As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Leonel Brizola e o nacionalismo popular

Imagem: Giallo.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ EDUARDO MOTTA*

O nome de Brizola passou para a História e vem se tornando cada vez mais sinônimo de resistência e de justiça social

Neste ano de 2022 comemoramos o aniversário de Leonel Brizola que nos deixou repentinamente em 2004. Quando faleceu, Brizola estava vivendo o seu pior momento político depois de duas eleições malogradas para prefeito e senador do Rio de Janeiro. Mas, com o passar dos anos, o seu nome foi cada vez mais reconhecido pela nova geração de militantes que reconhecem nele uma das principais lideranças da esquerda brasileira. Nada mais justo para o seu nome e legado político de intenso combate à ditadura militar, às oligarquias brasileiras e ao projeto neoliberal que começou a despontar – ainda que não completamente – na última década do século XX no Brasil.

Entretanto, o fogo lançado contra Brizola e ao trabalhismo não se limitou ao campo da direita, mas também pela esquerda que teve como sua matriz a produção intelectual da USP nos anos 1960, e teceu um combate incessantemente ao ISEB, ao PCB e aos políticos nacionalistas de esquerda que certamente teve na figura de Brizola a sua maior expressão. E a principal materialização disso foi a formação do PT que criticava tenazmente em seus primeiros anos de existência todo o legado da esquerda pré-1964, particularmente os que advogavam pelo nacionalismo popular.

Brizola representou melhor do que ninguém em nosso país aquilo que fora denominado de terceiro-mundismo, i.e., sua posição política era uma clara defesa da libertação nacional e anti-imperialista presente nos chamados países do Terceiro Mundo. Se compararmos o brizolismo com outros congêneres a exemplo do peronismo de esquerda liderado por John William Cooke – cuja obra e liderança política influenciou diretamente as organizações revolucionárias peronistas a exemplo dos Montoneros e das FAP (Forças Armadas Peronistas) – vamos encontrar várias semelhanças. Brizola, tal como Cooke, defendeu o nacionalismo popular revolucionário (no Brasil o principal divulgador e sistematizador dessa ideologia foi Paulo Schilling em seu livro Como se coloca a direita no poder) como uma ideologia e projeto político que antecipava o caminho do socialismo de base nacional (Brizola denominava de “socialismo moreno” esse socialismo nacional).

O próprio Cooke cita numa passagem em sua obra Informe a las bases essa convergência das lideranças nacionalistas populares: “mas a luta anti-imperialista — que, digamos, é ao mesmo tempo a luta social — é “comunismo” ou “castrocomunismo” para um regime que não compreende que o castrismo, peronismo, brizolismo, caamañismo etc. são as formas nacionais que toma um mesmo processo de dimensões latino-americanas e universais”. Brizolismo significava, então, uma forma de socialismo nacional calcada na luta de libertação nacional e anti-imperialista, e ia ao encontro de outras tendências similares no continente americano.

Laclau foi muito preciso na sua desconstrução da noção de populismo empregada pela USP via Francisco Weffort e Octavio Ianni. O populismo de esquerda, ou o nacionalismo popular revolucionário, não era nenhum dique de consciência critica da classe trabalhadora. Contrariamente a isso, expressava uma ideologia que tinha como centro a contradição povo x bloco no poder. O conceito de povo abrange as mais distintas classes e grupos sociais que tem como oposição o modelo excludente vigorado pelas frações que representam o capital monopolista financeiro e industrial, como também as oligarquias agrárias. Não podemos menosprezar como fizeram no passado certos intelectuais, e o próprio PT no seu nascedouro, as lutas e as mobilizações de massa constituídas nos anos 1960 no Brasil e que atingiram diferentes esferas da política e da cultura (vide o Cinema Novo, o CPC da UNE, as Ligas Camponesas, por exemplo).

Ao retornar para o Brasil em 1979, Brizola encontrou um ambiente bem adverso a seu passado por parte da dita “nova esquerda”. Mas, mesmo assim, recriou o PTB (depois PDT), e reuniu em torno de si antigas lideranças e intelectuais identificadas com o nacionalismo popular revolucionário (a maioria oriunda do exílio no México) como Neiva Moreira, Francisco Julião, Theotônio dos Santos, Vânia Bambirra, Darcy Ribeiro, Flávio Tavares, e se juntaram a outros políticos e intelectuais mais identificados com o trabalhismo tradicional e com a socialdemocracia (chamada também de “socialismo democrático” termo bastante empregado por Pedro Celso Uchôa Cavalcanti que era um dos quadros intelectuais na fundação do PTB/PDT).

Com a criação da nova sigla PDT, a ideologia nacionalista popular encontrou neste partido o seu espaço de excelência. Mesmo que o PDT absorvesse outras tendências, o nacionalismo popular revolucionário era a principal expressão ideológica de sua militância trabalhista, e inclusive tinha como referência uma revista não oficial do PDT, os Cadernos do Terceiro Mundo dirigido por Neiva Moreira e Beatriz Bissio. E essa vertente nacional popular do PDT teve ainda como acréscimo a entrada em 1982 de vários dissidentes do PCB, em especial o grupo Prestista que se identificava com essa perspectiva. Assim como o PT, o PDT não era um partido homogêneo e havia a convivência, ainda que tensa entre os militantes, dessas diferentes correntes.

Certamente o brizolismo comportava diversos significados dentro do PDT que abarcavam tanto esse nacionalismo revolucionário como também uma centralidade no carisma pessoal da liderança política de Brizola, além de uma identificação ao projeto social democrata promovido pela Internacional Socialista por parte de alguns segmentos do partido (a entrada de Saturnino Braga e de seu grupo em 1982 fortaleceu essa tendência).

No entanto, desde o seu falecimento, as novas gerações de militantes (e não restritas ao PDT, pois estão presentes em distintas organizações, inclusive no PT) identificadas com sua a trajetória política, recuperaram o seu legado nacionalista e terceiro-mundista. Nesse aspecto Brizola hoje se tornou a principal referência simbólica da luta anti-imperialista e nacionalista em nosso país que vem sido assolado desde 2016 pelo projeto neoliberal vende pátria, e numa completa posição de subalternidade aos interesses imperialistas e antinacionais. E tal qual o seu principal mentor Getúlio Vargas, o nome de Brizola passou para a História e vem se tornando cada vez mais sinônimo de resistência e de justiça social.

*Luiz Eduardo Motta é professor de ciência política na UFRJ. Autor do livro A favor de Althusser: revolução e ruptura na teoria marxista (Contracorrente).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Kátia Gerab Baggio Maria Rita Kehl Paulo Fernandes Silveira Afrânio Catani Vladimir Safatle João Lanari Bo José Costa Júnior Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Lucas Fiaschetti Estevez Chico Whitaker Gilberto Maringoni Anderson Alves Esteves Marilena Chauí Alexandre de Freitas Barbosa Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Luis Felipe Miguel Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano Jean Pierre Chauvin Mário Maestri Carlos Tautz Luiz Werneck Vianna André Márcio Neves Soares Juarez Guimarães Luiz Eduardo Soares Eleutério F. S. Prado Priscila Figueiredo Fernando Nogueira da Costa Andrew Korybko Yuri Martins-Fontes Sergio Amadeu da Silveira Paulo Capel Narvai Fernão Pessoa Ramos Gerson Almeida Caio Bugiato Anselm Jappe Luiz Marques Ronald Rocha Slavoj Žižek Rubens Pinto Lyra Ari Marcelo Solon Dênis de Moraes Milton Pinheiro Ricardo Abramovay Manchetômetro Marcus Ianoni Otaviano Helene Flávio Aguiar Francisco de Oliveira Barros Júnior Gilberto Lopes Airton Paschoa Jean Marc Von Der Weid João Carlos Loebens Michael Löwy Thomas Piketty Samuel Kilsztajn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rafael R. Ioris Valerio Arcary José Geraldo Couto Atilio A. Boron Annateresa Fabris Daniel Costa Everaldo de Oliveira Andrade Berenice Bento Mariarosaria Fabris Gabriel Cohn Antonino Infranca João Carlos Salles Bento Prado Jr. Daniel Brazil José Machado Moita Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Igor Felippe Santos Luiz Bernardo Pericás Walnice Nogueira Galvão Chico Alencar Eugênio Bucci Jorge Branco Boaventura de Sousa Santos Leonardo Boff Ladislau Dowbor Michael Roberts João Adolfo Hansen Renato Dagnino Rodrigo de Faria Claudio Katz Luciano Nascimento Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Leda Maria Paulani Bruno Machado João Paulo Ayub Fonseca Henri Acselrad José Micaelson Lacerda Morais Marjorie C. Marona Heraldo Campos Marcos Aurélio da Silva Leonardo Avritzer Lorenzo Vitral Osvaldo Coggiola João Feres Júnior Tarso Genro André Singer Paulo Martins Ronaldo Tadeu de Souza Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges Armando Boito Ricardo Fabbrini Valério Arcary Roberto Bueno Alexandre Aragão de Albuquerque Liszt Vieira Celso Favaretto Vanderlei Tenório Ricardo Musse Luiz Carlos Bresser-Pereira Dennis Oliveira Celso Frederico Elias Jabbour Francisco Pereira de Farias Salem Nasser Roberto Noritomi Lincoln Secco Francisco Fernandes Ladeira Érico Andrade José Dirceu Paulo Nogueira Batista Jr Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Luiz Renato Martins Jorge Luiz Souto Maior Julian Rodrigues Eugênio Trivinho João Sette Whitaker Ferreira Paulo Sérgio Pinheiro José Raimundo Trindade Carla Teixeira José Luís Fiori Leonardo Sacramento Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Antônio Sales Rios Neto Denilson Cordeiro Marcos Silva Marilia Pacheco Fiorillo Ronald León Núñez Henry Burnett Luiz Roberto Alves Sandra Bitencourt Tadeu Valadares Manuel Domingos Neto Ricardo Antunes Eleonora Albano Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada