As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Validação digital

Imagem: Laura Tancredi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

A chamada Era Digital estimulou o consumo imediatista de informações (falsas ou não); acelerou a confusão entre informação e saber

“Quem não aparece no jornal, não aparecerá nem no livro, nem no palco, nem em parte alguma – morrerá. É uma ditadura” (Lima Barreto, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá).

“– Vamos embora. Isso aqui não vai a lugar nenhum. Rodar 100 mil exemplares que ninguém vai ler. Vamos embora para a televisão. Vamos trocar a profundidade pelo alcance” (Hedyl Valle Jr. a Paulo Henrique Amorim, quando este dirigia o Jornal do Brasil na década de 1980).

Em 1919, uma personagem de Lima Barreto questionava o papel atribuído ao jornal e, por extensão, à imprensa, denominando-a “quarto poder”. Não terá sido coincidência o fato de Paulo Henrique Amorim recorrer ao mesmo epíteto, no livro que publicou em 2015. Obviamente, o contexto era bem outro: mais de cem anos separavam O Quarto Poder – uma outra história de Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá. O protagonista barretiano protestava contra a necessidade de o sujeito circular nos jornais para ser reconhecido dentro e fora deles; Amorim denunciava as relações controversas entre nossa imprensa e os poderosos (antes e durante a ditadura) em nome da “liberdade”, sob a ingerência de representantes dos EUA.

Para além de questionar as relações entre Tio Sam e Zé Carioca, ao longo do século XX, o que se está a discutir é a onipresença dos meios de comunicação de massa na formação do senso comum – este poderoso repertório de frases-feitas raramente submetidas à verificação por parte de seus usuários. Não será preciso recordar o impacto nefasto de alguns políticos e “filósofos” negacionistas, em nossa história recente…

A chamada Era Digital, sedimentada a partir da década de 1980, estimulou o consumo imediatista de informações (falsas ou não). Além disso, acelerou a confusão entre informação e saber, preparando o terreno para a falsa equiparação entre dogma e verdade; opinião e conhecimento; argumento e achismo – o que se verifica na maneira como os trabalhadores intelectuais são chancelados, ou não, pelas enciclopédias digitais editáveis, pelos canais de entretenimento e pelas redes sociais.

Se quiserem um exemplo, basta ver como parte dos alunos, durante a aula, recorre sem qualquer constrangimento aos buscadores da internet para “complementar” – quando não contestar – o dado apresentado ou a reflexão desenvolvida pelo professor. Por outro lado, uma das ironias mais perversas está no fato de o “preparador de conteúdo” se gabar das trabalhosas “pesquisas” que empreende, como forma de certificar a qualidade do produto que oferece no canal que ele mesmo administra.

Ironia ainda maior é que empreendedores digitais recorram a livros de sua autoria para consolidar a presumida relevância cultural. É emblemático que o lançamento de obras assinadas por celebridades de ocasião renda filas quilométricas. Ora, na maioria dos casos não é o conteúdo das páginas que necessariamente interessa aos seus admiradores; mas a possibilidade de postarem fotos com o ídolo nas redes sociais, portando um bem cultural (o livro) que se traduza em capital simbólico (a faceta de leitor).

Decerto, isso não significa que todo administrador de canal prepare conteúdos e outros produtos com qualidade questionável; o que se está a discutir é o papel da internet como meio de validação compulsória de profissionais rigorosos, que acumulam décadas de atividade: professores, médicos, linguistas, jornalistas, filósofos, sociólogos, economistas, (astro)físicos, matemáticos, artistas, gastrônomos etc.

Essa reflexão é antiga, bem entendido. De Guy Debord (em A Sociedade do Espetáculo, de 1967) a Byung-Chul Han (vide No Enxame, traduzido no país em 2014), o que continua em debate é o papel das mídias como veículo para certificação de si mesmo e/ou do outro. Por sinal, vulgarizou-se a ideia de que a relevância de um “preparador de conteúdos” seja proporcional à quantidade de seguidores e membros do seu canal… Eis a implacável lógica dos antigos índices de audiência a contaminar o espaço supostamente livre, inovador e autônomo das plataformas digitais.

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete Falas: ensaios sobre tipologias discursivas.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Luiz Marques João Paulo Ayub Fonseca Alysson Leandro Mascaro Ricardo Fabbrini Paulo Capel Narvai José Costa Júnior Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes Paulo Sérgio Pinheiro Celso Frederico Bento Prado Jr. Roberto Noritomi João Sette Whitaker Ferreira José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Rodrigo de Faria Antonio Martins João Lanari Bo Mariarosaria Fabris Boaventura de Sousa Santos Alexandre Aragão de Albuquerque Dennis Oliveira Marilia Pacheco Fiorillo Heraldo Campos José Machado Moita Neto Valério Arcary Thomas Piketty Caio Bugiato Ronald León Núñez Ricardo Musse João Feres Júnior Eduardo Borges Salem Nasser Fernando Nogueira da Costa André Singer Marilena Chauí Leda Maria Paulani Tadeu Valadares Vanderlei Tenório Michael Roberts Roberto Bueno Armando Boito Sandra Bitencourt Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira José Luís Fiori Renato Dagnino Eleutério F. S. Prado Marcos Silva João Carlos Loebens Antônio Sales Rios Neto Daniel Brazil Valerio Arcary Francisco de Oliveira Barros Júnior Igor Felippe Santos Mário Maestri Lincoln Secco Ricardo Antunes Antonino Infranca Luis Felipe Miguel Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Vladimir Safatle Luiz Renato Martins Andrew Korybko Luiz Eduardo Soares Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Carlos Tautz Paulo Nogueira Batista Jr Tales Ab'Sáber Bruno Machado Remy José Fontana Claudio Katz Gilberto Maringoni Daniel Costa Juarez Guimarães Luiz Costa Lima Samuel Kilsztajn Jean Pierre Chauvin José Raimundo Trindade Jorge Branco Sergio Amadeu da Silveira Milton Pinheiro Atilio A. Boron Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Ari Marcelo Solon Marcos Aurélio da Silva Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Pereira de Farias Elias Jabbour Flávio R. Kothe Manuel Domingos Neto Annateresa Fabris Henri Acselrad Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Abramovay Leonardo Avritzer Paulo Martins Manchetômetro Chico Whitaker Henry Burnett Paulo Fernandes Silveira Jorge Luiz Souto Maior Tarso Genro Priscila Figueiredo Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Trivinho Julian Rodrigues Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Berenice Bento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ladislau Dowbor André Márcio Neves Soares Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Michael Löwy Slavoj Žižek Benicio Viero Schmidt Denilson Cordeiro João Adolfo Hansen Rafael R. Ioris Anderson Alves Esteves Luiz Roberto Alves Chico Alencar Marcelo Guimarães Lima Luiz Werneck Vianna Leonardo Sacramento Ronald Rocha Otaviano Helene Celso Favaretto Flávio Aguiar Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Liszt Vieira Érico Andrade Eliziário Andrade Marcelo Módolo Kátia Gerab Baggio Airton Paschoa Francisco Fernandes Ladeira Leonardo Boff Daniel Afonso da Silva Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra Jean Marc Von Der Weid Anselm Jappe Eugênio Bucci Gilberto Lopes Fernão Pessoa Ramos Yuri Martins-Fontes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada