Autoritarismo furtivo

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

No Brasil está ocorrendo o mesmo processo de retrocesso da democracia para situações autoritárias que se pode observar em vários lugares no mundo.

O conceito de “autoritarismo furtivo” foi proposto pelo cientista político Adam Przeworski em seu novo livro Crisis of Democracy [Crises da Democracia] (Cambridge University Press, 2019). Nesse delineamento, trata-se de um processo de retrocesso da democracia para situações autoritárias – que está ocorrendo em vários lugares no mundo –, só que de um modo completamente distinto de suas formas anteriores. Antes, o que acontecia eram golpes de Estado, em geral perpetrados pelas Forças Armadas num momento determinado, o chamado dia “D”.

Agora é diferente. Estamos diante de um processo vai se impondo pouco a pouco de maneira gradual e pouco perceptível. Esse contínuo “incrementar” se dá, em segundo lugar, por dentro das leis, e não aparece como uma ruptura constitucional. Uma terceira característica: ele é comandado por líderes políticos democraticamente eleitos.

O resultado da soma dessas três características é o deslizamento da democracia para a ditadura sem que a sociedade perceba o que está acontecendo. Porque aparentemente as instituições democráticas continuam funcionando, só que cada vez mais passam a ser uma mera “fachada”. O Poder Executivo vai ampliando a sua capacidade de domínio e apagando a presença e a força dos contrapoderes.

Esse conceito ajuda a compreender o que está acontecendo hoje no Brasil. Nós estamos vivendo um processo de ruptura da democracia conduzido por um líder democraticamente eleito. O atual presidente da República foi eleito em 2018, em uma competição onde, até segunda ordem, não houve fraude, houve liberdade de expressão e houve liberdade de organização. Temos também a manutenção de um aparente respeito às leis. Mesmo nessa questão tão importante, a intervenção sobre a Polícia Federal, o presidente alega que tem o direito constitucional de agir assim. Ele está argumentando – em consonância com o movimento que a tese Przeworski procura explicar – por dentro das leis. Esse alargamento do Poder Executivo se dá também de maneira incremental, pouco a pouco.

Podemos verificar isso neste exemplo da intervenção na Polícia Federal ou então num caso anterior interessante que foi a nomeação pelo presidente de um procurador-geral que não fazia parte da lista tríplice, de um procurador-geral afinado com a sua visão ideológica. Isto, obviamente, gera consequências práticas, além do fato de que pouco a pouco as instituições vão ficando intimidadas. A própria sociedade vai ficando intimidada.

*André Singer é professor titular de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de O lulismo em crise (Companhia das Letras).

Texto estabelecido a partir de entrevista concedida a Gustavo Xavier, na rádio USP.

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ronald Rocha Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa Andrés del Río Celso Frederico João Lanari Bo Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Paulo Capel Narvai Bento Prado Jr. Luiz Bernardo Pericás Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Alencar Mariarosaria Fabris Antônio Sales Rios Neto Afrânio Catani Sergio Amadeu da Silveira Luciano Nascimento Heraldo Campos Tadeu Valadares Antonino Infranca Francisco Pereira de Farias Vinício Carrilho Martinez José Costa Júnior Leonardo Avritzer Paulo Martins Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Gilberto Lopes Luiz Renato Martins Flávio Aguiar Lorenzo Vitral Salem Nasser Osvaldo Coggiola José Dirceu Liszt Vieira Yuri Martins-Fontes Otaviano Helene Dennis Oliveira Walnice Nogueira Galvão Ricardo Antunes Vladimir Safatle Eleonora Albano Elias Jabbour Benicio Viero Schmidt Matheus Silveira de Souza José Machado Moita Neto Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Tarso Genro Alysson Leandro Mascaro Alexandre de Lima Castro Tranjan João Feres Júnior Luiz Eduardo Soares Jean Marc Von Der Weid Airton Paschoa Remy José Fontana Priscila Figueiredo Dênis de Moraes Milton Pinheiro Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Michael Löwy Luis Felipe Miguel Tales Ab'Sáber Michel Goulart da Silva Ricardo Fabbrini Juarez Guimarães Ricardo Musse João Carlos Loebens Paulo Nogueira Batista Jr Denilson Cordeiro Bernardo Ricupero Lucas Fiaschetti Estevez Jorge Luiz Souto Maior Daniel Costa Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Eugênio Bucci Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manuel Domingos Neto Ricardo Abramovay Fernando Nogueira da Costa Vanderlei Tenório Paulo Fernandes Silveira Caio Bugiato Jorge Branco Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Armando Boito José Raimundo Trindade Carlos Tautz Sandra Bitencourt Valerio Arcary Jean Pierre Chauvin Anderson Alves Esteves Valerio Arcary José Luís Fiori Leonardo Boff Samuel Kilsztajn José Micaelson Lacerda Morais Ladislau Dowbor Everaldo de Oliveira Andrade Eugênio Trivinho Anselm Jappe Daniel Brazil Marjorie C. Marona Atilio A. Boron Ari Marcelo Solon Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Slavoj Žižek Rubens Pinto Lyra André Singer Marcos Aurélio da Silva Thomas Piketty André Márcio Neves Soares João Carlos Salles João Adolfo Hansen Michael Roberts Luiz Marques Érico Andrade Leonardo Sacramento Gabriel Cohn Marcus Ianoni Gilberto Maringoni Celso Favaretto Marilena Chauí Flávio R. Kothe Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Módolo Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima Paulo Sérgio Pinheiro Manchetômetro Fernão Pessoa Ramos Henry Burnett Antonio Martins Marcos Silva Ronald León Núñez Marilia Pacheco Fiorillo Henri Acselrad Carla Teixeira Maria Rita Kehl Lincoln Secco José Geraldo Couto Leda Maria Paulani Renato Dagnino Berenice Bento Eleutério F. S. Prado Rodrigo de Faria João Sette Whitaker Ferreira Claudio Katz Eduardo Borges Alexandre Aragão de Albuquerque Rafael R. Ioris Annateresa Fabris

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada