As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Crise cambial à vista

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Crise cambial à vista

Por PAULO NOGUEIRA BATISTA JR.*

A combinação da pior crise da nossa história com o pior governo da nossa história exacerba todos os problemas econômicos e aumenta a vulnerabilidade do país

O brasileiro, acostumado que está com notícias ruins e mesmo péssimas, já não se surpreende com mais nada. Uma nova quebra do país, provocada por estrangulamento cambial, seria mais um de tantos desastres dos anos recentes. O risco existe. O Brasil vendeu um volume considerável de reservas internacionais desde meados de 2019, cerca de US$ 50 bilhões. Apesar disso, não conseguiu evitar acentuada depreciação do Real.

De onde vem a pressão cambial? Não é da conta corrente do balanço de pagamentos. Esta tende, ao contrário, a melhorar. Com a economia em recessão profunda – projeta-se queda de 6% ou mais do PIB em 2020 – a demanda de importações entra em colapso. Como as importações caindo bem mais do que as exportações, o superávit comercial aumenta consideravelmente. Outros componentes do balanço de pagamentos em transações correntes também melhoraram, entre eles viagens internacionais e remessas de lucros e dividendos. A combinação de recessão com depreciação cambial está produzindo, como costuma acontecer, rápido ajustamento das contas externas correntes.

O problema está na volumosa saída líquida de capitais do país. Desde as décadas finais do século passado, a situação de balanço de pagamentos de países como o Brasil é determinada preponderantemente por movimentos internacionais de capitais. A conta corrente continua relevante, por suposto, mas o que pesa mesmo é a evolução da conta de capitais.

A saída de capitais, que começou em 2019, agravou-se com a chegada da pandemia. O problema se coloca para muitos países emergentes, não apenas para o Brasil. Toda crise internacional gera aversão ao risco e fuga para portos mais seguros. E a crise atual é a mais grave desde a Grande Depressão da década de 1930. Mas no nosso caso há dois agravantes.

Primeiro, uma crise de confiança no país. A percepção crescente, no Brasil e no exterior, é de grave incapacidade e despreparo do governo. A reação tumultuada e incompetente ao desafio da crise de saúde pública eliminou qualquer esperança de uma gestão governamental minimamente eficaz. O Brasil converteu-se, em menos de ano e meio de governo Bolsonaro, num exemplo mundial de desordem econômica e política. Aumentou, portanto, o risco nas operações com o país e muitos investidores decidiram procurar outros rumos.

Esse movimento de saída foi estimulado também pela decisão – correta – do Banco Central de reduzir a taxa Selic. Desde meados do ano passado, percebeu-se que as projeções de inflação e a debilidade da recuperação econômica recomendavam a diminuição da taxa básica. Com essa diminuição, entretanto, estreitou-se o diferencial entre os juros internos e externos, tornando as aplicações em reais menos atrativas para os investidores em comparação com outros destinos. Esse segundo fator juntou-se à crise de confiança no governo para induzir a saída de capitais. Não por acaso o real tem sido uma das moedas mais pressionadas nos meses recentes.

O que fazer? O Banco Central tem instrumentos para lidar com a pressão cambial. O principal deles é o elevado estoque de reservas internacionais. Apesar da perda recente, o país ainda dispõe de US$ 340 bilhões. A posição brasileira, nesse particular, é melhor do que a de outros países emergentes – a Argentina e a Turquia, por exemplo – que não acumularam reservas suficientes e ficaram mais vulneráveis a problemas de balanço de pagamentos. A Argentina, ainda no governo Macri, teve que recorrer ao FMI. Graças às reservas acumuladas desde 2006, nos governos Lula e Dilma, o Brasil tem condições de se defender por conta própria e não precisa buscar auxílio financeiro externo em Washington.

Outra vantagem é o regime de flutuação cambial, estabelecido no Brasil depois da crise cambial de 1998-1999. Essa flexibilidade permite que a pressão cambial seja absorvida, no todo ou em parte, por meio de depreciação do real em relação a moedas estrangeiras. Se o Brasil operasse em um regime de câmbio fixo e tivesse tentado evitar a depreciação, o Banco Central teria sido obrigado pela saída de capitais a vender um volume muito maior de reservas internacionais, criando situação de alto risco para o país.

A depreciação da moeda, sempre noticiada em tom de lamento, tem os seus lados positivos para a economia. Ao estimular a competitividade das exportações e encarecer a importações de bens e serviços, ela favorece o ajuste do balanço de pagamentos em transações correntes. Ajudando setores que exportam e aqueles que concorrem com importações no mercado interno, ela contribui ao mesmo tempo para sustentar o nível de atividade econômica e de emprego.

Não se deve perder de vista, além disso, que a depreciação do real também favorece as contas públicas. Isso porque o governo é, por larga margem, credor líquido em moeda estrangeira, isto é, os seus ativos externos excedem consideravelmente os seus passivos em moeda estrangeira ou indexados à moeda estrangeira. A combinação juros internos mais baixos/depreciação cambial proporciona, assim, alívio muito bem-vindo a contas fiscais fortemente pressionadas pela crise de 2020.

Esses aspectos positivos da depreciação cambial não seriam, entretanto, eclipsados pelo seu impacto inflacionário? Nas circunstâncias atuais, com a economia em queda livre, o problema não se coloca, pelo menos no curto prazo. Com capacidade ociosa e desemprego elevados, o repasse do câmbio para o nível geral de preços é limitado. A inflação está controlada e tem ficado, inclusive, abaixo do piso da meta perseguida pelo Banco Central. O risco maior hoje parece ser de deflação. A depreciação cambial ajuda a afastar esse risco, ao elevar os preços em reais dos tradeables, os bens e serviços comercializados internacionalmente.

Isso não significa, claro, que o Banco Central possa simplesmente ignorar a depreciação do real e operar em modo flutuação pura, de livro texto. Em meio a uma crise econômica e política grave como a atual, paira sobre nós a ameaça de que, a partir de certo ponto, a queda da moeda nacional passe a se autoalimentar, tornando-se uma depreciação em espiral que desestabilizaria a economia.

Para afastar essa ameaça, temos reservas internacionais ainda elevadas, que podem ser usadas para contra-arrestar a depreciação. Em determinadas circunstâncias, o Banco Central pode lançar mão da venda de swaps cambiais, que permitem atender a demanda por hedge e estabilizar o mercado sem comprometer o nível de reservas. Indexados ao dólar, mas liquidados em reais, os swaps cambiais são um instrumento complementar de que dispõe o Banco Central para atuar no mercado cambial sem recorrer às reservas internacionais.

Resumo da ópera: a situação é difícil, mas o país dispõe de mecanismos para lidar com a pressão na conta de capitais e evitar o estrangulamento cambial. O problema central, nessa área como em outras, é a inexistência de um governo minimamente organizado e confiável. A combinação da pior crise da nossa história com o pior governo da nossa história exacerba todos os problemas e aumenta a vulnerabilidade do país.

*Paulo Nogueira Batista Jr., economista, foi vice-presidente do Novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS em Xangai, e diretor-executivo no FMI pelo Brasil.

Publicado originalmente no site da revista Carta Capital.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Walnice Nogueira Galvão Eduardo Borges Lorenzo Vitral Everaldo de Oliveira Andrade Celso Favaretto Valério Arcary Afrânio Catani João Carlos Salles Annateresa Fabris Leda Maria Paulani Gilberto Maringoni Daniel Afonso da Silva Luciano Nascimento José Raimundo Trindade Manuel Domingos Neto João Adolfo Hansen Paulo Capel Narvai Marcos Silva João Sette Whitaker Ferreira Rafael R. Ioris Eleonora Albano Ari Marcelo Solon Elias Jabbour Marcelo Módolo Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Jorge Branco Plínio de Arruda Sampaio Jr. Manchetômetro Eliziário Andrade Roberto Noritomi Priscila Figueiredo Bruno Machado Ronald León Núñez Fernando Nogueira da Costa Liszt Vieira Rubens Pinto Lyra Tadeu Valadares Bento Prado Jr. Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Alencar Airton Paschoa Salem Nasser Michael Löwy Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar André Singer Marilena Chauí Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Benicio Viero Schmidt Heraldo Campos Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Francisco Pereira de Farias Lucas Fiaschetti Estevez Paulo Nogueira Batista Jr Igor Felippe Santos Mário Maestri José Machado Moita Neto Ricardo Fabbrini Anderson Alves Esteves Paulo Sérgio Pinheiro Marcos Aurélio da Silva Antonio Martins José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Vinício Carrilho Martinez Paulo Fernandes Silveira Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle Érico Andrade Leonardo Boff Ladislau Dowbor Luiz Werneck Vianna João Feres Júnior Luiz Carlos Bresser-Pereira José Micaelson Lacerda Morais Jean Marc Von Der Weid Denilson Cordeiro Luiz Marques Eugênio Trivinho Otaviano Helene Michael Roberts Paulo Martins Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Musse Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Chico Whitaker Luiz Renato Martins Henry Burnett Luiz Costa Lima Julian Rodrigues Antonino Infranca Mariarosaria Fabris Henri Acselrad André Márcio Neves Soares Atilio A. Boron Sandra Bitencourt Bernardo Ricupero Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Gilberto Lopes Roberto Bueno Anselm Jappe Tarso Genro Maria Rita Kehl Daniel Brazil Jorge Luiz Souto Maior Luiz Eduardo Soares Ricardo Abramovay Gerson Almeida José Costa Júnior Dênis de Moraes Milton Pinheiro Ronald Rocha Eleutério F. S. Prado Vanderlei Tenório Jean Pierre Chauvin Luiz Bernardo Pericás Flávio R. Kothe Slavoj Žižek Marilia Pacheco Fiorillo Carlos Tautz Rodrigo de Faria Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Costa Leonardo Sacramento José Geraldo Couto Carla Teixeira Fábio Konder Comparato Alexandre Aragão de Albuquerque Leonardo Avritzer Marcus Ianoni Armando Boito Caio Bugiato Lincoln Secco Celso Frederico Samuel Kilsztajn Andrew Korybko Claudio Katz Antônio Sales Rios Neto Thomas Piketty Osvaldo Coggiola Eugênio Bucci Ricardo Antunes Luis Felipe Miguel Berenice Bento Sergio Amadeu da Silveira Marjorie C. Marona João Carlos Loebens Renato Dagnino Juarez Guimarães José Dirceu

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada