Um crime de raça e de classe

Imagem: ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por OSVALDO COGGIOLA*

Comentário sobre o assassinato de João Alberto Silveira Freitas

O assassinato de João Alberto Silveira Freitas, homem negro conhecido como Beto pelos amigos, espancado e morto a 19 de novembro por seguranças brancos em unidade do supermercado Carrefour em Porto Alegre, suscitou uma onda de indignação nacional. Beto tinha 40 anos e deixa a sua mulher, Milena Borges Alves, 43 anos, cuidadora de idosos. Beto morava com a sua mulher em uma comunidade na Vila Farrapos, zona norte de Porto Alegre, onde era bastante querido pelos vizinhos. Ele ganhava a vida com bicos, em pequenos trabalhos feitos como pintor e pedreiro. Os seguranças bateram a cabeça dele no chão por diversas vezes e Beto clamava por socorro e pedia para respirar, na presença de sua mulher, que foi impedida de se aproximar.

Os assassinos, um homem de 24 anos e outro de 30 anos, foram presos em flagrante. Um deles é policial militar e foi levado para presídio militar. O outro é segurança da loja e está em prédio da Polícia Civil. A investigação trata o crime como homicídio qualificado. Nas imagens que circulam nas redes, é possível ver os dois homens vestindo roupa preta, comumente usada por seguranças, dando socos no rosto da vítima, que está no chão. Uma mulher que estava próxima filmou a ação dos agressores. Em seguida, já com sangue espalhado pelo chão, outras pessoas apareceram em volta do homem agredido, enquanto os agressores continuavam tentando imobilizá-lo no chão. Uma equipe do Samu tentou reanimar o homem depois do espancamento, mas ele morreu no local. Análises iniciais dos departamentos de Criminalística e Médico-Legal do Instituto-Geral de Perícias (IGP) do Rio Grande do Sul apontaram asfixia como causa da morte. Como no caso de George Floyd nos EUA, que se revela um padrão internacional.

Os elementos racistas do crime são gritantes. Carrefour, multinacional de origem francesa, possui um histórico de casos de violência racial nas suas dependências, apesar das inúmeras manifestações e denúncias dos movimentos negros sobre as práticas racistas. O crime de 19 de novembro reafirma a existência de um padrão institucionalizado de desrespeito e violência destinado à população negra por parte dessa multinacional. Que vem de longe. Em 2009, tomado por suspeito de um crime impossível – o roubo do seu próprio carro – o funcionário da USP, Januário Alves de Santana, negro, foi submetido a uma sessão de espancamentos com direito a socos, cabeçadas e coronhadas, por cinco seguranças do Hipermercado Carrefour de São Paulo. Os exemplos, dezenas e denunciados, poderiam se multiplicar.

Não se deve esquecer, porém, que os assassinos, incluindo o PM que ali se encontrava “trabalhando” ilegalmente (com pleno conhecimento da firma empregadora, que deveria ser levada à Justiça apenas por esse motivo) agiam segundo ordens e treinamento fornecidos pela empresa terceirizada de segurança à serviço do hipermercado, chamada Vetor, e pelo próprio Carrefour. Explorados transformados em assassinos de outros explorados, em função do lucro capitalista. Se trata de um padrão de “proteção da propriedade”. A bestialidade à serviço do lucro capitalista, nos mínimos detalhes e até o último centavo, inclusive diante da suspeita (que não passava disso, presumivelmente) de perda de uns míseros caraminguás.

Os assassinos serão traduzidos perante a Justiça, e provavelmente sofrerão pesadas penas de prisão (o PM implicado já foi separado da corporação), enquanto seus mandantes farão declaração “humanitárias” e promessas de revisar seus “sistemas de segurança”. Talvez, até farão alguma doação (o lucro de uns poucos minutos de operação da empresa) para a família da vítima. No Brasil, como em outros países da América Latina, o racismo está a serviço e se fusiona com a exploração e a opressão de classe. Para lutar contra o racismo, lutar contra o capitalismo, por um governo dos trabalhadores da cidade e do campo. Para lutar contra o capitalismo, acabar com o racismo nas fileiras dos próprios explorados. Que Carrefour e Vetor sejam responsabilizadas pelo crime, antes que os próprios imputados. E isso é prá já.

*Osvaldo Coggiola é professor titular no Departamento de História da USP. Autor, entre outros livros, de Questões de história contemporânea (Oficina de livros).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho
  • O colapso do sionismopalestina livre 80 23/06/2024 Por ILAN PAPPÉ: Quer as pessoas acolham a ideia ou a temam, o colapso de Israel tornou-se previsível. Esta possibilidade deve informar a conversa de longo prazo sobre o futuro da região

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES