O que é um genocídio?

Imagem: Chrisna Senatus
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por VLADIMIR SAFATLE*

Genocídio não é algo ligado a algum número absoluto de mortes, mas sim a uma forma específica de política de apagamento dos corpos

No dia 13 de novembro, nomes fundamentais da teoria crítica contemporânea, como Jürgen Habermas, Rainer Forst, Nicole Deitelhof e Klaus Günther, entenderam por bem publicar um texto, a respeito do conflito palestino e suas consequências, intitulado “Princípios de solidariedade. Uma afirmação”.

Começando por atribuir toda a responsabilidade da situação atual aos ataques do Hamas, defendendo o “direito de retaliação” do governo israelense e fazendo considerações protocolares sobre o caráter controverso e polêmico da “proporcionalidade” de sua ação militar, o texto termina por afirmar o absurdo de pressupor “intenções genocidárias” ao governo de extrema direita de Israel, conclamando todos ao mais profundo cuidado contra “sentimentos e convicções antissemitas por trás de toda forma de pretextos”.

O que inicialmente impressiona em um texto escrito por quem seria legatário da força crítica da Escola de Frankfurt e seu comprometimento antiautoritário é aquilo que não tem direito de aparecer quando certos europeus estão a clamar por “princípios de solidariedade”. Pois seria o caso de lembrar que, quando o texto de Jürgen Habermas e companhia foi publicado, o mundo contava mais de 10 mil palestinos massacrados e o governo israelense continuava a afirmar que nem sequer permitiria um cessar-fogo para a abertura de corredores humanitários.

Poderíamos esperar que isso tivesse a dignidade de nos indignar, que um texto sobre solidariedade, neste momento, começaria dizendo que colocar uma população de 2,5 milhões de pessoas em um estado cotidiano de terror no interior de uma lógica inaceitável de punição coletiva não é maneira alguma de combater o Hamas, mas sim de fortalecê-lo.

No entanto, chama a atenção como defensores de princípios universalistas de justiça parecem, na verdade, prontos a usá-los estrategicamente quando é o caso de expiar seus fantasmas locais de responsabilidade perante catástrofes passadas. A não ser que a racionalidade comunicativa tenha, afinal, fronteiras geográficas e esqueceram de nos avisar. Mas uma teoria que nunca pensou estruturas coloniais e seus modos de permanência e desdobramento não está preparada para os desafios do presente.

Pois militantes de direitos humanos, funcionários da ONU, diplomatas dos mais variados países, que insistem nas intenções genocidárias do governo israelense, têm todo o direito de serem ouvidos e levados a sério. Elas e eles estão a defender que “genocídio” ocorre todas as vezes em que o vínculo orgânico de populações ao “genos“, ao que nos é comum, é negado.

Quando o comandante das Forças Armadas israelense diz que do outro lado há “animais humanos”, ele expressa, de forma pedagógica, intenções genocidárias. Quando ministros do governo de Israel afirmam ser plausível o uso de bombas nucleares contra Gaza e não tem outra punição que o simples afastamento de reuniões ministeriais futuras, quando descobrimos planos de deslocamento em massa dos palestinos para o Egito, estamos sim diante de expressões de intenção genocidária. Tais intenções devem ser nomeadas.

Genocídio não é algo ligado a algum número absoluto de mortes, mas sim a uma forma específica de política de apagamento dos corpos, de desumanização da dor de populações, de silenciamento do luto público que retiram populações de sua humanidade e expressam processos historicamente reiterados de sujeição. Quando falamos dos palestinos, estamos a falar de um povo apátrida, sem terra – e, por isso, como bem lembrou Itamar Vieira Júnior na Folha de S. Paulo, sem liberdade alguma.

Povo que não pode contar com a solidariedade internacional porque espera há 50 anos que a lei internacional que define a posse de seu próprio território seja respeitada e que, quando se vê vítima de uma punição coletiva em pleno século XXI, encontra textos que nem sequer têm a capacidade de lembrar que nada disso começou com os ataques do Hamas.

O Hamas é efeito terrível de uma causa que merece ser pensada em seu horizonte histórico correto. Tomar o efeito pela causa é a melhor maneira de não resolver problema algum. Alguém deveria lembrar aos signatários do texto em questão que a teoria crítica exige escutar a história dos desterrados e dos vencidos.

*Vladimir Safatle é professor titular de filosofia na USP. Autor, entre outros livros, de Maneiras de transformar mundos: Lacan, política e emancipação (Autêntica). https://amzn.to/3r7Nhlo

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tadeu Valadares Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Eduardo Borges Henri Acselrad Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Caio Bugiato Vinício Carrilho Martinez Marilia Pacheco Fiorillo Chico Whitaker Kátia Gerab Baggio Elias Jabbour Antonio Martins José Dirceu Milton Pinheiro Priscila Figueiredo Afrânio Catani Renato Dagnino Chico Alencar Mário Maestri Eleonora Albano Dennis Oliveira Manchetômetro Mariarosaria Fabris Leda Maria Paulani Claudio Katz Liszt Vieira Marcus Ianoni Luiz Roberto Alves Tales Ab'Sáber Annateresa Fabris Jean Marc Von Der Weid Thomas Piketty Ricardo Musse Andrew Korybko Rubens Pinto Lyra João Paulo Ayub Fonseca Carla Teixeira Marcelo Módolo Fernando Nogueira da Costa Gilberto Lopes Otaviano Helene Luis Felipe Miguel Fernão Pessoa Ramos Rodrigo de Faria Samuel Kilsztajn João Feres Júnior Juarez Guimarães Eliziário Andrade Ari Marcelo Solon Airton Paschoa Remy José Fontana Daniel Brazil Maria Rita Kehl Eleutério F. S. Prado Daniel Costa Julian Rodrigues Marcos Aurélio da Silva José Raimundo Trindade Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Martins Lincoln Secco Benicio Viero Schmidt Fábio Konder Comparato Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Francisco Fernandes Ladeira Boaventura de Sousa Santos Luiz Marques Luiz Renato Martins João Carlos Salles Matheus Silveira de Souza Lucas Fiaschetti Estevez Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Eugênio Trivinho Alexandre de Freitas Barbosa Osvaldo Coggiola Gilberto Maringoni Marcos Silva Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior José Costa Júnior Luiz Eduardo Soares Leonardo Boff Igor Felippe Santos Luiz Bernardo Pericás Leonardo Avritzer Tarso Genro Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Ladislau Dowbor Leonardo Sacramento Michael Löwy José Geraldo Couto Ricardo Fabbrini José Micaelson Lacerda Morais Henry Burnett Gabriel Cohn Marjorie C. Marona Gerson Almeida Marcelo Guimarães Lima Yuri Martins-Fontes Sergio Amadeu da Silveira Lorenzo Vitral Ronald León Núñez Vanderlei Tenório Alexandre de Lima Castro Tranjan Plínio de Arruda Sampaio Jr. Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Fernandes Silveira André Singer Daniel Afonso da Silva Bruno Machado Valerio Arcary Ricardo Abramovay Antonino Infranca José Machado Moita Neto Paulo Capel Narvai João Adolfo Hansen Everaldo de Oliveira Andrade Andrés del Río Paulo Nogueira Batista Jr Luciano Nascimento Michel Goulart da Silva Slavoj Žižek José Luís Fiori Sandra Bitencourt Celso Frederico André Márcio Neves Soares João Carlos Loebens Walnice Nogueira Galvão Érico Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Carlos Tautz Flávio R. Kothe Ronald Rocha Salem Nasser Bernardo Ricupero Ricardo Antunes Alysson Leandro Mascaro Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira Berenice Bento Vladimir Safatle Flávio Aguiar Rafael R. Ioris João Lanari Bo Atilio A. Boron Celso Favaretto Antônio Sales Rios Neto Bento Prado Jr. Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Dênis de Moraes Luiz Werneck Vianna Armando Boito Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES