As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Unidade da esquerda

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO HENRIQUE LIMA*

O antifascismo não se restringe a um método de luta baseado na ação direta ou no enfrentamento à violência policial. Tampouco o antifascismo é um lócus de autoidentificação pessoal ou coletiva

Primeiro cabe estabelecer uma diferenciação entre o que é o fascismo enquanto regime político e o que é o movimento fascista. O fascismo enquanto regime político, assim como a Ditadura Militar e o Bonapartismo é um forma particular de “estado de exceção” capitalista.

Por sua vez, o movimento fascista é um movimento de massas de extrema-direita, composto sobretudo pelas classes médias e por parcelas da burguesia, que tem como objetivo transitar de regime político e implantar uma ditadura de tipo fascista, destruindo as liberdades democráticas e as organizações populares.

O fascismo historicamente foi um regime político de exceção, num contexto marcado por uma crise profunda do imperialismo entre as duas grandes guerras mundiais. Durante a crise, as ideias liberais foram suplantadas pela extrema-direita, possibilitando a emergências de regimes fascistas na Itália, Alemanha, Espanha, Portugal e no Japão.

Segundo o filósofo italiano Domenico Losurdo, há uma relação umbilical entre o fascismo e as ideias racistas de supremacia racial. Hitler e Mussolini tinham como objetivo colonizar todo o mundo, exterminando judeus, negros, ciganos, LGBTs, e também socialistas, comunistas, e todos aqueles que se opusessem ao seu plano de dominação política.

O antifascismo, portanto, é a reação popular contra o fascismo ou contra a ameaça fascista. Ela tem como base a unidade entre os diversos setores de esquerda: social-democratas, socialistas, comunistas e anarquistas, ao mesmo tempo que busca ampliar o movimento a todos os setores democráticos ou contrários ao fascismo.

Neste sentido, o antifascismo não se restringe a um método de luta baseado na ação direta ou no enfrentamento à violência policial. Tampouco o antifascismo é um lócus de autoidentificação pessoal ou coletiva, como querem alguns agrupamentos autonomistas. Essas concepções restritas de antifascismo ganharam força sobretudo durante as décadas de 90 e 2000, devido a profunda crise ideológica pós-queda da União Soviética e das experiências de transição no Leste Europeu.

Vale destacar que sem o movimento comunista internacional e o exército vermelho soviético, seria impossível derrotar o fascismo durante a Segunda Guerra Mundial.

Como reação popular, o antifascismo deve combinar as diversas formas de luta: a ação direta, a luta de massas, a luta institucional, ideológica e, dependendo do contexto histórico, formas superiores de luta.

Segundo o historiador Eric Hobsbawm, o enfrentamento ao fascismo parte da compreensão de que é preciso derrotar um “inimigo em comum”, e esse objetivo unificou historicamente não somente os setores de esquerda, mas também setores defensores da democracia liberal e em alguns lugares até conservadores.

A frente antifascista recebeu diversos nomes em cada país. Mas o seu conteúdo fundamental é a defesa da democracia e das liberdades democráticas. E ao mesmo tempo que buscava amplitude, garantia a independência aos trabalhadores e trabalhadoras para defenderem seu programa estratégico. Após a derrota dos regimes fascistas, essas diversas forças políticas voltaram a se confrontar na disputa pelo poder político. Foi assim na China, Iugoslávia, Vietnã, Alemanha e Itália.

Em meio a uma profunda crise econômica internacional e em especial com a eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, ganharam força movimentos de extrema-direita e supremacistas por todo mundo. Governos de extrema-direita foram eleitos na Hungria e no Brasil. Antes disso, já havia através de um golpe, assumido um governo neofascista na Ucrânia. O neofascismo se configura como fascismo do século XXI.

No Brasil, desde a eleição de Bolsonaro, um grande desafio está posto para as forças populares: como impedir a escalada autoritária do governo federal e a transição para um regime fascista. Este desafio coloca no centro do debate entre as forças populares, a importância da questão democrática e a necessária ampla unidade antifascista.

A crise sanitária gerada pela pandemia do coronavírus e seus quase 30 mil mortos no Brasil, aprofundam ainda mais a crise econômica e política, trazendo contornos ainda mais dramáticos. O Fora Bolsonaro passou a ser uma questão humanitária. As manifestações protagonizadas no dia 31 de maio pelas torcidas organizadas apontaram o caminho, o neofascismo só será derrotado pela mobilização popular. Ao mesmo tempo, as experiências históricas nos ensinam que neste momento o sectarismo e o dogmatismo só atrapalham. Unidade da esquerda, amplitude e combinação das formas de luta são imprescindíveis ao antifascismo.

*Paulo Henrique Lima, historiador, é integrante da Direção Nacional da Consulta Popular.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Whitaker João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Antunes Marilena Chauí José Micaelson Lacerda Morais Gabriel Cohn Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Marques André Singer Rubens Pinto Lyra Érico Andrade Thomas Piketty Renato Dagnino Osvaldo Coggiola Fernão Pessoa Ramos Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon Fernando Nogueira da Costa Marcos Aurélio da Silva José Raimundo Trindade Ricardo Fabbrini Jean Pierre Chauvin Paulo Fernandes Silveira Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Everaldo de Oliveira Andrade Chico Alencar Ladislau Dowbor Alexandre de Lima Castro Tranjan Maria Rita Kehl Ricardo Musse Leda Maria Paulani Jean Marc Von Der Weid Jorge Branco Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel Tarso Genro Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Kátia Gerab Baggio Andrew Korybko Claudio Katz Tadeu Valadares Paulo Martins Leonardo Boff Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Alexandre Aragão de Albuquerque Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Roberto Noritomi Valerio Arcary Daniel Brazil Bento Prado Jr. Alexandre de Freitas Barbosa João Lanari Bo Marcelo Guimarães Lima Yuri Martins-Fontes Juarez Guimarães Eugênio Bucci Caio Bugiato Alysson Leandro Mascaro Manuel Domingos Neto Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Milton Pinheiro Celso Frederico Boaventura de Sousa Santos Lincoln Secco José Costa Júnior José Geraldo Couto Gilberto Maringoni Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero Heraldo Campos Jorge Luiz Souto Maior Afrânio Catani Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Abramovay José Machado Moita Neto Eugênio Trivinho Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Liszt Vieira Luiz Werneck Vianna Rodrigo de Faria Michael Löwy Roberto Bueno Paulo Capel Narvai Airton Paschoa Anderson Alves Esteves André Márcio Neves Soares Leonardo Sacramento Luciano Nascimento Berenice Bento Flávio Aguiar Manchetômetro Remy José Fontana Marilia Pacheco Fiorillo Eduardo Borges Luiz Eduardo Soares Armando Boito Daniel Afonso da Silva Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Leonardo Avritzer Antonio Martins Luiz Renato Martins Gilberto Lopes Marcos Silva João Carlos Salles Valério Arcary Walnice Nogueira Galvão Samuel Kilsztajn Carlos Tautz Otaviano Helene Ronald Rocha Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Marcelo Módolo Vanderlei Tenório Flávio R. Kothe Atilio A. Boron Luiz Costa Lima Henry Burnett Luiz Roberto Alves Bruno Machado Francisco Fernandes Ladeira Denilson Cordeiro Salem Nasser Elias Jabbour Paulo Nogueira Batista Jr Annateresa Fabris Vladimir Safatle Antonino Infranca Anselm Jappe João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Priscila Figueiredo Gerson Almeida Daniel Costa José Dirceu Celso Favaretto João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Michael Roberts Vinício Carrilho Martinez Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Luís Fiori Carla Teixeira Henri Acselrad Luiz Bernardo Pericás Ronald León Núñez Igor Felippe Santos João Feres Júnior

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada