Certidão de nascimento

Louise Weiss (Jornal de Resenhas)
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RONALDO TADEU DE SOUZA*

Comentário sobre o livro “Ulisses”, de James Joyce, à luz de Burckhardt e Balzac.

Fascinação envolve o dia 16 de junho a cada ano. Poderia ser outra data particular qualquer – dentre as inúmeras que compõem nosso calendário. Ou mesmo; a expressão simbólica de tantas efemérides de nossa existência histórica. O décimo sexto dia do sexto mês de todo ano é um acontecimento no mundo literário e das humanidades.

Enquanto a era moderna percorreu ao menos seis séculos – ou o tempo do homem do humanismo renascentista narrado na prosa elegante (e elitista) de Jacob Burckhardt, que disse serem eles, “os homens multifacetados [deste período inaugural] dotados de verdadeira universalidade” [1] – e a sociedade moderna foi delineada, se seguirmos Hobsbawn, no mundo da comédia humana de Balzac [2] – o monetarismo cruel do senhor Grandet, a ambição desmedida das filhas de Goriot e na comunidade da eficiência que esmagou Luciano Rubempré – que representava o fim do século XVIII e o pós-revolução francesa no século XIX; o sujeito moderno irrompeu no dia 16 de junho de 1904. Crises, guerras, revoluções e o dia de Leopoldo Bloom.

Nossa subjetividade (moderna) tem um dia para ser comemorado: é todo dia 16 de junho. A data de uma experiência, tensamente, condensada em 19 horas. 16 horas para os mais modernos. O espanto que fascina é porque as 19 horas da vida de Leopoldo Bloom estão espalhadas pelas mil páginas da linguagem joyceana; o Ulisses poderia, ao leitor desavisado, conter a era de Burckhardt e o mundo de Balzac – mas ele é a subjetividade, é o sujeito moderno em sua persistência. É, para o desespero dos conservadores e da direita que quer impor a violência da ordem natural imutável (e com gradações hierárquicas), o que o poeta Augusto de Campo chamou de bolchevismo literário. Nossa época: começa neste evento linguístico arrebatador que é o Ulisses de James Joyce.

É que o teor da caminhada de Leopoldo Bloom vai sendo tecida com aguilhoadas de vento, de sorte que as “conversações desgarradas”[3] expressam a infinitude da história. Todas as histórias; quer dizer a concretude da fala que torna “Edith, Ethel, Gerty, Lily” personagens de si mesmas: são emergências narrativas do tempo multifacetado. São fantasmas da linguagem que ao invés de surgirem do além-natureza – espantam por desejarem contar-nos uma história. – “Conte-nos uma história, senhor.” – “Conte, senhor, uma de fantasmas.” Com isto, a forma da locução não está fixa no registro das convenções moderadas da gramática dos salões.

Ulisses é o romance em que as palavras são de todo mundo. Ora; a palavra, o conteúdo da história de cada sujeito, é a transmigração da voz na vida do tempo. De modo tal que, seja de dia; seja depois da noite; no quarto; na “rua Lime”; na estação postal telegráfica”; na “rua Townsend”; nos chalés do Brady a voz, o teor de si no mundo aparece como momento constitutivo da experiência do real. Fincou-se, então, o enredo ao qual todos poderiam dizer (devem dizer e de fato disseram…), “eu tenho tempo”. A vida é este tempo transbordado em que o tempo foi desestruturado; em que ele foi tornado um apetrecho humano – um algo subjetivo “comoquerquelhechames”. Rompeu James Joyce com o não-tempo, a não-fala e a não-voz dos “sociáveis”, dos “banco[s]”, dos “padres”, do “evangelho”.

Aqui estamos ainda nas primeiras horas, minutos, segundos das 19 horas; de quando “Buck Mulligan vinha do alto da escada”. Os sujeitos que despertaram são, já, em-si e para-si na outridade, “velhotes”. Mas uma velhice tensa e com flores nas mãos, e não uma velhice que porta nas mãos a valise que se leva na missa, no banco, no escritório de advocacia. São as flores e os espinhos das palavras e idiomas do mundo – do latim, do ioruba, do inglês, do alemão, do Xhosa/Bantu. É o tempo da velhice da vida, da subjetividade de Bloom, que quer sentar em qualquer “lugar vago” e narrar a história celestial dos indivíduos, dos grupos, das classes. Quer contar a história dos dramas de Shakespeare; da metafísica de Sócrates e porquê não do “homem de ciência” como efeito do “homem da rua”.

Irrompe na tessitura do Ulisses, então, o trovão da rebeldia da linguagem na história. Pois Bloom, Dedalus, Mulligan, Gerty, Wylie, Tupper, Martha, Terry, Alf – recebem todos os jornais “vindos da Europa”. (Os russos, inclusive.) Vê-se no Ulisses, assim, a angústia poética pela expressividade da palavra enquanto símbolo humano pertencente a todos os homens e mulheres; na a forma-jornal revela-se a infinitude acessível aos modernos que torna a vivencia algo do âmbito da temporalidade existencial. Na fabulação joyceana é possível vislumbrarmos a imanência de uma língua múltipla – justaposta, belamente confusa como uma assembleia de sovietes – de uma língua que é acesso à “ressureição [da] vida pela facticidade de todos no um; no diverso espesso. Pelo que, para a subjetividade pós-Burckhardt e contra a sociedade balzaquiana “a língua por certo era uma outra coisa”.

Leopold Bloom percebeu sua linguagem nas 19 horas do dia 16 de junho de 1904. Ele é que enuncia no Ulisses, melhor dizendo, ele que impulsiona a Stephen Dedalus a reconhecer que o céu pode não existir para a personalidade humana. “– Creio que está no céu se céu existe”. Se o céu (transcendente e imutável) é passível de não existir para o sujeito da modernidade, o que resta a fazer, então? Resta viver a derrisão transbordante do “Deus Todo-Poderoso”. Nisso é nos factível contemplar o significado da narrativa de James Joyce; nos seus entrechos passarão o desejo da linguagem verdadeiramente universal em dar “um basta” no passado. A poesia contará o presente que floresce na Espanha, na Inglaterra, na Irlanda, na Rússia, no Congo, nas Américas, a do norte e latina.

A forma literária desta percepção joyceana, da ânsia existencial de Leopold Bloom na Dublin de 1904, está condensada na incendiária frase de advertência: “Diga-me quem fez o mundo”. E no enredo alegórico do Ulisses reorienta-se o entendimento de quem fez (e faz) o mundo pela invocação do negativo da criação. O mundo é o sorvo do homem, da mulher. Do não que “um sujeito conta ao outro e assim por diante” conformando a voz disruptiva da comunidade que vem. De modo que o não que os sujeitos contam e narram um ao outro é aquele “misturar dentro” da poética de Joyce que recusa o império dos “Habsburgos”; a “elite” europeia; o “xerife-mor municipal”; o “presidente da Corte de Apelação”.

Ora Leopold Bloom, Stephen Dedalus, Buck Mulligan e a subjetividade moderna são a irrisão do passado; eles são a alegria da feição real de um falar que quer a “refeição mais barata [para todo] mundo” – eles querem e dizem com denodo estilístico, “Alegria: Comi: alegria”. Isto é a cesura do agora em estrutura verbalizada (comi…) não-idêntica, pois é a liberdade de todos no um/diverso que constitui a forma da narrativa do Ulisses. São 19 horas do tempo do “Eu. E eu agora”.

Com isto, quer James Joyce enfrentar não o tempo: mas o ser natural no tempo. A forma-romance-de-vanguarda incita o desfazer das convenções; faz desabar o teor do além-mundo – da transcendência, da superioridade natural divinizada – e recria a voz. (Recria a fala, a fala de nós mesmos na multiplicidade radical e da comunidade aberta; “Mas [a fala] age. Age fala […] Adiante.”) Dizendo a fala age é dizer que o romanesco da vivência literária, da vivência da língua no real, conforma o enredo pelo qual “todos os lados da vida deveriam ser representados” de sorte a que no Ulisses o sorrir da vida tinha de ser um evento “para todos os lados igualmente”.

Por isso o tempo, um tempo como desafio dos costumes, dos hábitos, das cínicas formalidades de um salão dos Guermantes ou de um processo jurídico (Proust e Kafka) e das normas impostas é perturbador para as disposições conservadoras e tradicionalistas. Joyceano, o sujeito moderno sabe que para vir abaixo a “cortina pesada” nossas elucubrações poéticas não podem se estender “por muitos dias, dia após dia”.

Que o “mundo de fora” invertido na potência do Eu tem de transfigurar o tempo como caminho diário, em temporalidade lírica e arrebatadora que desfaz as crenças estabelecidas – é o tempo do hoje, a temporalidade do presente, que faz as nações se curvarem perante a irrupção de “(uma imoralidade nacional [que se faz] em três orgasmos”). Com efeito, ter orgasmos – estamos no meio do dia ainda – é falar aos “sacerdotes” que fingem a paz, é falar como um rastilho incandescente que nós louvamos nós mesmos como deuses: “Louvemos nós os deuses”. É a nossa condição; condição de um “tempo bastante para caminhar” por minutos que abalam a história; tempo de  missão em Petrógrafo, Baviera, Carolina do Norte, Haiti e Bahia. Assim, embora Ulisses narre a caminhada de um dia de Leopold Bloom, sua poeticidade desnuda um modo de vida possível – vindouro enquanto experiência social futura. É a experiência de uma vivência (livre) que pode ir à opera sem vestidos de baile; e também “nenhum dinheiro tampouco” é necessário para isto.

Pois é uma existência forte, com nomes ditos e falados; uma circunstância da linguagem em relação a qual as subjetividades têm de dizer – “uma rapariga saudável…” e que o “filh[o] [do general] do regimento” é um não-irlandês e deve ser afastado de “perto da bica de cerveja”. Isso pode ser sentido na urdidura insurrecional do romance. O Ulisses é a representação estética do erguimento da voz: “Ai-ai!” dirão alguns. É que “a voz se erguia, suspirava, modulava: forte, cheia, brilhante, audaz”. De modo que é um tempo não do homem, mas do “Eu. Ele. [Ela]. Velho. [Idosas]. Jovem”; é a temporalidade em que se passou em 19 horas da Finlândia para abril, é o momento Joyceano do “fluxo, efusão, fluido, jorralegre, pulsipulso. Eia!”. É o tempo da “língua do amor”, “–… raio da esperança”. Desespero dos conservadores. É “Tempo de Bloom” – ele e “nós estamos aqui de pé”[4].

*Ronaldo Tadeu de Souza é pesquisador de pós-doutorado no Departamento de Ciência Política da USP.

Notas

[1] Jacob Burckhardt A Cultura do Renascimento na Itália, p. 152. São Paulo, Companhia das Letras, 1991 (https://amzn.to/47tDJBA).

[2] Eric Hobsbawn. A Era das Revoluções. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2009 (https://amzn.to/45pmsrG).

[1] Todas as frases, expressões e palavras (exceção a de Burckhardt que está já referenciada e do trecho do poema de Jacques Rouman) entre aspas são do Ulisses de James Joyce. Utilizei no artigo a edição consagrada da Editora Civilização Brasileira com tradução de Antônio Houaiss. Há opções mais recentes de traduções como a de Caetano Galindo (Companhia das Letras).

[2] Esta passagem é do poema Sales Nègre de Jacques Rouman que inspirou o título de Les Damnés de la Terre de Frantz Fanon. Ver o excelentíssimo livro de Deivison Mendes Faustino Nikosi – Frantz Fanon: um revolucionário particularmente negro, Ciclo Continuo Editorial, 2018 (https://amzn.to/3YDqg6c).

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Lincoln Secco Francisco de Oliveira Barros Júnior Tales Ab'Sáber Elias Jabbour Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Claudio Katz Ari Marcelo Solon Leda Maria Paulani Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano Luiz Roberto Alves Luiz Marques Manchetômetro Gabriel Cohn Andrew Korybko Michael Löwy Heraldo Campos Atilio A. Boron Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Ronald Rocha Leonardo Sacramento Luis Felipe Miguel Tadeu Valadares Paulo Sérgio Pinheiro Annateresa Fabris João Adolfo Hansen José Micaelson Lacerda Morais Fernão Pessoa Ramos Airton Paschoa Celso Favaretto João Feres Júnior Ricardo Antunes Osvaldo Coggiola Paulo Fernandes Silveira João Carlos Loebens Chico Whitaker Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano Jorge Luiz Souto Maior Kátia Gerab Baggio João Sette Whitaker Ferreira Érico Andrade Gilberto Lopes Liszt Vieira José Costa Júnior Sergio Amadeu da Silveira Bento Prado Jr. Matheus Silveira de Souza Alexandre de Freitas Barbosa Otaviano Helene Daniel Afonso da Silva Benicio Viero Schmidt Ricardo Abramovay Valerio Arcary José Machado Moita Neto Marcelo Guimarães Lima Boaventura de Sousa Santos Paulo Martins Bruno Machado Bruno Fabricio Alcebino da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Daniel Brazil Thomas Piketty Leonardo Avritzer Samuel Kilsztajn João Lanari Bo Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Anselm Jappe Vanderlei Tenório Antonino Infranca Manuel Domingos Neto Fábio Konder Comparato Mariarosaria Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Nogueira Batista Jr José Geraldo Couto Maria Rita Kehl Vladimir Safatle Luiz Werneck Vianna Yuri Martins-Fontes Jorge Branco Mário Maestri André Márcio Neves Soares Rubens Pinto Lyra Eugênio Bucci Chico Alencar Henri Acselrad Walnice Nogueira Galvão Afrânio Catani Gerson Almeida Andrés del Río Marcos Aurélio da Silva Salem Nasser Marcelo Módolo Carlos Tautz Valerio Arcary Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sandra Bitencourt Dênis de Moraes Eduardo Borges Caio Bugiato Marcos Silva Michael Roberts Luciano Nascimento Renato Dagnino Rafael R. Ioris Jean Marc Von Der Weid Marilena Chauí Armando Boito André Singer Fernando Nogueira da Costa Henry Burnett Remy José Fontana Celso Frederico Marcus Ianoni José Dirceu Tarso Genro Berenice Bento Slavoj Žižek Eleutério F. S. Prado Ronald León Núñez Igor Felippe Santos Gilberto Maringoni Eugênio Trivinho Luiz Eduardo Soares Ronaldo Tadeu de Souza José Luís Fiori Daniel Costa Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Alysson Leandro Mascaro Antonio Martins Jean Pierre Chauvin Lorenzo Vitral Michel Goulart da Silva Juarez Guimarães Francisco Pereira de Farias Leonardo Boff Ladislau Dowbor Denilson Cordeiro João Carlos Salles Vinício Carrilho Martinez Bernardo Ricupero Milton Pinheiro Julian Rodrigues Carla Teixeira Ricardo Fabbrini José Raimundo Trindade Francisco Fernandes Ladeira Luiz Bernardo Pericás Flávio Aguiar João Paulo Ayub Fonseca Luiz Renato Martins Dennis Oliveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada