A tragédia do mercúrio na Amazônia

Imagem: Adem Albayrak
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Com vários estados amazônicos apresentando índices de contaminação muito acima do permitido, o desastre é iminente

Os preocupantes níveis de mercúrio encontrados em amostras de peixes amazônicos, confirmados em pesquisa da Fiocruz/UFOPA, trazem à memória os terríveis relatos de Minamata, da década de 1950.

Nessa pequena cidade da costa japonesa foram pela primeira vez identificadas as enfermidades neurológicas causadas pelo mercúrio no organismo humano. Muitas pessoas apresentavam distúrbios que afetavam a visão, o tato e a audição, chegando a causar paralisia e morte. Diversos fetos estavam contaminados, e nasceram com problemas irreversíveis, físicos e neurológicos. Batizado de “Mal de Minamata”, foi um alerta para todo o planeta do alto risco embutido na poluição das águas.

O cientista Akagi Hirokatsu (1942/2020), que trabalhou no Instituto Nacional do Mal de Minamata, descobriu na década de 1980 um método de medição do organomercúrio que é utilizado hoje em todo o mundo, inclusive nesse estudo da Fiocruz.

Com vários estados amazônicos apresentando índices de contaminação muito acima do permitido, o desastre é iminente. Utilizado principalmente na mineração, legal ou ilegal, as quantidades mortíferas de mercúrio despejadas nas águas da Bacia Amazônica são uma tétrica confirmação de que a humanidade não aprende com os próprios erros, e muita dor e sofrimento ainda advirão desse crime ambiental.

Roraima, estado campeão de devastação e mineração ilegal, é também o recordista de amostras contaminadas: 40% das coletadas em mercados e feiras livres estavam acima do limite aceitável. Por um fenômeno cumulativo, o mercúrio aumenta de acordo com a cadeia alimentar, ou seja, os carnívoros do topo, que se alimentam de peixes menores, acumulam índices maiores do elemento mortal. Traduzindo: pirarucu, tucunaré, pintado, filhote, ou seja, alguns dos mais nobres peixes amazônicos.

É óbvio que não são apenas populações ribeirinhas “invisíveis” que comem peixes com mercúrio. Eles estão também no cardápio dos principais restaurantes e hotéis da Amazônia dos “ricos”, em Manaus, Belém, Santarém e outras cidades da região. Muitos já são encontrados em supermercados chiques do Sul do país.

O premiado cineasta Jorge Bodanski realizou o filme Amazônia, a nova Minamata? (2022), enfocando o povo Munduruku. Descreve a luta da líder Alessandra Korap, que levou médicos e pesquisadores à região para pesquisar o mal que ameaça sua gente. Também dá voz ao neurologista Erick Jennings, cientista que investiga porque muitas crianças amazônicas têm problemas neurológicos.

Nas palavras de Jorge Bodanski, “este é um dos filmes mais importantes e difíceis da minha vida. Não podemos deixar que a Amazônia se transforme numa nova Minamata”. O filme dialoga com o documentário Minamata: the Victims and heir World (1971), de Noriaki Tsuchimoto, que pode ser visto no Youtube em versão com legendas em inglês. O autor japonês produziu uma série de documentários sobre o desastre, e inspirou até produções americanas, como Minamata (2020), com Johnny Depp, de valor discutível. Para saber mais e melhor, fique com o original.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

Referências


Minamata: the Victims and heir World (1971), de Noriaki Tsuchimoto: https://www.youtube.com/watch?v=Sf6FHMR7LVQ&ab_channel=zakkafilms

Amazônia, a nova Minamata? , de Jorge Bodanski (Trailer): https://www.youtube.com/watch?v=SQB0QfIDsyg&ab_channel=AmazoniaLatitude

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES