é o Roberto Campos Neto. Diz com todas as letras que a sua decisão de manutenção das taxas de juros é essencialmente técnica. Ou seja, não tem discussão. Ninguém questiona! Ora, não tem nada de técnica e sim puramente política. Seria técnica se não tivesse visões distintas sobre as causas da inflação e de soluções alternativas para combatê-la. O que, evidentemente, não é o caso.

Há quase um consenso de que a inflação não é de demanda, mas sim de custos. Portanto, não cabe usar indevidamente a elevação das taxas de juros para conter o consumo com medidas restritivas ao crédito. São medidas que vão na contramão e agravam ainda mais a retomada do crescimento. Além de achatar a demanda por bens e produtos inibe os investimentos ao elevar os custos financeiros.

A política do Banco Central está em conflito aberto com os objetivos pelos quais Lula foi eleito, quais sejam, sair da recessão e gerar empregos e rendas. Ainda, com as taxas de juros elevadas conflita também com a política de austeridade fiscal, tão apregoada pela Faria Lima. Cada 1% de aumento nos juros acresce R$ 38 bilhões na dívida pública. É como enxugar gelo. Não pode haver essa desarmonia entre a política fiscal e a política monetária. Essa autonomia do Banco Central provocou isso, é um contrassenso. É uma contradição antagônica. Não se pode contemporizar com isso, sob o risco de naufragar e ficar permanentemente a reboque do Banco Central.

Mesmo com todas as dificuldades dessa armadilha é necessário tomar a iniciativa política e mobilizar a população para ir para rua e mudar não só o presidente do Banco Central, mas tirar a sua autonomia. É difícil politicamente, sim, especialmente com esse Congresso. Mesmo o Artur Lira dizendo que a quebra da autonomia não passa é importante pôr isso na pauta e convocar a população para ir para rua.

Se ficar dependendo somente de negociações de bastidores, para cada projeto que precisa ser aprovado ceder ministérios e emendas, não se muda a correlação de forças e o governo vai ter que ir cedendo cada vez mais, pois o apetite do Centrão é insaciável. Em momentos como esse, quando há quase unanimidade em torno da queda da taxa de juros é importante mobilizar a população e mudar a correlação de forças. Para isso precisa politizar essa discussão e retira lá do círculo de giz tecnocrático no qual foi colocada por Roberto Campos Neto.

*Fernando Netto Safatle é economista. Foi secretário do Planejamento de Goiás, no governo de Henrique Santillo (1986-1990). Autor, entre outros livros, de A economia política do etanol (Alameda).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
José Raimundo Trindade Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Ricardo Abramovay Luis Felipe Miguel Tarso Genro João Sette Whitaker Ferreira Celso Favaretto Ronald Rocha Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Bernardo Pericás Flávio R. Kothe João Feres Júnior Jean Marc Von Der Weid Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Dennis Oliveira Bernardo Ricupero Roberto Bueno Vinício Carrilho Martinez Carla Teixeira Alexandre de Freitas Barbosa Jean Pierre Chauvin Marcos Aurélio da Silva Antônio Sales Rios Neto José Dirceu Berenice Bento Rodrigo de Faria Luciano Nascimento Mário Maestri Dênis de Moraes Julian Rodrigues José Luís Fiori Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Luís Fernando Vitagliano Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez Fernão Pessoa Ramos Manuel Domingos Neto Paulo Martins Remy José Fontana Michael Roberts Rubens Pinto Lyra Alexandre de Lima Castro Tranjan Lincoln Secco Gerson Almeida Liszt Vieira Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade Luiz Eduardo Soares Ronaldo Tadeu de Souza Maria Rita Kehl Valerio Arcary Marilena Chauí Anselm Jappe Anderson Alves Esteves Sandra Bitencourt Paulo Nogueira Batista Jr João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Loebens Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos Carlos Tautz Manchetômetro Flávio Aguiar Roberto Noritomi Walnice Nogueira Galvão Francisco Fernandes Ladeira Eleonora Albano Chico Whitaker João Adolfo Hansen Luiz Renato Martins Fernando Nogueira da Costa Igor Felippe Santos Renato Dagnino Benicio Viero Schmidt Leonardo Avritzer Marcelo Módolo Milton Pinheiro Antonio Martins André Singer Gabriel Cohn Eugênio Trivinho Eugênio Bucci Leda Maria Paulani Denilson Cordeiro Chico Alencar Gilberto Lopes Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Daniel Brazil Marjorie C. Marona Elias Jabbour Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Atilio A. Boron Bruno Fabricio Alcebino da Silva Celso Frederico Henri Acselrad Paulo Sérgio Pinheiro Thomas Piketty Claudio Katz Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Werneck Vianna Paulo Capel Narvai Daniel Costa Luiz Roberto Alves Ari Marcelo Solon Leonardo Boff Slavoj Žižek Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Marcos Silva Marcus Ianoni Gilberto Maringoni Bento Prado Jr. Jorge Branco Ricardo Antunes Sergio Amadeu da Silveira Henry Burnett Paulo Fernandes Silveira Érico Andrade Fábio Konder Comparato Ricardo Musse João Carlos Salles Juarez Guimarães Tadeu Valadares Francisco de Oliveira Barros Júnior Lorenzo Vitral Otaviano Helene Luiz Costa Lima Salem Nasser José Geraldo Couto Afrânio Catani Yuri Martins-Fontes Annateresa Fabris Eduardo Borges Jorge Luiz Souto Maior Rafael R. Ioris Bruno Machado João Lanari Bo Kátia Gerab Baggio Vladimir Safatle Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Airton Paschoa Tales Ab'Sáber Marcelo Guimarães Lima Francisco Pereira de Farias Valério Arcary Andrew Korybko Vanderlei Tenório

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada