As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um crime de raça e de classe

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por OSVALDO COGGIOLA*

Comentário sobre o assassinato de João Alberto Silveira Freitas

O assassinato de João Alberto Silveira Freitas, homem negro conhecido como Beto pelos amigos, espancado e morto a 19 de novembro por seguranças brancos em unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre, suscitou uma onda de indignação nacional. Beto tinha 40 anos e deixa a sua mulher, Milena Borges Alves, 43 anos, cuidadora de idosos. Beto morava com a sua mulher em uma comunidade na Vila Farrapos, zona norte de Porto Alegre, onde era bastante querido pelos vizinhos. Ele ganhava a vida com bicos, em pequenos trabalhos feitos como pintor e pedreiro. Os seguranças bateram a cabeça dele no chão por diversas vezes e Beto clamava por socorro e pedia para respirar, na presença de sua mulher, que foi impedida de se aproximar.

Os assassinos, um homem de 24 anos e outro de 30 anos, foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi levado para presídio militar. O outro é segurança da loja e está em prédio da Polícia Civil. A investigação trata o crime como homicídio qualificado. Nas imagens que circulam nas redes, é possível ver os dois homens vestindo roupa preta, comumente usada por seguranças, dando socos no rosto da vítima, que está no chão. Uma mulher que estava próxima filmou a ação dos agressores. Em seguida, já com sangue espalhado pelo chão, outras pessoas apareceram em volta do homem agredido, enquanto os agressores continuavam tentando imobilizá-lo no chão. Uma equipe do Samu tentou reanimar o homem depois do espancamento, mas ele morreu no local. Análises iniciais dos departamentos de Criminalística e Médico-Legal do Instituto-Geral de Perícias (IGP) do Rio Grande do Sul apontaram asfixia como causa da morte. Como no caso de George Floyd nos EUA, que se revela um padrão internacional.

Os elementos racistas do crime são gritantes. Carrefour, multinacional de origem francesa, possui um histórico de casos de violência racial nas suas dependências, apesar das inúmeras manifestações e denúncias dos movimentos negros sobre as práticas racistas. O crime de 19 de novembro reafirma a existência de um padrão institucionalizado de desrespeito e violência destinado à população negra por parte dessa multinacional. Que vem de longe. Em 2009, tomado por suspeito de um crime impossível – o roubo do seu próprio carro – o funcionário da USP, Januário Alves de Santana, negro, foi submetido a uma sessão de espancamentos com direito a socos, cabeçadas e coronhadas, por cinco seguranças do Hipermercado Carrefour de São Paulo. Os exemplos, dezenas e denunciados, poderiam se multiplicar.

Não se deve esquecer, porém, que os assassinos, incluindo o PM que ali se encontrava “trabalhando” ilegalmente (com pleno conhecimento da firma empregadora, que deveria ser levada à Justiça apenas por esse motivo) agiam segundo ordens e treinamento fornecidos pela empresa terceirizada de segurança à serviço do hipermercado, chamada Vetor, e pelo próprio Carrefour. Explorados transformados em assassinos de outros explorados, em função do lucro capitalista. Se trata de um padrão de “proteção da propriedade”. A bestialidade à serviço do lucro capitalista, nos mínimos detalhes e até o último centavo, inclusive diante da suspeita (que não passava disso, presumivelmente) de perda de uns míseros caraminguás.

Os assassinos serão traduzidos perante a Justiça, e provavelmente sofrerão pesadas penas de prisão (o PM implicado já foi separado da corporação), enquanto seus mandantes farão declaração “humanitárias” e promessas de revisar seus “sistemas de segurança”. Talvez, até farão alguma doação (o lucro de uns poucos minutos de operação da empresa) para a família da vítima. No Brasil, como em outros países da América Latina, o racismo está a serviço e se fusiona com a exploração e a opressão de classe. Para lutar contra o racismo, lutar contra o capitalismo, por um governo dos trabalhadores da cidade e do campo. Para lutar contra o capitalismo, acabar com o racismo nas fileiras dos próprios explorados. Que Carrefour e Vetor sejam responsabilizadas pelo crime, antes que os próprios imputados. E isso é prá já.

*Osvaldo Coggiola é professor titular no Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de Questões de história contemporânea (Oficina de livros).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sandra Bitencourt José Geraldo Couto Bento Prado Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Armando Boito Gerson Almeida Daniel Brazil Andrew Korybko Jean Pierre Chauvin Manuel Domingos Neto Airton Paschoa Tadeu Valadares Slavoj Žižek Francisco Pereira de Farias Marcelo Guimarães Lima Luiz Renato Martins Henri Acselrad Mariarosaria Fabris Paulo Martins Lincoln Secco Milton Pinheiro Ronald León Núñez João Feres Júnior Luiz Bernardo Pericás Alexandre Aragão de Albuquerque Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Machado Moita Neto Anderson Alves Esteves Marcelo Módolo Leonardo Boff Antônio Sales Rios Neto Everaldo de Oliveira Andrade André Márcio Neves Soares Claudio Katz Eugênio Bucci Otaviano Helene Salem Nasser Boaventura de Sousa Santos Dênis de Moraes Rafael R. Ioris Julian Rodrigues Luis Felipe Miguel Luiz Roberto Alves Jorge Branco João Paulo Ayub Fonseca Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Osvaldo Coggiola Leda Maria Paulani Eugênio Trivinho José Costa Júnior João Adolfo Hansen Igor Felippe Santos Dennis Oliveira Priscila Figueiredo Walnice Nogueira Galvão Yuri Martins-Fontes Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Renato Dagnino Manchetômetro Tales Ab'Sáber José Raimundo Trindade Berenice Bento Daniel Costa Luiz Marques Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez Annateresa Fabris Valerio Arcary Samuel Kilsztajn Marjorie C. Marona Carla Teixeira Eleutério F. S. Prado Alysson Leandro Mascaro Luís Fernando Vitagliano Bernardo Ricupero Caio Bugiato Leonardo Sacramento Michael Löwy Eduardo Borges Marcos Aurélio da Silva Luiz Costa Lima Érico Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Chico Alencar Anselm Jappe Celso Frederico Atilio A. Boron José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni Marcos Silva Antonino Infranca Remy José Fontana João Lanari Bo Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens Bruno Machado Ricardo Abramovay Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Francisco Fernandes Ladeira Roberto Bueno Gilberto Lopes José Luís Fiori João Carlos Salles Ronaldo Tadeu de Souza Eliziário Andrade Paulo Capel Narvai Afrânio Catani Liszt Vieira Alexandre de Lima Castro Tranjan Sergio Amadeu da Silveira Gabriel Cohn Vanderlei Tenório Tarso Genro Ronald Rocha Roberto Noritomi Luiz Werneck Vianna Henry Burnett Denilson Cordeiro Fernando Nogueira da Costa Marilena Chauí Paulo Nogueira Batista Jr Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. Heraldo Campos Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral Ladislau Dowbor Maria Rita Kehl Leonardo Avritzer Carlos Tautz Vladimir Safatle Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Ricardo Antunes Chico Whitaker Jorge Luiz Souto Maior Flávio Aguiar Luiz Eduardo Soares Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Marilia Pacheco Fiorillo Eleonora Albano Mário Maestri Fernão Pessoa Ramos Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Benicio Viero Schmidt Luciano Nascimento Fábio Konder Comparato Alexandre de Freitas Barbosa José Dirceu André Singer Thomas Piketty João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Fabbrini Valério Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada