As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sentido desfigurado

Imagem: Grupo de Ação
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

Bolsonaro é o maior estimulador da tensão que se alastra e que tende a desaguar em atos de agressão física

“Você sabe o que é sentido figurado? Você sabe o que é? Você estudou português na faculdade ou não?” Assim ralhou o presidente da República, no Palácio do Planalto, ao ouvir uma pergunta de que não gostou. Entendamos o contexto.

O bate-boca se deu na segunda-feira, 11 de julho, dois dias depois de o guarda municipal Marcelo Arruda ter sido morto a tiros, durante sua festa de aniversário, na cidade de Foz do Iguaçu (PR). Gravado pelas câmeras de segurança do local da comemoração, o crime ganhou as telas eletrônicas, desde os telejornais do horário nobre até os grupos de família no WhatsApp. O assassino invadiu o salão atirando, enquanto gritava: “Aqui é Bolsonaro!”. A vítima, militante do Partido dos Trabalhadores, tinha escolhido o ex-presidente Lula como tema do seu aniversário.

Com tamanha carga partidária, a tragédia adquiriu um significado político eloquente – um bolsonarista mata a tiros um petista, às vésperas das eleições. Daí vem a pergunta: o que é que os pronunciamentos odientos do presidente têm que ver com esse homicídio? Pois era isso que os repórteres queriam ouvir do próprio. Durante a rápida entrevista, alguém lembrou uma fala de Bolsonaro em 2018, durante um comício no Acre. Na ocasião, o então candidato tomou emprestado um destes tripés usados por fotógrafos e cinegrafistas e o segurou como se fosse uma metralhadora, fazendo tremer os braços, como se distribuísse rajadas nos ares do Norte. Depois, pegando de volta o microfone, bradou, quase gargalhando: “Vâmu fuzilá a petralhada aqui do Acrê”.

Quando ouviu menções à sua incitação ao fuzilamento de petistas, proferida há quatro anos, o hoje chefe do Executivo se agastou. Foi aí que usou como escudo as figuras de linguagem: “Você sabe o que é sentido figurado? Você sabe o que é? Você estudou português na faculdade ou não?”.

Não é comum o oferecimento de disciplinas de português em faculdades que ensinam o jornalismo. Os profissionais desse campo tentam estudar o idioma durante a vida inteira, mas dificilmente encontrarão aulas de gramática ou de formas narrativas no seu currículo de graduação. O presidente da República não sabe disso, lógico, assim como não sabe o que significa “sentido figurado”. Se invoca a expressão, só o faz para escapulir de uma responsabilidade que tem. Ele não é culpado imediato pelos disparos de Foz do Iguaçu, mas é, sim, o maior estimulador da tensão que se alastra e que tende a desaguar em atos de agressão física.

Por certo, Jair Bolsonaro não faz ideia do que seja o tal “sentido figurado”; sua prosódia de exacerbações, avessa a qualquer forma de elevação estética, apenas desfigura o sentido das representações simbólicas. Onde a linguagem triunfa sobre a carnificina, os seus urros trazem de volta a pedra bruta que tritura o espírito de cada palavra. As coisas que ele diz, e as diz muito mal, as coisas malditas que saem dos seus resmungos ou de suas infâmias produzem, sem rodeios nem mediações, a generalização da violência. A responsabilidade é direta, crua, não há como disfarçá-la ou maquiá-la.

Chega a ser estranho, desconcertante mesmo, que tanta gente fique por aí falando em polarização. A polarização já era; eclodiu antes de 2018 e depois virou outro bicho. Embora seus resíduos subsistam, o que está hoje na nossa cara não resulta mais de um debate polarizado, mas de uma fascistização unilateral e desembestada. É com isso que estamos lidando agora.

(Um parêntese aqui. Os cientistas políticos evitam usar o termo fascismo para descrever o quadro presente; as circunstâncias históricas da Itália dos anos 1920 não coincidem com o que se passa agora no nosso triste país – além do quê, Mussolini, em seu início, defendia os direitos trabalhistas, enquanto o bolsonarismo os mastiga feito hiena –, mas o que está aí carcomendo por dentro o Estado Democrático de Direito e degradando por fora dele toda a cultura política é, sim, um fascismo anacrônico, ele mesmo desfigurado, oco, um fascismo ajoelhado diante dos financistas e dos políticos de aluguel.)

O desastre fascista, como costumávamos saber, mora no “guarda da esquina”. Era assim na Itália de cem anos atrás e é assim agora no Brasil. São estes anônimos, armados pelas políticas públicas do governo, os colecionadores de trabucos e de mortes, que se sentem cada vez mais convocados a tomar a iniciativa de abater os dissidentes. Hoje, como antes, o fascismo é o império dos matadores medíocres, insignificantes e obscuros que se veem autorizados a dar cabo da vida de gente luminosa.

Este é o golpe que está vindo aí, que já começou e que vai ainda nos custar mais sangue. O fascismo insepulto dos seres menores, não nos enganemos mais, foi produzido pelo discurso desfigurado que a nossa gente elegeu há quatro anos. É chocante constatar que tantos ainda se dobrem a essa moléstia política. Dói na espinha ver como tantos eleitores endinheirados prometem dobrar a aposta. Os reprimidos clamam por mais repressão. Os devotos obtusos, há cem anos, como agora, se aconchegam no nervo frio do mal.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Juarez Guimarães Renato Dagnino Lorenzo Vitral Vinício Carrilho Martinez Carla Teixeira Alexandre de Lima Castro Tranjan Vladimir Safatle Paulo Nogueira Batista Jr Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Módolo Michael Löwy Roberto Bueno Boaventura de Sousa Santos Leonardo Sacramento João Feres Júnior Luiz Roberto Alves Roberto Noritomi Celso Frederico Afrânio Catani Jorge Branco Alexandre Aragão de Albuquerque Igor Felippe Santos Gabriel Cohn Sergio Amadeu da Silveira Daniel Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Everaldo de Oliveira Andrade Rubens Pinto Lyra João Adolfo Hansen Jean Marc Von Der Weid Valerio Arcary Rodrigo de Faria Armando Boito Henry Burnett Francisco Pereira de Farias Thomas Piketty José Micaelson Lacerda Morais Bruno Machado José Machado Moita Neto João Lanari Bo Tarso Genro Paulo Capel Narvai Andrew Korybko Priscila Figueiredo Lucas Fiaschetti Estevez Francisco Fernandes Ladeira Ronald Rocha Ricardo Musse Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Gilberto Maringoni Chico Alencar Rafael R. Ioris Airton Paschoa Kátia Gerab Baggio Alysson Leandro Mascaro Bento Prado Jr. Leonardo Avritzer André Márcio Neves Soares Marcus Ianoni Eliziário Andrade Sandra Bitencourt Fernão Pessoa Ramos Milton Pinheiro Paulo Fernandes Silveira Manchetômetro Salem Nasser Ricardo Antunes Yuri Martins-Fontes Fábio Konder Comparato Eugênio Bucci Ladislau Dowbor André Singer Caio Bugiato Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Eduardo Soares José Dirceu Berenice Bento Marcelo Guimarães Lima Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris Michael Roberts Luiz Renato Martins Alexandre de Freitas Barbosa Eleonora Albano Valério Arcary João Sette Whitaker Ferreira Remy José Fontana Eugênio Trivinho Paulo Martins Ricardo Fabbrini José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Carlos Tautz Lincoln Secco Vanderlei Tenório Gerson Almeida José Raimundo Trindade Claudio Katz Antonino Infranca José Geraldo Couto Ari Marcelo Solon Slavoj Žižek Ricardo Abramovay Fernando Nogueira da Costa Francisco de Oliveira Barros Júnior Chico Whitaker Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes João Carlos Salles Luciano Nascimento José Luís Fiori Luiz Costa Lima Érico Andrade Luiz Werneck Vianna Bernardo Ricupero Flávio Aguiar Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Jean Pierre Chauvin Liszt Vieira Julian Rodrigues Daniel Brazil Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Anselm Jappe Antônio Sales Rios Neto Ronaldo Tadeu de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Dennis Oliveira Mário Maestri Leda Maria Paulani Heraldo Campos Flávio R. Kothe Otaviano Helene Eleutério F. S. Prado Luís Fernando Vitagliano Marjorie C. Marona Eduardo Borges Marilena Chauí Elias Jabbour Manuel Domingos Neto Gilberto Lopes Denilson Cordeiro Luiz Marques Henri Acselrad João Carlos Loebens Maria Rita Kehl Annateresa Fabris Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Tadeu Valadares Anderson Alves Esteves Atilio A. Boron João Paulo Ayub Fonseca Marilia Pacheco Fiorillo Luis Felipe Miguel Marcos Silva Leonardo Boff

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada