O amor no bolsonarismo

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Alex Antonio Rosa Costa*

Contra a democracia brasileira, não há apenas o ódio fascista, mas também o amor inabalável à ideia. O perigo é muito maior, pois a união bolsonarista encontra como sustentáculo o mais forte dos afetos

“O povo tem manias de criar ídolos, e a mania do ídolo é menosprezar o povo”
(Júlio Camargo, em A Arte de Sofismar)

O bolsonarismo tem sido um gigante desafio para todos os estudiosos da política. O neofascismo empregado pelo presidente, como define Michael Löwy[i], ainda não tem seus contornos claros, e parece que, para entender esse fenômeno, as análises clássicas terão que se adaptar. Percebendo isso, Filipe Campello argumentou neste blog que o bolsonarismo nos tira a possibilidade de fazer política com razão e argumentos, de sorte que tentar compreender política por essas vias também será sempre uma tentativa limitada. Carlos Sávio Teixeira[ii] tem posicionamento semelhante, ao sustentar que os modelos e conceitos utilizados para pensar política atuais, quase todos de matriz norte-americana e liberal, se mostram insuficientes – e até mesmo avessos à realidade, devido à “anormalidade funcional” típica do presidente. Teixeira defende que devemos extrapolar o que tem sido pensado e considerar as classes e posições sociais dos agentes políticos em toda análise política. Campello, por sua vez, advoga pela atenção aos afetos presentes na vida política, lançando luz ao “ódio e ao desprezo pela pluralidade democrática”[iii].

Campello não é o único. Com a eleição de Jair Bolsonaro, o vínculo de afetos e política se revelou patente para toda a sociedade, agora não só para estudiosos desse assunto. A todo momento, vemos notícias, artigos e comentários evidenciando o ódio como forma-motriz do bolsonarismo. Não é por pouco: o próprio governo federal conta com seu gabinete do ódio ali, de seu lado, como grande conselheiro e porta-voz presidencial.

Mas não quero falar do ódio. Pretendo jogar luz em seu companheiro inseparável: o amor, o qual, não obstante tão negligenciado nas tentativas de compreensão do inapreensível Brasil atual, tem provado sua perversidade tão potente quanto à de seu camarada.

O amor é tema na filosofia desde a Grécia Antiga. Platão, em um de seus mais belos diálogos, O Banquete, reflete acerca do primeiro dos deuses: Eros, até então pouco louvado, nas palavras do filósofo. Como é de costume, a voz final e definitiva da conversa é a de Sócrates, quem nos apresenta o que havia aprendido com a sábia Diotima. O filósofo defenderá que há graus de amor: há desde o amor às coisas materiais, físicas, carnais, ao amor às ideias, ao imutável, sendo este característico do filósofo (em grego, literalmente, aquele que ama a sabedoria).

A visão de Platão permaneceu influente por toda a história da filosofia. Se olharmos para a filosofia cristã, também veremos a separação entre o amor às coisas terrenas e o amor a Deus. Este último, chamado de “caritas” por Agostinho, é o amor que deve ser buscado pelos fiéis, em detrimento daquele, que leva à corrupção da alma. Essa visão, contudo, não está incólume de problemas fundamentais, evidentes em especial na esfera pública.

A política bolsonarista, a meu ver, serve de exemplo triste e real dos malefícios do império de um amor às ideias.  Reina no Brasil um amor como aquele enaltecido por Platão e por Jesus, mas com certo desvirtuamento: continua-se amando a ideia contra a vida terrena, mas não mais em nome do Bem ou de Deus. Um certo messias da salvação, com ações antiplatônicas e anticristãs, é a nova ideia amada.

Para explicar o fenômeno Bolsonaro, remetendo sempre a características fascistas, o foco tem sido o ódio característico em relação ao diferente. Contudo, é preciso notar que o amor à ideia bolsonarista é igualmente presente. Com isso, quero dizer que, entre os eleitores fiéis ao Bolsonaro, além do ódio a tudo aquilo que se opõe ao presidente, em especial a democracia, impera um amor incondicional à imagem criada em torno da pessoa. Aqui deve ficar claro: não se trata de um amor à pessoa do presidente. Se assim o fosse, notar-se-iam erros cometidos pelo presidente, incoerências, injustiças. O amor à pessoa não cega, diferentemente do que se costuma dizer. Quem verdadeiramente ama consegue ver todos os defeitos do amado, mas continua amando. O verdadeiro amante é aquele capaz de se afastar do amado, e, mesmo assim, continuar amando-o. O bolsonarismo, por outro lado – tal como todo fenômeno político de viés totalitário –, se alimenta de um amor incondicional a um ídolo, ou, como eles mesmos preferem, a um “mito” incapaz de cometer qualquer erro, um verdadeiro messias: incorruptível, infalível, mas ainda assim eterna vítima do “sistema”, mesmo que seja ele, o líder, o dominante.

O apoio inconteste de aproximadamente 30% do eleitorado assusta, e muito. Mesmo o presidente tendo se mostrado um dos piores líderes do mundo no combate à pandemia, fato somado às sérias acusações de ligação com milícias e esquemas criminosos, seu fiel eleitor não arreda o pé na defesa do presidente. Os dados publicados pela Folha em 27.04.20, segunda-feira, demonstram que nem mesmo a saída de Moro, o mais bem avaliado ministro, foi capaz de diminuir o assentimento às estultices presidenciais.

Contra a democracia brasileira, não há apenas o ódio fascista, mas também o amor inabalável à ideia. O perigo é muito maior, pois a união bolsonarista encontra como sustentáculo o mais forte dos afetos. Não surpreenderia que um dia o próprio Jair Bolsonaro se tornasse vítima do movimento que o criou, terminando, como ele tanto gosta de dizer, o casamento amoroso com a ideia Messias Bolsonaro.

*Alex Antonio Rosa Costa é mestrando em filosofia na USP.

Notas

[i] https://aterraeredonda.com.br/isto-se-chama-genocidio/

[ii] http://anpof.org/portal/index.php/pt-BR/comunidade/coluna-anpof/2569-bolsonaro-um-desafio-a-filosofia-politica

[iii] https://aterraeredonda.com.br/o-ovo-da-serpente/

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Manchetômetro Jorge Luiz Souto Maior Alysson Leandro Mascaro Salem Nasser Ladislau Dowbor Luis Felipe Miguel Leonardo Sacramento Matheus Silveira de Souza Antonio Martins André Márcio Neves Soares Antonino Infranca Francisco de Oliveira Barros Júnior José Machado Moita Neto Flávio Aguiar Yuri Martins-Fontes Rafael R. Ioris Fernando Nogueira da Costa Tarso Genro Chico Whitaker Luiz Bernardo Pericás Gilberto Lopes Elias Jabbour Juarez Guimarães João Paulo Ayub Fonseca Dennis Oliveira Marilia Pacheco Fiorillo Érico Andrade Ricardo Musse Airton Paschoa Luiz Eduardo Soares Luís Fernando Vitagliano Michael Roberts Michel Goulart da Silva Jean Marc Von Der Weid Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori José Dirceu Marilena Chauí Walnice Nogueira Galvão Rodrigo de Faria Valerio Arcary Daniel Brazil Leonardo Boff Berenice Bento Liszt Vieira Marcus Ianoni Luiz Carlos Bresser-Pereira Bruno Machado João Sette Whitaker Ferreira Eleutério F. S. Prado André Singer Mário Maestri Alexandre de Lima Castro Tranjan Tadeu Valadares José Micaelson Lacerda Morais Claudio Katz Remy José Fontana Henry Burnett Celso Favaretto João Carlos Salles Luiz Werneck Vianna Annateresa Fabris Carlos Tautz Paulo Capel Narvai Bruno Fabricio Alcebino da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. Ronald Rocha Bernardo Ricupero Ricardo Abramovay Caio Bugiato Vanderlei Tenório Thomas Piketty Andrew Korybko Mariarosaria Fabris Francisco Fernandes Ladeira Chico Alencar Francisco Pereira de Farias Eleonora Albano Carla Teixeira Priscila Figueiredo Dênis de Moraes Luciano Nascimento Vinício Carrilho Martinez Fernão Pessoa Ramos Sergio Amadeu da Silveira Denilson Cordeiro Maria Rita Kehl Sandra Bitencourt Rubens Pinto Lyra Marcos Aurélio da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Benicio Viero Schmidt Ricardo Fabbrini Marcelo Guimarães Lima Afrânio Catani Marcos Silva Osvaldo Coggiola Celso Frederico Heraldo Campos Daniel Afonso da Silva Milton Pinheiro Fábio Konder Comparato Michael Löwy João Adolfo Hansen Igor Felippe Santos Eugênio Trivinho Alexandre de Freitas Barbosa Lincoln Secco João Feres Júnior Ronald León Núñez Antônio Sales Rios Neto Samuel Kilsztajn Everaldo de Oliveira Andrade Andrés del Río Leda Maria Paulani Renato Dagnino José Costa Júnior Jorge Branco Vladimir Safatle Boaventura de Sousa Santos Ricardo Antunes Eugênio Bucci Henri Acselrad Gabriel Cohn Armando Boito Paulo Martins Anselm Jappe Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Marcelo Módolo Gerson Almeida Eliziário Andrade Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Paulo Fernandes Silveira Tales Ab'Sáber Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Luiz Marques Daniel Costa Luiz Renato Martins João Carlos Loebens Marjorie C. Marona Flávio R. Kothe Ronaldo Tadeu de Souza Manuel Domingos Neto José Raimundo Trindade Julian Rodrigues Luiz Roberto Alves Ari Marcelo Solon José Geraldo Couto Valerio Arcary Eduardo Borges Slavoj Žižek Paulo Nogueira Batista Jr

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada