As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Assunto encerrado

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANSELMO PESSOA NETO*

Comentário sobre o livro de Italo Calvino

Em sua breve apresentação de Assunto encerrado, Italo Calvino aponta que foi a ambição juvenil que o levou a elaborar o projeto de construção de uma nova literatura que também fosse útil para a construção de uma nova sociedade. E acrescenta que os textos reunidos ali deixarão transparecer as transformações que esse projeto sofreu ao longo do tempo.

Trata-se de uma boa proposição inicial, a instigar a leitura atenta desses 42 textos de temática variada, de extensões diversas, e que compreende um período de 24 anos, de 1955 a 1978, pois, ao mesmo tempo em que nos é sugerida a leitura desses “discursos sobre literatura e sociedade” sob a ótica da transformação de um projeto, fica implícita outra sugestão: acompanhar essa transformação em outras esferas. Por exemplo, na história individual de Italo Calvino dentro da história mais geral, da Itália e do mundo.

A imagem da queda do muro de Berlim, em1989 – símbolo maior de todas as transformações políticas ocorridas desde a Revolução de Outubro de 1917 –, se intromete, desavisadamente, em nosso campo de argumentação. Mas aqui, falando de Calvino, a queda do muro é um dado anacrônico. Como ele morreu em 1985, seu muro foi outro. Por conta de inúmeras divergências, deixou o Partido Comunista Italiano (PCI), em 1957. O ápice dessas divergências foi o apoio, por parte da direção do PCI, à invasão da Hungria pela União Soviética (1956), o que, na crônica política italiana, ficou conhecido como os “fatti d’Ungheria”. Antes mesmo da existência do muro (1961), esses fatos já haviam emitido o seu fragor.

Apenas o primeiro texto de Assunto encerrado, “O miolo do leão”, de 1955, é anterior à saída de Calvino do PCI. O segundo, “Natureza e história no romance”, já é de 1958. Se ele escreve, em 1980 – data da publicação de Assunto encerrado na Itália –, sobre o projeto de construção de uma nova literatura e de uma nova sociedade, é porque este sentimento ainda anima o ex-militante comunista. Ainda que o mundo seja tudo, menos aquilo que as boas intenções de sua juventude haviam projetado.

Italo Calvino já era um escritor plenamente reconhecido em 1980. A sua afirmação começou em 1952, com a publicação de O visconde partido ao meio. Daí, devido a essa longa trajetória, o que Assunto encerrado nos reserva é o prazer de acompanhar fases e facetas de um escritor que organiza formas de intervenções que, ao mesmo tempo, favorecem a elevação do debate público e exemplificam seu trabalho como homem de cultura.

Em O extremismo (1973), por exemplo, Calvino, com a agudeza de Giacomo Leopardi e com a calma de Jorge Luis Borges, afirma evitar o termo “extremismo” por considerá-lo pouco preciso, além de que, em razão de sua formação inicial no PCI, que considera o extremismo um desvio, o termo tinha também para ele o sentido negativo que quase todos lhe davam. Em seguida, opina que a não-violência é mais extremista do que a violência. Logo, Gandhi e Tolstói são extremistas, assim como aqueles que escolhem realizar qualquer serviço civil para não servir o exército. Já “os vegetarianos são os extremistas mais extremos”.

Em Os Beatniks e o sistema (1962), Calvino arremete contra ilusões e ingenuidades, reafirmando os valores da razão e da civilização: “… estamos vivendo no tempo das invasões bárbaras. Não adianta olhar em torno, buscando identificar os bárbaros em algumas categorias de pessoas. Os bárbaros, desta vez, não são pessoas: são coisas. São os objetos que acreditamos possuir e que nos possuem; é o desenvolvimento produtivo, que devia estar a nosso serviço mas do qual estamos nos tornando escravos; são os meios de difusão de nosso pensamento, que procuram nos impedir de continuar a pensar”.

Valeria a pena levantar alguns pontos da leitura exemplar que Calvino faz de Os noivos (1840-1842), de Alessandro Manzoni. No entanto, aqui talvez fosse mais pertinente reclamar para o público leitor brasileiro uma tradução e uma edição dignas desse livro que Otto Maria Carpeaux, depois de Benedeto Croce, definiu como obra-prima da literatura universal.

Para não dizer que tudo são flores, mas que se aprende com todas as flores, em A literatura como projeção do desejo (1969) é interessante acompanhar Calvino tentando aferrar algum elemento de Anatomia da crítica para estabelecer o seu comentário. Ele tenta por um ângulo, por outro e por outro ainda. Vale dizer que essa é a experiência normal do ensaísta, e que, no caso de Calvino, que é um grande ensaísta, essa operação geralmente é coroada de pleno sucesso. Mas aqui, talvez devido a uma repulsão recíproca, o livro do clergyman Northrop Frye  acaba por lhe escapar.

Resta, por último, assinalar que o leitor de Assunto encerrado deve ler esse e todos os outros livros de Calvino desconfiando sempre do “aligeiramento” que a indústria cultural fez e faz do autor lígure. Ao mesmo tempo, sabendo que Italo Calvino era plenamente consciente das possibilidades desse uso, tendo sido ele próprio dirigente da então mais prestigiosa editora italiana, a Einaudi. E que ele topou o jogo, misturou o joio ao trigo como estratégia para conquistar leitores. Jogo arriscado, sem dúvida, mas, entre aqueles que não foram ouvidos, de uma coerência extremista, e ele, autor lido, o ganho é nosso.

*Anselmo Pessoa Neto é professor de litaratura italiana na UFG. Autor, entre outros livros, de Italo Calvino: as passagens obrigatórias (UFG).

Publicado originalmente no Jornal de Resenhas no. 5, agosto de 2009.

Referência


Italo Calvino. Assunto encerrado. Tradução: Roberta Barni. São Paulo, Companhia das Letras, 384 págs.

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eduardo Borges Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Mário Maestri Chico Whitaker Daniel Afonso da Silva Kátia Gerab Baggio Luiz Werneck Vianna Luís Fernando Vitagliano Daniel Costa André Singer Leonardo Sacramento Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Antônio Sales Rios Neto Vanderlei Tenório José Raimundo Trindade Igor Felippe Santos João Paulo Ayub Fonseca Roberto Noritomi Juarez Guimarães Liszt Vieira Francisco de Oliveira Barros Júnior Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Michael Löwy Vladimir Safatle Ricardo Antunes Leonardo Boff Antonino Infranca Celso Frederico Marilena Chauí Paulo Martins Luiz Bernardo Pericás Mariarosaria Fabris João Carlos Salles Rafael R. Ioris Tarso Genro Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Renato Martins Luis Felipe Miguel Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Alencar Marcos Silva Airton Paschoa Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Flávio Aguiar José Machado Moita Neto Érico Andrade Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato José Geraldo Couto Rubens Pinto Lyra Eleutério F. S. Prado Michael Roberts José Micaelson Lacerda Morais Anselm Jappe José Dirceu Tadeu Valadares Thomas Piketty Otaviano Helene Eugênio Bucci Lincoln Secco Bruno Machado Denilson Cordeiro Dennis Oliveira Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Annateresa Fabris Priscila Figueiredo Slavoj Žižek Ricardo Fabbrini Boaventura de Sousa Santos Caio Bugiato João Sette Whitaker Ferreira Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Dênis de Moraes João Carlos Loebens Ronald Rocha Eliziário Andrade Luciano Nascimento Remy José Fontana Samuel Kilsztajn Celso Favaretto Luiz Carlos Bresser-Pereira Henry Burnett Jorge Branco Claudio Katz Carlos Tautz Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Osvaldo Coggiola Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Marcus Ianoni Ronaldo Tadeu de Souza Lorenzo Vitral Roberto Bueno Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn João Lanari Bo Alexandre de Freitas Barbosa Ladislau Dowbor Heraldo Campos Atilio A. Boron Jean Marc Von Der Weid André Márcio Neves Soares Jean Pierre Chauvin Elias Jabbour Manchetômetro Antonio Martins Daniel Brazil Maria Rita Kehl Leda Maria Paulani Gilberto Lopes Armando Boito Benicio Viero Schmidt Marilia Pacheco Fiorillo Bernardo Ricupero Gerson Almeida Renato Dagnino José Costa Júnior Paulo Capel Narvai Walnice Nogueira Galvão Anderson Alves Esteves Ricardo Musse Berenice Bento Carla Teixeira Yuri Martins-Fontes Andrew Korybko Julian Rodrigues João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Valério Arcary João Feres Júnior Eleonora Albano Alysson Leandro Mascaro Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Marjorie C. Marona Afrânio Catani Tales Ab'Sáber Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Sandra Bitencourt Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Costa Lima

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada