As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O novo tempo da política

Imagem: Reynaldo Brigantty
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIZ MARQUES*

A reconfiguração da geopolítica no mapa-múndi favorece países em crescimento, se aproveitarem a oportunidade para diminuir os laços de subordinação

Um dos grandes intérpretes do Brasil, Caio Prado Jr., sublinha que a colonização esteve desde o início subordinada ao ritmo de desenvolvimento do capitalismo global. A modernização do país herdou um caráter dependente. Nos anos 1990, o protoneoliberal Fernando Collor de Mello deu a largada nas privatizações e aumentou a dependência dos centros dinâmicos. O “caçador de marajás” sintetizou no tema da corrupção a ruína da representação política e o caos econômico da ditadura. Fernando Henrique Cardoso assimilou o Consenso de Washington (1989) para obedecer aos ditames da “nova ordem mundial”, retirando da alça de mira do Estado a regulação da economia. O laissez-faire afiava as unhas e domava o ego do intelectual que pediu para esquecessem o que escrevera.

Nossa inserção no “sistema-mundo” – conceito elaborado por Immanuel Wallerstein a partir da ideia de economia-mundo formulada pelo historiador das “longas durações”, Fernand Braudel – nos fez coadjuvantes das grandes potências. Situação que não mudou radicalmente na governabilidade do PT, embora os avanços sociais, educacionais e os polos navais. Mesmo com a conquista sincrônica de governos na região, os progressistas se restringiram a um desenvolvimentismo tecnocrático com um script social-democrata (Brasil, Uruguai, Argentina, Paraguai, Bolívia, Equador) para construir o Estado de Bem-Estar Social através do consenso, sem acirrar os ânimos de classe na luta contra as iniquidades. Os conflitos foram para debaixo do tapete, com exceção da bolivariana Venezuela.

A experiência contou com a adesão de 87% da população brasileira (Ibope, 2010), e apontou caminhos ao instigar os acordos comerciais do Mercosul, as articulações acima da lógica mercantil da Unasul e as demais iniciativas de integração continental para colocar em melhores condições as nações latino-americanas, no cenário da globalização. As ações em curso do presidente Lula 3.0 indicam que, com aprendizados a ferro e fogo, seguimos no encalço do Farol de Alexandria. Desta feita, com maior consciência sobre o boicote de elites incultas, com atávico complexo de vira-lata.

Setores associados ao capital estrangeiro perguntam pelo “Lulinha paz e amor”. No momento, outra persona celebra o BRICS, interpela o imperialismo estadunidense, elogia a multipolaridade, inquire a dolarização do comércio transnacional e, em aliança com a China, cria grupos de facilitação do comércio, aplicação pacífica de tecnologias (satélite Cbers-6), cooperação de ciência e inovação em áreas de informação e comunicação, coprodução televisiva, investimento industrial, economia digital, evolução social e rural, e combate à fome e à pobreza. Os memorandos sino-brasileiros firmados implicam aportes de R$ 50 bilhões para a reindustrialização da nação. Ótimo recomeço.

Com a derrota eleitoral, mas não política, do projeto que acenava um regime de exceção iliberal – o Brasil voltou ao palco. Na Conferência Mundial do Clima (COP 27), o ativista ambiental Al Gore explicou aos líderes dos hemisférios Norte e Sul que, “ao eleger Lula, o povo resolveu preservar a Amazônia”. Uma decisão responsável para com o futuro do planeta e da humanidade. A hecatombe climática e a ameaça à biodiversidade descortinaram horizontes que transcendem o totalitarismo da mercadoria. Estamos vivendo entre dois mundos muito distintos, o unipolar e o multipolar. Um tarda em morrer, enquanto o outro já nasceu, para evocar a metáfora gramsciana. A incapacidade do Ocidente metabolizar em termos simbólicos a profunda transição de modelos sacrificou a Ucrânia.

A reconfiguração da geopolítica no mapa-múndi favorece países em crescimento, se aproveitarem a oportunidade para diminuir os laços de subordinação. Pela densidade demográfica, vigor do PIB e posição geográfica com extensão fronteiriça no Uruguai, Argentina, Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela, Guiana, Suriname e o Departamento Ultramarino francês, o Brasil é a peça chave na equação. Em consequência, a própria América Latina voltou ao teatro político, econômico, cultural.

Na década de 1930 havia a disputa entre três alternativas ao liberalismo clássico (o nazi-fascismo, o comunismo soviético e o keynesianismo), todas antiliberais. No primeiro quarto do século XXI, com a crise da democracia, disputam espaço o obscurantismo de extrema direita e o iluminismo de esquerda. É ilustrativa a resolução petista para mobilizar a sociedade civil organizada e reanimar os Comitês Populares de Luta com papel aglutinador nas últimas eleições, a fim de aproximar a base social do programa governamental. O reconhecimento às Conferências Nacionais pelo Estado-movimento, com ampla participação cidadã, funciona qual suplemento de vitamina institucional.

Compreende-se a assertiva de Emir Sader no artigo “A refundação do Estado e da política”, em A crise do Estado-nação, livro coordenado por Adalto Novaes. “O Orçamento Participativo foi o avanço democrático mais importante depois da queda da ditadura e do restabelecimento do Estado de direito no Brasil. Ele consiste no embrião de uma refundação do Estado para além da dicotomia estatal / privado, porque fundado na esfera pública”. Apesar da experiência do Orçamento Participativo acontecer numa conjuntura política adversa, marcada pelo esboroamento da ex-URSS e situada fora das erupções revolucionárias dos compêndios de história em que subalternos rompem o ciclo da dominação, o fato é que o cerco da ideologia do monetarismo deixou brechas em aberto à criatividade plebeia.

Nada que impedisse o fiscalismo das flores do mal. “A informalização das relações de trabalho, junto a taxas recordes de desemprego estrutural, acompanhada das formas de precarização do trabalho, desestruturou o tecido social, afetando-o em sua totalidade, incluindo o segmento que se mantém dentro das relações de trabalho. A quebra dos contratos formais, com o que significam de via dupla de direitos e deveres entre indivíduo e sociedade, gera novas formas de exclusão”, acusa o conselheiro editorial da New Left Review. Então o ruim ficou pior. Os excluídos foram cancelados.

A crítica de Emir Sader data de 2003, muito antes da aprovação da Lei das Terceirizações (2017) que comemorou a superexploração do labor no governicho do golpista Michel Temer, ao construir uma ponte de retorno aos padrões do colonialismo no período escravista. O passado de horrores se estendeu ao presente, onde o racismo e o sexismo forjam sujeitos de não-direitos em um sistema social com predominância das oligarquias predatórias primário-exportadoras e financeiras.

O desafio está em recuperar a dignidade da política e superar o negacionismo neofascista: (a) do livre mercado, que converte cidadãos em consumidores passivos; (b) da mídia tradicional, que legitima a desobediência civil individual em detrimento das atividades coletivas de protesto; (c) do Judiciário, que em regra criminaliza as negociações interpartidárias para compor uma coalização com repartição de cargos, conforme ocorre em qualquer geografia para formar maioria parlamentar e; (d) dos ajustes fiscais, que erodem a democracia e desacreditam a política. Esses são os quatro cavaleiros capitalistas que contribuem para a despolitização e a desmoralização da política.

Hoje, o processo de hegemonia das classes dirigentes se traduz e consolida sob a batuta do rentismo nas finanças, a precarização das ocupações laborais e as desregulamentações. Prevalece a crença de que o perigo que paira sobre a liberdade não provém da tirania, porém da igualdade. Prato cheio à pregação neoliberal de Friedrich Hayek, cofundador da Société du Mont-Pèlerin, que considera a desigualdade o valor por excelência (!) para o engrandecimento dos indivíduos e coletividades, em substituição das consignas consagradas pela Revolução Francesa. Restou à impolítica ir a reboque da acumulação e da destruição, avessas ao princípio da felicidade pública.

Mas seu descrédito, se causa espanto, não configurou um destino incontornável. É possível redimensionar a política com o diapasão das garantias materiais para o exercício da cidadania plena. Os meios vinculam-se aos fins. Reza o provérbio português, “não existe bem que sempre dure, e nem mal que nunca acabe”.

Refundar a política com o participacionismo equivale a empoderar a democracia para dissipar a difusão antipolítica na sociedade e proteger as instituições republicanas. Para a pesquisadora do Instituto de Relações Internacionais da UnB, Danielly Ramos, “a parceria com o gigante asiático repõe nos trilhos a cooperação estratégica” – em moeda própria.

Donald Trump associa o descarte do dólar das transações à derrota em uma guerra mundial. O jus esperniandinão para a marcha da múltipla polaridade. Como na canção de Ivan Lins e Vitor Martins, entramos num Novo tempo. Os cães de guarda da imprensa imperialista ladram, a caravana passa. O sonho não acabou, John.

*Luiz Marques é professor de ciência política na UFRGS. Foi secretário estadual de cultura do Rio Grande do Sul no governo Olívio Dutra.


O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gilberto Maringoni Caio Bugiato Sandra Bitencourt Luiz Eduardo Soares Luiz Werneck Vianna Jean Pierre Chauvin Roberto Noritomi Andrew Korybko Renato Dagnino Marcelo Guimarães Lima Claudio Katz André Márcio Neves Soares Daniel Afonso da Silva Paulo Capel Narvai Carla Teixeira Michael Löwy João Carlos Salles Atilio A. Boron José Costa Júnior Manuel Domingos Neto José Machado Moita Neto Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Daniel Brazil Liszt Vieira Eugênio Bucci João Feres Júnior João Adolfo Hansen Heraldo Campos Anselm Jappe Roberto Bueno Manchetômetro Gabriel Cohn Marcelo Módolo Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Vladimir Safatle Bruno Fabricio Alcebino da Silva José Geraldo Couto João Paulo Ayub Fonseca Maria Rita Kehl Luiz Marques Leda Maria Paulani Kátia Gerab Baggio Tarso Genro João Carlos Loebens Luis Felipe Miguel José Dirceu José Micaelson Lacerda Morais Alysson Leandro Mascaro Celso Frederico Luiz Costa Lima José Luís Fiori Julian Rodrigues Bruno Machado Gilberto Lopes Ricardo Fabbrini Remy José Fontana Paulo Martins Eliziário Andrade Antônio Sales Rios Neto Tales Ab'Sáber Samuel Kilsztajn Luiz Roberto Alves Tadeu Valadares Elias Jabbour Chico Whitaker Luiz Bernardo Pericás Eleonora Albano Fernão Pessoa Ramos Luís Fernando Vitagliano Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Jorge Branco Juarez Guimarães Ricardo Abramovay Eleutério F. S. Prado Marilia Pacheco Fiorillo Luciano Nascimento Leonardo Avritzer Otaviano Helene Thomas Piketty João Lanari Bo Henry Burnett Henri Acselrad Francisco Fernandes Ladeira Flávio R. Kothe Eduardo Borges Rafael R. Ioris Walnice Nogueira Galvão Salem Nasser Ricardo Musse Marilena Chauí Francisco Pereira de Farias Priscila Figueiredo Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Carlos Bresser-Pereira Valério Arcary Daniel Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Ladislau Dowbor Celso Favaretto Vinício Carrilho Martinez Vanderlei Tenório Boaventura de Sousa Santos Slavoj Žižek Mário Maestri Jean Marc Von Der Weid André Singer Fernando Nogueira da Costa Sergio Amadeu da Silveira Ronald León Núñez Carlos Tautz Dênis de Moraes Alexandre Aragão de Albuquerque Ronald Rocha Érico Andrade Rodrigo de Faria Berenice Bento Osvaldo Coggiola Igor Felippe Santos Fábio Konder Comparato Yuri Martins-Fontes Marcus Ianoni Dennis Oliveira Antonino Infranca Marjorie C. Marona Marcos Silva Flávio Aguiar Gerson Almeida Denilson Cordeiro Michael Roberts Francisco de Oliveira Barros Júnior Paulo Fernandes Silveira Afrânio Catani Bento Prado Jr. João Sette Whitaker Ferreira Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Lincoln Secco José Raimundo Trindade Leonardo Sacramento Benicio Viero Schmidt Valerio Arcary Annateresa Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Chico Alencar Lorenzo Vitral Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Mariarosaria Fabris Leonardo Boff Antonio Martins Bernardo Ricupero Armando Boito Anderson Alves Esteves Luiz Renato Martins Ari Marcelo Solon Paulo Sérgio Pinheiro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada