Validação digital

Imagem: Laura Tancredi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JEAN PIERRE CHAUVIN*

A chamada Era Digital estimulou o consumo imediatista de informações (falsas ou não); acelerou a confusão entre informação e saber

“Quem não aparece no jornal, não aparecerá nem no livro, nem no palco, nem em parte alguma – morrerá. É uma ditadura” (Lima Barreto, Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá).

“– Vamos embora. Isso aqui não vai a lugar nenhum. Rodar 100 mil exemplares que ninguém vai ler. Vamos embora para a televisão. Vamos trocar a profundidade pelo alcance” (Hedyl Valle Jr. a Paulo Henrique Amorim, quando este dirigia o Jornal do Brasil na década de 1980).

Em 1919, uma personagem de Lima Barreto questionava o papel atribuído ao jornal e, por extensão, à imprensa, denominando-a “quarto poder”. Não terá sido coincidência o fato de Paulo Henrique Amorim recorrer ao mesmo epíteto, no livro que publicou em 2015. Obviamente, o contexto era bem outro: mais de cem anos separavam O Quarto Poder – uma outra história de Vida e Morte de M. J. Gonzaga de Sá. O protagonista barretiano protestava contra a necessidade de o sujeito circular nos jornais para ser reconhecido dentro e fora deles; Amorim denunciava as relações controversas entre nossa imprensa e os poderosos (antes e durante a ditadura) em nome da “liberdade”, sob a ingerência de representantes dos EUA.

Para além de questionar as relações entre Tio Sam e Zé Carioca, ao longo do século XX, o que se está a discutir é a onipresença dos meios de comunicação de massa na formação do senso comum – este poderoso repertório de frases-feitas raramente submetidas à verificação por parte de seus usuários. Não será preciso recordar o impacto nefasto de alguns políticos e “filósofos” negacionistas, em nossa história recente…

A chamada Era Digital, sedimentada a partir da década de 1980, estimulou o consumo imediatista de informações (falsas ou não). Além disso, acelerou a confusão entre informação e saber, preparando o terreno para a falsa equiparação entre dogma e verdade; opinião e conhecimento; argumento e achismo – o que se verifica na maneira como os trabalhadores intelectuais são chancelados, ou não, pelas enciclopédias digitais editáveis, pelos canais de entretenimento e pelas redes sociais.

Se quiserem um exemplo, basta ver como parte dos alunos, durante a aula, recorre sem qualquer constrangimento aos buscadores da internet para “complementar” – quando não contestar – o dado apresentado ou a reflexão desenvolvida pelo professor. Por outro lado, uma das ironias mais perversas está no fato de o “preparador de conteúdo” se gabar das trabalhosas “pesquisas” que empreende, como forma de certificar a qualidade do produto que oferece no canal que ele mesmo administra.

Ironia ainda maior é que empreendedores digitais recorram a livros de sua autoria para consolidar a presumida relevância cultural. É emblemático que o lançamento de obras assinadas por celebridades de ocasião renda filas quilométricas. Ora, na maioria dos casos não é o conteúdo das páginas que necessariamente interessa aos seus admiradores; mas a possibilidade de postarem fotos com o ídolo nas redes sociais, portando um bem cultural (o livro) que se traduza em capital simbólico (a faceta de leitor).

Decerto, isso não significa que todo administrador de canal prepare conteúdos e outros produtos com qualidade questionável; o que se está a discutir é o papel da internet como meio de validação compulsória de profissionais rigorosos, que acumulam décadas de atividade: professores, médicos, linguistas, jornalistas, filósofos, sociólogos, economistas, (astro)físicos, matemáticos, artistas, gastrônomos etc.

Essa reflexão é antiga, bem entendido. De Guy Debord (em A Sociedade do Espetáculo, de 1967) a Byung-Chul Han (vide No Enxame, traduzido no país em 2014), o que continua em debate é o papel das mídias como veículo para certificação de si mesmo e/ou do outro. Por sinal, vulgarizou-se a ideia de que a relevância de um “preparador de conteúdos” seja proporcional à quantidade de seguidores e membros do seu canal… Eis a implacável lógica dos antigos índices de audiência a contaminar o espaço supostamente livre, inovador e autônomo das plataformas digitais.

*Jean Pierre Chauvin é professor de Cultura e literatura brasileira na Escola de Comunicação e Artes da USP. Autor, entre outros livros de Sete Falas: ensaios sobre tipologias discursivas.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES