As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Um programa para a esquerda

Imagem: Vanessa Winship
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

O PSol dá as caras, com razão e coração

Estamos a menos de oito meses das eleições nacionais. A real “polarização” que existe é entre o bolsonarismo e todo(a)s o(a)s que recusam sua visão obscurantista de mundo e ações de desmonte do país.

“Extremo” é um só: o da extrema-direita no poder, cuja expressão da hora é o presidente da (a)Fundação Palmares afirmar que Moïse, o congolês assassinado, é um “vagabundo”. E o Secretário de Cultura torrar R$ 72 mil de dinheiro público para passear em Nova York. Reinado do neofascismo negacionista (inclusive da vacina!) e da corrupção. Tempo de miséria agravada, ódio declarado, colapso ambiental e econômico, e inflação.

Diante desse quadro, a Executiva Nacional do PSOL se reuniu e, nessa pré-campanha de sinais trocados e cartas embaralhadas, onde sobram nomes e faltam propostas, deliberou:

(1) unidade das esquerdas nas lutas sociais imediatas, retomando o caminho das ruas, a mobilização social. Já: vem aí o 8 de Março e, logo depois, os 4 anos da execução de Marielle e Anderson, com nosso persistente clamor: quem mandou? Por quais razões? Unidade de iniciativas também com setores conservadores favoráveis ao impeachment e comprometidos com pautas democráticas.

(2) programa mínimo de 12 pontos para o diálogo com a pré-candidatura de Luís Inácio Lula da Silva e todos os partidos progressistas e movimentos populares. Coligação, para o PSol, não é fusão nem pode ser mera adesão. Esses eixos programáticos priorizam: (a) revogação de medidas que precarizam direitos trabalhistas/previdenciários e barram o investimento social, desde o golpe parlamentar de 2016; (b) enfrentamento da crise climática e recursos para acelerar a transição energética; (c) reforma tributária focada na taxação da renda e da propriedade (notadamente dos super-ricos das grandes fortunas), com redução de impostos sobre bens essenciais; (d) participação popular na gestão, com transparência total e combate à corrupção; (e) ênfase nos direitos humanos, contra todas as opressões, fundadas na exploração de classe, no racismo estrutural, na misoginia e na LGBTfobia.

(3) continuidade dos entendimentos com a Rede Sustentabilidade, a fim de formar uma Federação eleitoral programática e duradoura: ecossocialismo e democracia!

Para o PSol, não basta tirar Bolsonaro – “cujo governo se enfraquece na opinião pública mas está longe de ter sido derrotado”. Mesmo com o impeachment – que segue urgente e difícil –, é essencial também, nas eleições de outubro, eleger uma expressiva bancada progressista para dar sustentação à reconstrução e avanços no país hoje adoentado, agredido e aviltado.

*Chico Alencar é professor de história, escritor e vereador pelo Psol na Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Trivinho Vladimir Safatle Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez José Micaelson Lacerda Morais Chico Whitaker Lucas Fiaschetti Estevez Samuel Kilsztajn Alysson Leandro Mascaro Caio Bugiato João Paulo Ayub Fonseca Antônio Sales Rios Neto Atilio A. Boron João Lanari Bo Thomas Piketty Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Manuel Domingos Neto Francisco Pereira de Farias Leda Maria Paulani Francisco Fernandes Ladeira Luciano Nascimento Daniel Costa Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Osvaldo Coggiola Boaventura de Sousa Santos Dennis Oliveira Daniel Brazil André Márcio Neves Soares Luiz Costa Lima Antonino Infranca Jean Marc Von Der Weid Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Machado Priscila Figueiredo Michael Löwy Rafael R. Ioris Otaviano Helene Benicio Viero Schmidt João Sette Whitaker Ferreira Marcelo Guimarães Lima Andrew Korybko Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Afonso da Silva Eliziário Andrade Juarez Guimarães Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mário Maestri Afrânio Catani Yuri Martins-Fontes Fernando Nogueira da Costa João Carlos Loebens Lorenzo Vitral Bento Prado Jr. Luiz Roberto Alves Eugênio Bucci Paulo Fernandes Silveira Gilberto Maringoni Henry Burnett Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Celso Favaretto Eleutério F. S. Prado Ari Marcelo Solon Paulo Martins José Luís Fiori Leonardo Boff Jorge Branco Anderson Alves Esteves João Carlos Salles Gabriel Cohn Carla Teixeira Flávio R. Kothe Fábio Konder Comparato Eduardo Borges Chico Alencar Ricardo Abramovay Luiz Eduardo Soares Eleonora Albano Ronald Rocha Dênis de Moraes Ricardo Fabbrini Alexandre de Lima Castro Tranjan Tarso Genro Vanderlei Tenório Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona Claudio Katz José Geraldo Couto Valerio Arcary Walnice Nogueira Galvão João Adolfo Hansen Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonio Martins Marcos Aurélio da Silva Ricardo Musse Berenice Bento Tadeu Valadares Gilberto Lopes André Singer Remy José Fontana José Costa Júnior Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Julian Rodrigues Érico Andrade Marilena Chauí Jean Pierre Chauvin Mariarosaria Fabris Sergio Amadeu da Silveira Luis Felipe Miguel Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Capel Narvai Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Roberto Bueno Liszt Vieira Marcos Silva Armando Boito Michael Roberts Marcelo Módolo Luiz Bernardo Pericás Milton Pinheiro João Feres Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marcus Ianoni Valério Arcary Roberto Noritomi Maria Rita Kehl Renato Dagnino Luiz Marques Leonardo Avritzer Fernão Pessoa Ramos José Dirceu Henri Acselrad Elias Jabbour Denilson Cordeiro Anselm Jappe Lincoln Secco José Machado Moita Neto Kátia Gerab Baggio Sandra Bitencourt Heraldo Campos Salem Nasser Ricardo Antunes Gerson Almeida Leonardo Sacramento Carlos Tautz Ronald León Núñez Manchetômetro Luiz Werneck Vianna Paulo Nogueira Batista Jr Jorge Luiz Souto Maior José Raimundo Trindade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada